Chang'e 4

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chang'e 4
Chang'e 4.png
Descrição
Duração da missão Aterrissador: 12 meses
Rover: 3 meses[1]
Propriedades
Massa Aterrissador: 1200 kg
Rover: 140 kg
Missão
Data de lançamento 7 de dezembro de 2018 (1 ano) às 18:23 UTC
Veículo de lançamento Longa Marcha 3B
Local de lançamento Centro Espacial de Xichang
Destino Lua
Data de aterrissagem Aterrissador: 3 de janeiro de 2019 às 2:26 UTC
Rover: 3 de janeiro de 2019 às 14:22 UTC
Local de aterrissagem Cratera Von Kármán na Bacia do Polo Sul-Aitken

Chang'e 4 ( /ɑːŋˈə/; chinês simplificado: 嫦娥四号, literalmente ‘Chang'e No. 4’) é uma missão chinesa de exploração lunar, incorporando um pousador e um rover. É a segunda sonda espacial chinesa a pousar na Lua, construída como gêmea e suplente da Chang'e 3, como a Chang'e 2 foi da Chang'e 1.

Após o sucesso da missão Chang'e 3, a configuração da Chang'e 4 será ajustada para equipamento de teste da Chang'e 5,[2] que vai recolher amostras da superfície lunar e retornar com elas para a Terra.

A missão foi lançada em 12 de dezembro de 2018, como parte da segunda fase do Programa Chinês de Exploração Lunar.[3] A sonda aterrissou no lado oculto da Lua em 3 de janeiro de 2019 às 02:26 UTC.[4]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Um antigo evento de colisão na Lua deixou para trás uma cratera muito grande, chamada Bacia de Aitken[5], que agora tem cerca de 13 km de profundidade[6], e acredita-se que o impactador maciço provavelmente exponha a crosta lunar profunda e provavelmente materiais do manto.[7] Se Chang'e 4 pudesse encontrar e estudar parte desse material, obteria uma visão sem precedentes da estrutura interna e das origens da Lua[8].

Os objetivos científicos específicos são[9][10]:

  • Medir as composições químicas de rochas e solos lunares
  • Medir a temperatura da superfície lunar ao longo da duração da missão.
  • Realizar observação e pesquisa radioastronômica de baixa frequência usando um radiotelescópio
  • Estudar os raios cósmicos
  • Observar a coroa solar, investigue suas características e mecanismo de radiação e explore a evolução e o transporte de ejeção de massa coronal (CME) entre o Sol e a Terra.

Milestones[editar | editar código-fonte]

A sonda chinesa Chang'E-4 pousou em 3 de janeiro de 2019.[11] Após o pouso, a sonda implantou imediatamente seu veículo espacial Yutu-2,[12] que usa o Radar de Penetração Lunar (LPR) para investigar o subterrâneo que ele percorre.[13]

Um ano após o pouso, a sonda Chang'E-4 revelou as observações feitas pela LPR a bordo do veículo espacial Yutu-2 durante os dois primeiros dias lunares. A subsuperfície no local de pouso CE-4 é muito mais transparente para as ondas de rádio, e essa observação qualitativa sugere um contexto geológico diferente para os locais de desembarque de Chang'E-3. Os cientistas combinaram a imagem do radar com dados tomográficos e análise quantitativa da subsuperfície. Eles deduziram que a subsuperfície é feita principalmente por materiais granulares altamente porosos que incorporam rochas de vários tamanhos. A substância provavelmente é o resultado de turbulentas galáxias precoces quando meteoros e outros detritos espaciais atingiam a Lua com frequência.[14]

Galeria[editar | editar código-fonte]

O primeiro panorama do lado oculto da Lua

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. China says it will launch 2 robots to the far side of the moon in December on an unprecedented lunar exploration mission Arquivado Web archive.
  2. «China Celebrates Lunar Probe and Announces Return Plans». New York Times. 16 de dezembro de 2013. Consultado em 16 de dezembro de 2013 
  3. «Chang'e Diary». Zarya. Consultado em 16 de novembro de 2014 
  4. «China successfully lands Chang'e-4 on far side of Moon» 
  5. «What Chang'e 4 learned from the moon's far side | EarthSky.org». earthsky.org (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  6. May 2018, Nola Taylor Redd 26. «Chang'e-4: Visiting the Far Side of the Moon». Space.com (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  7. «China mission lands on Moon's far side». BBC News (em inglês). 3 de janeiro de 2019 
  8. Li, Chunlai; Su, Yan; Pettinelli, Elena; Xing, Shuguo; Ding, Chunyu; Liu, Jianjun; Ren, Xin; Lauro, Sebastian E.; Soldovieri, Francesco (1 de fevereiro de 2020). «The Moon's farside shallow subsurface structure unveiled by Chang'E-4 Lunar Penetrating Radar». Science Advances (em inglês). 6 (9): eaay6898. ISSN 2375-2548. doi:10.1126/sciadv.aay6898 
  9. Ling, Zongcheng; Jolliff, Bradley L.; Wang, Alian; Li, Chunlai; Liu, Jianzhong; Zhang, Jiang; Li, Bo; Sun, Lingzhi; Chen, Jian (22 de dezembro de 2015). «Correlated compositional and mineralogical investigations at the Chang′e-3 landing site». Nature Communications (em inglês). 6 (1): 1–9. ISSN 2041-1723. doi:10.1038/ncomms9880 
  10. «Chang'e-4 - Satellite Missions - eoPortal Directory». directory.eoportal.org (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  11. «Sonda chinesa Chang'E 4 encontra minerais que podem confirmar teoria sobre origem da Lua». G1. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  12. August 2019, Meghan Bartels 15. «China's Chang'e-4 Rover Keeps Snapping Stunning Photos of the Moon's Far Side». Space.com (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  13. «Chang'e-4». www.planetary.org (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  14. «Chang'E-4 LPR unveiled the Moon's farside shallow subsurface structure». Tech Explorist (em inglês). 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Media relacionados com Chang'e 4 no Wikimedia Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre exploração espacial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.