Véspera de Ano-Novo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Reveillon)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Véspera de Ano-novo
Fogos de artifício durante as comemorações de ano-novo na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil, em 2004.
Outro(s) nome(s) Réveillon
virada de ano
passagem de ano
Celebrado por Pessoas de todo o mundo
Data 31 de dezembro
Significado O último dia do ano gregoriano.
Frequência Anual

A Véspera de Ano-novo, também chamada de réveillon [reveiõ] (termo da língua francesa que significa "reanimar", "despertar"),[1][2] virada de ano,[3] ou passagem de ano[4] refere-se ao dia 31 de dezembro, precedente ao Dia de Ano-Novo nos países que seguem o calendário gregoriano.

Na cultura ocidental, faz-se uma ceia no dia da véspera para se aguardar o ano que chega e, à meia-noite da passagem de 31 de dezembro para 1 de janeiro, faz-se uma queima de fogos de artifício.

Segundo o folclore português, esta celebração está ligada a uma lenda popular que deu o nome de Noite de São Silvestre a esta noite.

Kiritimati (ou ilha Christmas), pertencente a Kiribati, e os países Samoa e Tonga são os primeiros a comemorarem a chegada do ano novo devido ao fuso horário de 14 horas à frente da hora universal, enquanto que Samoa Americana é considerado o último local habitado a despedir-se do ano anterior, pois encontra-se onze horas atrasado em relação à hora universal.[5][6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Na França do século XVII, o termo réveillon designava festas da nobreza que duravam a noite toda.[7] Essa palavra tem origem no termo réveiller, ou seja, "acordar", "deixar de dormir", que por sua vez vem do verbo latino velare, "fazer vigília", de vigilare, "velar, cuidar, não dormir".[8] Na cultura francesa atual, réveillon é o nome da festa noturna no dia antes do Natal e no dia antes do ano-novo. Nesse país, o termo é usado mais comumente no Natal, mas também é usado no ano-novo como Réveillon de la Saint-Sylvestre, pois o dia 31 de dezembro é o dia de São Silvestre. No Brasil e em Portugal, o termo se popularizou para se referir à festa de ano-novo.

Celebração ao redor do mundo[editar | editar código-fonte]

A passagem do ano-novo é, hoje, celebrada por todo o mundo. Normalmente, envolve queima de fogos de artifício em festas públicas, reuniões familiares ou com amigos, jantares ou ceias festivas e diferentes tipos de promessas, simpatias e costumes, como: comer grãos, sementes de romã, verdura, carne de porco, peixe, macarrão ou uva;[9] usar lingerie de uma determinada cor;[10] beber vinho espumante[11] ou sidra[12] etc.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Comemorações na Praia de Iracema, em Fortaleza.

Nas praias do Brasil, pessoas costumam celebrar a chegada do ano-novo trajadas de branco e fazendo oferendas a Iemanjá.[13]

  • No Rio de Janeiro, há queima de fogos e shows musicais ao longo de toda a orla marítima da cidade. A principal congregação, entretanto, ocorre na Praia de Copacabana. Na virada de 2011 para 2012, a queima de fogos em Copacabana durou 16 minutos e contou com cerca de 2 milhões de espectadores.[14] Ainda na mesma festa, a cidade do Rio recebeu, do World Travel Guide, o prêmio de maior festa de réveillon do mundo.[15]
  • Em São Paulo, a Avenida Paulista concentra a queima de fogos e as apresentações musicais. Em 31 de dezembro de 2008, a festa reuniu 2,4 milhões pessoas, incluindo mais de 100 mil turistas.[16][17][18][19] Mais cedo, durante a tarde do dia 31, a cidade sedia anualmente a Corrida de São Silvestre, com um percurso de 15 quilômetros contornando o Centro da cidade.
  • Em Fortaleza, a principal queima de fogos acontece no aterro da Praia de Iracema. De 2009 para 2010, foram registrados 1 100 000 espectadores na festa.[20] Fortaleza foi considerada, em 2012, a 2ª cidade brasileira com o maior réveillon (atrás apenas do Rio de Janeiro), com aproximadamente um milhão e quinhentas mil pessoas presentes para a virada do ano.[carece de fontes?] A queima de fogos é disparada do Espigão Democrito Dummar por radiofrequência, acompanhada de uma trilha sonora especialmente feita para a festa, criando, no céu, uma verdadeira coreografia de luzes, cores e música.
  • Em Manaus, a queima de fogos acontece em vários pontos da cidade, com destaque à Praia da Ponta Negra, que apresenta um show pirotécnico de 10 minutos.[21] Em 31 de dezembro de 2012, a celebração reuniu cerca de 300 mil pessoas na orla da cidade.[22] É o maior réveillon da Região Norte do Brasil.[23]
  • Em Balneário Camboriú, a principal queima de fogos é feita na orla central da praia (no centro da cidade).
  • Em Recife, a queima de fogos ocorre por toda a área litorânea da região metropolitana, nas praias de Boa Viagem, Pina etc. Na virada de 2012-13, foram usadas duas barcas que renderam aproximadamente 10 minutos de queima de fogos, além de um público (total) de mais de 900 000 espectadores.[carece de fontes?]
  • Em Salvador, na sexta-feira anterior à passagem do ano, as pessoas costumam pedir proteção na Igreja Nosso Senhor do Bonfim para o ano que se iniciará.[24] No noite de 31 de dezembro, a principal queima de fogos e os shows ocorrem na Praça Cayru, em uma estrutura montada na baía de Todos-os-Santos, perto de ícones turísticos como o Elevador Lacerda e Mercado Modelo, na Cidade Baixa, e em vários outros pontos isolados ao redor da capital. Antigamente, a queima ocorria na praia do Farol da Barra. A mudança de endereço, no início, gerou críticas e estranheza, mas depois foi bem-recebida pelos moradores e turistas.[25]
  • Em Belo Horizonte, a principal festa pirotécnica acontece na Lagoa da Pampulha, realizada pela TV Alterosa. É a maior queima de fogos embarcada em lagoa do Brasil[carece de fontes?] e, eventualmente, tem participações de bandas e shows musicais. São cerca de 15 minutos de fogos.

Portugal[editar | editar código-fonte]

Fogos de artifício em Funchal, na região autónoma da Madeira, em Portugal.
  • No Porto, a celebração mais famosa é a da Avenida dos Aliados, em que toda a gente espera o novo ano, atentos no relógio da torre da Câmara Municipal do Porto, memorável pelo seu fogo de artifício cruzando os edifícios, e pelos concertos populares.
  • Em Lisboa, a passagem de Ano é comemorada a partir do Terreiro do Paço, com contagem decrescente para o novo ano no relógio do Arco da Rua Augusta.[26] Tanto a cidade de Almada como Lisboa partilham o fogo de artífício do Rio Tejo.[27]
  • Na região autónoma da Madeira, onde o fim de ano é provavelmente o dia mais festivo durante o ano, o réveillon se concentra na principal cidade, Funchal, estando o espectáculo de fogo de artifício citado no livro Guinness World Records como o "maior espectáculo pirotécnico do mundo".[28] Esse espectáculo ganha especial interesse pois o Funchal é uma cidade em anfiteatro, onde as pessoas espalham-se numa área com mais de dezessete quilômetros e com mais de seiscentos metros de altitude. A cidade recebe, ainda, na orla marítima, dezenas de navios de cruzeiro, o que aumenta o ambiente de festa. Durante cinco dias, a ilha recebe mais de 50 000 turistas, que aproveitam para, mesmo em dezembro, banharem-se nas águas temperadas do arquipélago e apanharem algum sol. À noite, ainda há tempo para vislumbrar as inúmeras decorações de cambiantes luzinhas que se espalham por quase todas as ruas da cidade.
  • Em Setúbal, a passagem de Ano é comemorada com um fogo de artifício no rio Sado.[29]
  • Em Coimbra, a passagem de Ano é comemorada na Baixa da Cidade, em que toda a gente espera o novo ano, a partir do relógio da torre da Universidade de Coimbra, o que culmina com o fogo de artifício no Rio Mondego e com concertos populares.
  • Também a região do Algarve celebra, com fogo de artifício em vários municípios (nas zonas junto à praia) e concertos de grupos musicais muito diversos. Cada município organiza a sua festa de Fim de Ano e o Algarve costuma ser, a seguir ao Porto e a Lisboa, a região que atrai mais pessoas por esta altura.

Outros países[editar | editar código-fonte]

  • Em Nova Iorque, nos Estados Unidos, a celebração mais famosa de ano-novo é a de Times Square, onde uma bola gigante começa a descer às 23 horas e 59 minutos até atingir o prédio em que está instalada, marcando exatamente zero hora (00:00:00).
  • Na Escócia, há muitos costumes especiais associados ao Ano-Novo, como a tradição de ser a primeira pessoa a pisar a propriedade do vizinho, conhecida como first-footing ("primeira pisada"). São, também, dados presentes simbólicos para desejar boa sorte, incluindo biscoitos. Lá, o ano-novo é chamado de hogmanay.
  • Na Espanha, exatamente à meia-noite, as pessoas comem doze uvas e fazem um pedido a cada badalada do relógio da Porta do Sol, em Madrid. Existe uma canção do grupo espanhol Mecano que fala deste acontecimento: se chama Un Año Más.[30]
  • No Japão, se faz uma limpeza minuciosa da casa no dia 31 de dezembro para começar o novo ano a partir do zero. A festa da passagem do ano se caracteriza pelo consumo de moti.[31]
  • Na Austrália, é tradicional a queima de fogos na ponte da Baía de Sydney.[32]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Réveillon do morro. Disponível em http://www.bondinho.com.br/reveillon-do-morro/. Acesso em 23 de dezembro de 2012.
  2. Dicionário escolar da língua portuguesa/Academia Brasileira de Letras. 2ª edição. São Paulo. Companhia Editora Nacional. 2008. p. 1 127.
  3. [1]
  4. [2]
  5. "Considerado" pois as ilhas Baker e Howland são, tecnicamente, os últimos locais a presenciarem a chegada de um novo ano, pois estão doze horas atrasados à hora universal, mas como as ilhas são desabitadas, não são vistas como, propriamente dito, "os últimos"
  6. Emily Allen (31 de dezembro de 2016). «New Year's Eve: When is it 2017 around the world?» [Véspera de Ano Novo: quando é 2017 ao redor do mundo?] (em inglês). The Telegraph. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  7. Lais Modelli (31 de dezembro de 2018). «Qual é a origem dos rituais de Ano Novo no Brasil?». Consultado em 14 de agosto de 2018 
  8. Etimologia da palavra réveillon. Disponível em http://origemdapalavra.com.br/site/?s=reveillon. Acesso em 31/12/2016.
  9. «Conheça as superstições de Ano-Novo com alimentos». Consultado em 14 de agosto de 2019 
  10. «Astróloga explica o significado de cada cor da lingerie de Ano-Novo; veja opção de modelos». 30 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  11. Tatiana Fraga (24 de Dezembro de 2018). «Champanhe: não pode faltar no Réveillon!». Consultado em 14 de agosto de 2019 
  12. Luísa Melo (20 de dezembro de 2016). «Os bastidores da produção da sidra Cereser». Consultado em 14 de agosto de 2019 
  13. Lais Modelli (31 de dezembro de 2018). «Qual é a origem dos rituais de Ano Novo no Brasil?». Consultado em 14 de agosto de 2018 
  14. «Sob chuva e clima de paz Rio promove maior Réveillon do mundo». Folha do Turismo - Mercado e Eventos. Consultado em 2 de Janeiro de 2012 
  15. «The most spectacular New Year parties in Brazil, says World Travel Guide» (em inglês). MercoPress. Consultado em 2 de Janeiro de 2012 
  16. «Festa de Ano-Novo reúne milhões de pessoas na Paulista». Portal G1. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 2 de janeiro de 2009 
  17. «São Paulo comemora a virada na avenida Paulista». SPTV. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 2 de janeiro de 2009 
  18. «12ª edição do Réveillon na Paulista mostra múltiplas etnias e culturas de São Paulo». Revista In Online. 18 de dezembro de 2008. Consultado em 2 de janeiro de 2009 
  19. «São Paulo recebe mais de 100 mil turistas para eventos de Ano Novo». Jornal da Mídia. 31 de dezembro de 2008. Consultado em 2 de janeiro de 2009 
  20. «Réveillon de Fortaleza registra o maior público desde sua primeira edição». Prefeitura Municipal de Fortaleza. Consultado em 2 de Janeiro de 2012 
  21. Marques, Rickardo (1 de janeiro de 2019). «Manaus dá as boas-vindas a 2019 com queima de fogos e multidão na Ponta Negra». G1. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  22. Dantas, Marcos (1 de janeiro de 2013). «Réveillon reúne cerca de 300 mil pessoas na Ponta Negra, diz PM-AM». G1. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  23. «O maior Réveillon da Amazônia». Veja. Abril. 17 de dezembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  24. Lais Modelli (31 de dezembro de 2018). «Qual é a origem dos rituais de Ano Novo no Brasil?». Consultado em 14 de agosto de 2018 
  25. Réveillon de Salvador agrada, mas teve público bem menor que no Farol da Barra, acessado em 26 de dezembro de 2015
  26. «Passagem de Ano em Lisboa comemora-se no Terreiro do Paço». LOCAL.PT. 20 de Dezembro de 2012. Consultado em 27 de Dezembro de 2012 
  27. «Almada celebra Passagem de Ano junto ao Tejo». LOCAL.PT. 23 de Dezembro de 2012. Consultado em 27 de Dezembro de 2012 
  28. http://entretenimento.uol.com.br/ultnot/lusa/2007/01/01/ult3680u328.jhtm
  29. «Setúbal comemora passagem de ano com vista para o rio Sado». LOCAL.PT. 26 de Dezembro de 2012. Consultado em 27 de Dezembro de 2012 
  30. [3]
  31. Lais Modelli (31 de dezembro de 2018). «Qual é a origem dos rituais de Ano Novo no Brasil?». Consultado em 14 de agosto de 2018 
  32. Adriana Setti. «A dor e a delícia de ver a queima de fogos do Ano Novo de Sydney». 31 de dezembro de 2014. Consultado em 14 de agosto de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre véspera de ano-novo