Baía de Todos-os-Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a zona turística, veja Zona turística da baía de Todos os Santos. Para a capitania hereditária, veja Capitania da Baía de Todos os Santos. Para o filme, veja Bahia de Todos os Santos (filme).
Baía de Todos-os-Santos
Imagem de satélite da Baía de Todos-os-Santos em abril de 1997.
Localização Bahia Bahia
Oceanos Atlântico
Rios Rio Jaguaripe
Rio Paraguaçu
Rio Subaé
Países  Brasil
Dimensões
Área superficial 1 233 km²
Profundidade média 9 m
Profundidade máxima 70 m

A baía de Todos-os-Santos (BTS) é uma reentrância da costa litorânea brasileira localizada no estado da Bahia. Estende-se por 1 233quilômetros quadrados, com profundidade média de 9,8 metros, chegando até 70 metros,[1] com visibilidade de mergulho entre 10 e 20 metros.[2] É a maior baía do Brasil[3] e segunda maior do mundo.[4] Em 2014, recebeu da Marinha do Brasil o título de capital da Amazônia Azul.[5]

Dela originou-se o nome da capitania, província e atual estado brasileiro. A unidade federativa, entretanto, manteve a letra 'h' no substantivo, conforme grafia da língua portuguesa da época.[6] A baía era denominada pelos tupinambás de Kirimurê, cujo significado é "grande mar interior".[7]

História[editar | editar código-fonte]

Mapa do século XVII da baía de Todos os Santos
Mapa da baía de Todos os Santos e os limites atuais de municípios da Região Metropolitana de Salvador.

A larga e profunda baía encantou navegadores, piratas e colonizadores, bem como despertou o interesse do governo português por ser um excelente ancoradouro natural, um estratégico sítio defensivo, com águas piscosas e terras com boa fertilidade.

Foi nominada em 1501 quando uma expedição portuguesa comandada por Gaspar de Lemos e acompanhada por Américo Vespúcio, cartógrafo e escritor italiano, que daria nome a todo o continente americano, foi enviada para mapear as novas terras, descobertas um ano antes por Pedro Álvares Cabral. Era o dia 1º de novembro, Dia de Todos os Santos na tradição da religião católica. Por costume, nomeava-se todos os acidentes geográficos de acordo com os santos dos dias onde os mesmos eram identificados — cabendo à baía, portanto, este nome.

A relevância estratégica do local, associada à existência de colinas e acidentes geográficos a leste (relevo que permitiria o costume medieval de fortificação das cidades), foram decisivas para que Tomé de Sousa mais tarde escolhesse a região para fundar, por ordens do rei de Portugal, a cidade que seria a sede da primeira capital da colônia portuguesa — Salvador.[8]

A baía de Todos-os-Santos abrigou durante o período colonial um dos maiores portos exportadores do Hemisfério Sul, de onde eram enviados às metrópoles europeias parte do açúcar brasileiro e até prata boliviana, sendo o porto de Salvador um dos que mais receberam escravos africanos no Novo Mundo.[9]

A baía de Todos-os-Santos foi declarada sede da Amazônia Azul (extensão que reúne 4,5 milhões de quilômetros quadrados dos 8,5 milhões de quilômetros quadrados de costa brasileira) no dia 25 de setembro de 2014, durante o I Fórum Internacional de Gestão de Baías, realizado no Palácio da Associação Comercial da Bahia (ACB), em Salvador. A proposta foi a de estabelecer um marco mundial de debates sobre a economia do mar, inteligência naval e cadeia produtiva.[10]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa com as ilhas da baía, e alguns outros acidentes geográficos.

Penetrando 80 quilômetros adentro no continente, a baía de Todos os Santos possui um contorno litorâneo de 300 km, perfazendo os principais limites o Porto da Barra (ao norte, em Salvador) e a Ponta do Garcês (ao sul, em Jaguaripe), sendo na realidade um pequeno golfo composto por três baías, sendo a baía de Aratu, que abriga atualmente as instalações do Porto de Aratu e da Refinaria Landulfo Alves.[11] Suas margens possuem uma das maiores reservas de petróleo em terras continentais do Brasil. De uma barra à outra da baía medem-se 14 metros de amplitude, sendo que da Ponta da Penha até a Ponta de Itaparica temos aproximadamente 9 km de extensão.

A borda leste da baía é marcada por uma retilínea e íngreme escarpa tectônica, a escarpa de Salvador, o mais belo exemplo de um antigo bordo cristalino de fossa tectônica costeira existente em toda a América do Sul. Por possuir muitas vistas panorâmicas do alto da escarpa, a cidade de Salvador é conhecida também como cidade-belvedere.

Nela estão localizadas 56 ilhas,[2] dentre as quais a maior e mais importante é a de Itaparica. Outras ilhas importantes da baía são: ilha dos Frades, ilha de Maré, Ilha Bimbarras, ilha de Bom Jesus e a estação ecológica da Ilha do Medo.[11] Outras ilhas importantes, que compõem roteiros turísticos, são Madre de Deus, Matarandiba, Saraíba, Cajaíba, São João, Mutá, Olho Amarelo, Caraíbas, Malacaia, Porcos, Carapitubas, Canas, Ponta Grossa, Fontes, Pati, Santos, Coqueiros, Itapipuca, Grande, Pequena, Madeira, Chegado, Topete, Guarapira, Monte Cristo, Coroa Branca e Uruabo.[12]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Mapa folclórico da baía de Todos-os-Santos pintado numa parede

A região é bastante procurada para a prática de esportes náuticos, como vela, remo, regata e canoagem, sendo por isso realizada muitas competições do tipo em suas águas calmas também propícias para o mergulho e stand up paddle.[13][14][15] Também ocorre por lá a tradicional procissão marítima do Bom Jesus dos Navegantes, no primeiro dia do Ano Novo.[11][16] A região possui uma grande diversidade natural, formada por mata Atlântica, bananais, manguezais, coqueirais e recifes de corais.[11]

Proteção ambiental[editar | editar código-fonte]

A baía foi considerada alvo de medida de proteção ambiental, através do Decreto Estadual 7 595, de 5 de junho de 1999, como área de proteção ambiental — a Área de Preservação Ambiental da Baía de Todos-os-Santos. Nela estão incluídas as águas da baía e suas ilhas. Abrange os municípios de Cachoeira, Candeias, Itaparica, Jaguaripe, Madre de Deus, Maragogipe, Salinas da Margarida, Salvador, Santo Amaro, São Francisco do Conde, Saubara, Simões Filho e Vera Cruz.[17][18][19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. OCEANOGRAPHIC CHARACTERISTICS OF BAIA DE TODOS OS SANTOS, BRAZIL
  2. a b «Baía de Todos os Santos». Consultado em 9 de novembro de 2008. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2008 
  3. BA*, Do G1 (1 de novembro de 2014). «Maior baía do país tem ilhas, esconde naufrágios e é retrato da desigualdade». Bahia. Consultado em 27 de maio de 2021 
  4. www.beeweb.com.br, BeeWeb Agência Digital-. «Baía de Todos os Santos | ABIH - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis - Bahia». Associação Brasileira da Indústria de Hotéis da Bahia - ABIH - BAHIA - BRASIL. Consultado em 27 de maio de 2021 
  5. BA, Henrique MendesDo G1 (25 de setembro de 2014). «Baía de Todos-os-Santos é declarada como sede da 'Amazônia Azul' no país». Bahia. Consultado em 27 de maio de 2021 
  6. Bahia com H
  7. Oiticica, Ciro; Oswaldo-Cruz, Elisa (24 de agosto de 2010). «De Kirimurê à Baía de Todos os Santos». Consultado em 28 de julho de 2013. Arquivado do original em 17 de julho de 2015 
  8. BUENO, Eduardo. A Coroa, a cruz e a espada: lei, ordem e corrupção no Brasil Colônia, 1548-1558. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006. 275p.
  9. Milton Moura. «A larga barra da baía» (PDF). SciELO. Consultado em 24 de março de 2017 
  10. «Baía de Todos-os-Santos é declarada como sede da 'Amazônia Azul' no país». G1. 25 de setembro de 2014. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  11. a b c d baía de Todos-os-Santos. In Britannica Escola Online. Enciclopédia Escolar Britannica, 2014. Disponível em: <http://escola.britannica.com.br/article/483596/baia-de-Todos-os-Santos>. Acesso em: 22 de agosto de 2014.
  12. «Baía de Todos os Santos». Secretaria de Turismo da Bahia. Consultado em 1 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de março de 2009 
  13. [1]
  14. [2]
  15. [3]
  16. [4]
  17. «APA». Cópia arquivada em 18 de outubro de 2008  - descrição em página oficial do Governo do Estado (acesso em novembro de 2008).
  18. INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS. «APA Baía de Todos os Santos». Consultado em 4 de maio de 2014 
  19. Destinos » Cidades da Baía de Todos-os-Santos

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Baía de Todos-os-Santos