Mata Escura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a reserva biológica, veja Reserva Biológica Mata Escura.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde abril de 2012). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mata Escura
—  Bairro do Brasil  —
Unidade federativa Bahia Bahia
Município Salvador
Limites Cabula, Marechal Rondon, Jardim Santo Inácio, Pau da Lima
Fonte: Não disponível

Mata Escura é um bairro da capital baiana, Salvador.[1]

Limita-se com o Cabula, Marechal Rondon, Jardim Santo Inácio, Pau da Lima e Brasilgás. Suas vias de acesso são a Estrada da Sussuarana pra quem vem da praia, e a Avenida Cardeal Avelar Brandão Vilella, a famosa Estrada das Barreiras em seu prolongamento que segue até Brasilgás.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Por ter-se originado num lugar de cerrada Mata Atlântica, recebeu o lugar esta denominação.

História[editar | editar código-fonte]

No ano de 1870 o local foi objeto de arrendamento por parte de Flaviano Manoel Muniz e Maximiniano José da Encarnação, de sua proprietária, cujo nome conhecido é apenas Dona Feliciana - tendo sido a mesma loteada.

No final do século XIX e início do século XX ali foram instalados alguns importantes terreiros de Candomblé entre eles a Casa de Oxumare e o Terreiro Bate Folha este, lembrado em um grande sucesso, cantado pela estrela da Axé Music, Margareth Menezes, e hoje tombados como Patrimônio Histórico Nacional, pelo IPHAN.

Na década de 1930, já se constatava a formação de núcleos de povoamento, com vários casebres - o que torna este bairro o primeiro a iniciar a expansão interiorana da Capital.

Um rio e duas represas[editar | editar código-fonte]

Ainda na década de 30 foram construídas, para o abastecimento da cidade, duas represas no Rio Camurujipe, que corta o bairro: Prata e Mata Escura - projetadas pelo grande engenheiro baiano Teodoro Fernandes Sampaio.

A "Lemos de Brito"[editar | editar código-fonte]

Na década de 1950 foi ali erguida a penitenciária Lemos de Brito, ainda hoje o maior presídio do estado, que possui um importante acervo histórico em seu museu.

Expansão[editar | editar código-fonte]

Com o grande crescimento populacional de Salvador, a Mata Escura foi objeto do avanço urbanizador, com a instalação em sua área de diversos conjuntos habitacionais, a partir dos anos 1980. Além dessas construções, diversas "invasões" ocorrem, sobretudo nas áreas remanescentes da mata, ao sul da Penintenciária.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Assim como em muitos outros bairros da capital baiana, a Mata Escura possui diversos problemas urbanos, relacionados ao transporte, limpeza pública e esgotamento sanitário, abrigando uma população de cerca de cem mil habitantes.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]