Praia de Piatã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Praia de Piatã
Postal2 praia piatã.jpg
Localização
Endereço
Descrição
Tipo de praia
oceânica
Banhada por
Funcionamento
Acesso público

A praia de Piatã é uma praia de Salvador, na Bahia, no Brasil. Possui uma forma que se assemelha à de uma enseada, terminando em uma pequena península rochosa.

Costuma ser frequentada tanto por soteropolitanos quanto por turistas, a praia costuma estar sempre cheia. Banhistas vivenciam a presença de um grande número de surfistas, que passaram a utilizar esta praia para a prática do esporte, além da praia próxima, a de Jaguaribe (que fica na foz do rio de mesmo nome)[1][2].

Pelo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador (PDDU), é considerada área de proteção cultural e paisagística[3].

Era conhecida como "Praia de São Tomé" devido a uma lenda sobre a aparição do santo[4].

Na praia, encontra-se o "Parque dos Coqueiros de Piatã", um coqueiral implantado como parte da urbanização da cidade e próximo ao parque da praia do Corsário, às margens da Avenida Otávio Mangabeira[5].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Piatã" é um nome com origem na língua tupi: significa "pé duro", através da junção dos termos py (pé) e atã (duro)[6][7].

Outra versão aponta para o significado de "o persistente, o obstinado". E tal nome originou-se da fábrica de óleo de coco instalada no bairro[8].

Referências

  1. http://www.comunicacao.salvador.ba.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=15842&Itemid=42
  2. Praia de Piatã
  3. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 15 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 8 de janeiro de 2014 
  4. http://www.culturatododia.salvador.ba.gov.br/vivendo-polo.php?cod_area=5&cod_polo=57
  5. http://www.meioambiente.ba.gov.br/conteudo.aspx?s=GERARE&p=GERCOM
  6. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  7. FRANÇA, I. VisitePiatã.com. Disponível em http://visitepiata.webnode.com.br/cidade/historia/. Acesso em 14 de junho de 2013.
  8. http://www.culturatododia.salvador.ba.gov.br/vivendo-polo.php?cod_area=5&cod_polo=56