Piatã (Salvador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a praia de mesmo nome, veja Praia de Piatã (Salvador).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Piatã
  Bairro do Brasil  
Condomínio Veredas Piatã visto da Avenida Orlando Gomes.
Condomínio Veredas Piatã visto da Avenida Orlando Gomes.
Unidade federativa Bahia Bahia
Município Bandeira de Salvador.svg Salvador
Limites Itapuã, Patamares e Bairro da Paz
Fonte: Não disponível

Piatã é um bairro da cidade de Salvador, na Bahia, no Brasil. É cortado ao meio pela Avenida Orlando Gomes e tem limite na praia de Piatã.[1]

Nesse bairro, há vários condomínios fechados de classe média e alta: entre eles, estão o CasaBlanca, Costa Verde, Village Piatã, Veredas Piatã, Vila Tropical, Colina de Piatã, Horto Ville Piatã e Solaris. Nele, também está localizado o Costa Verde Tenis Clube, um clube do Banco do Brasil-Associação dos Aposentados do Banco do Brasil, uma escola pública e uma faculdade e escola média-técnica do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial/Cimatec. Também teremos futuramente o Reserva de Piatã: um microbairro dentro do próprio bairro, extremamente luxuoso e sustentável. Todos esses possuem, como principais acessos, a Avenida Orlando Gomes e a orla, um trecho da Avenida Octávio Mangabeira. Existem, também, um pequeno centro comercial, uma delegacia da Polícia Civil do Estado da Bahia e um curso de inglês.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Piatã" é um nome com origem na língua tupi: significa "pé duro", através da junção dos termos py (pé) e atã (duro)[2][3].

História[editar | editar código-fonte]

No período colonial, grande parte da orla entre Amaralina e Itapuã era chamada de São Tomé e era praticamente inabitada.

Anos atrás, Herbert Rocha Vaz instalou, na região, sua fábrica de óleo, que foi batizada de Olerífera Piatã por Frederico Edelweiss, empresário e estudioso de povos tupis. O nome do bairro significa "persistente".[4]

Referências

  1. Bairros de Salvador
  2. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  3. FRANÇA, I. VisitePiatã.com. Disponível em http://visitepiata.webnode.com.br/cidade/historia/. Acesso em 14 de junho de 2013.
  4. http://www.culturatododia.salvador.ba.gov.br/vivendo-polo.php?cod_area=5&cod_polo=56

Ligações externas[editar | editar código-fonte]