Engenho Velho da Federação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Engenho Velho da Federação é um bairro muito populoso da cidade de Salvador.[1] O bairro conta apenas com três linhas de ônibus, o que liga a outras partes da cidade. Nas proximidades do bairro, está o Engenho Velho de Brotas, Av. Vasco da Gama, Garibaldi e Rio Vermelho.

Atualmente devido à cultura, estão localizadas diversas casas de Camdomblés, sendo um dos bairros com mais terreiros. Suas principais ruas são a Avenida Apolinário Santana e a Rua das Palmeiras.

Localização[editar | editar código-fonte]

Localizado como uma continuação da Federação, possui praça e uma pequena feirinha, algumas lojas de roupas. Recebeu este nome devido aos engenhos de cana-de-açúcar na época da escravidão, onde a maior população de negros trabalhava para os donos de engenho.

História[editar | editar código-fonte]

A história do Engenho Velho da Federação começou com uma fazenda homônima, onde havia um grande engenho de cana-de-açúcar, o destino de muitos negros africanos escravizados no século XVII e ligada ao Engenho Velho de Brotas. Foi também o refúgio dos negros vindos da Pedra da Pituba, uma outra fazenda. Permaneciam no local enquanto durava a colheita das lavoura de dendê, licuri e cana-de-açúcar e quando acabava, iam para o terreiro de candomblé Bogum, o atual Terreiro do Bogum de língua Ketu-Jeje, uma homenagem aos negros velhos tendo perdido varias pessoas adeptas para varias igrejas evangelicas que tem crescido muito.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]