Vico Toscano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Vico Toscano ou Vico Etrusco (em latim: Vicus Tuscus) foi uma antiga via da cidade de Roma que originou-se no Fórum Romano, entre a Basílica Júlia e o Templo de Castor e Pólux, e percorreu no lado oeste do Palatino em direção ao Fórum Boário e o Circo Máximo, bem como o Velabro em sua fronteira oriental. Diz-se que seu nome deriva de um assentamento de etruscos, embora sua origem é incerta e, por conseguinte, é contraditoriamente exposta pelos autores clássicos: para Tácito, estes etruscos vieram para Roma para ajudar Rômulo a combater Tito Tácio que havia invadido a cidade após o rapto das sabinas, enquanto para Tito Lívio eles seria os remanescentes do exército de Clúsio que assentou-se na área após Guerra entre Clúsio e Arícia. É mais plausível, entretanto, outra hipótese, talvez extraída de Tácito, de que fosse uma zona de assentamento dos trabalhadores etruscos que vieram construir o Templo de Júpiter Capitolino.[1]

Sabe-se pelas fontes que havia uma estátua dedicada a Vertumno nesta rua. Devido a sua localização, o Vico Toscano provavelmente foi uma via movimentada, com lojas de vários tipos nela. Os turários (negociantes de incenso e perfume) parecem ter sido os comerciantes mais importantes, de modo que os cronistas vieram posteriormente a chamá-la de Vico Turário (em latim: Vicus Turarius).[1] Além disso, durante a pompa circense, após atravessar a Via Sacra, a parada dirigia-se pelo Vico Toscano em direção ao Circo Máximo.[2] Apesar disso, parece que o Vico Toscano manteve uma reputação desagradável.[1]

Em 1899, durante o processo de remoção do pavimento clássico tardio e medieval desta via entre a Basílica Júlia e o Templo de Castor e Pólux descobriu-se a ca. 15 metros um pavimentos com pequenos cubos de tijolo, que antecedem as datas da reconstrução do templo por Tibério (r. 14–37) e provavelmente pertenceram a um precinto mais antigo.[1]

Referências

  1. a b c d «Vicus Tuscus» (em inglês). Aulete. Consultado em 9 de outubro de 2014. 
  2. Arena 2009, p. 86.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arena, Patrizia (2009). «The pompa circensis and the domus Augusta (1st–2nd c. A.D.)». Ritual Dynamics and Religious Change in the Roman Empire. Proceedings of the Eighth Workshop of the International Network Impact of Empire. [S.l.]: Brill