Arquipélago das Berlengas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Arquipélago das Berlengas
Arquipélago das Berlengas está localizado em: Portugal Continental
Arquipélago das Berlengas
Localização em Portugal Continental
39° 24' 55" N 9° 30' 34" O
Arquipélago das Berlengas-pt.svg
Mapa do arquipélago
Geografia física
Localização São Pedro (Peniche)
Número de ilhas 7, e vários ilhéus e rochedos
Ilhas principais Berlenga Grande, Ilhas Estelas e Farilhões
Ponto culminante 150 m (Farol Duque de Bragança (Berlenga Grande))
Área 0,99  km²
Geografia humana
População 30 (2011)
Densidade 30,3  hab./km²
Berlenga Fort.jpg
Forte de São João Batista

O arquipélago das Berlengas é um arquipélago português, composto por ilhas graníticas, situado no oceano Atlântico, a 5,7 milhas a oeste do cabo Carvoeiro. Dependem administrativamente da freguesia de São Pedro, em Peniche, sub-região Oeste. Foi a primeira área protegida do país quando, em 1465, o rei Afonso V de Portugal proibiu a prática de caça na ilha principal das Berlengas (Berlenga Grande). A Reserva Natural das Berlengas é considerada Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO desde 30 de Junho de 2011.

Fazem parte deste arquipélago três pequenas ilhas:

A Ilha da Berlenga ou Berlenga Grande divide-se em duas partes, quase totalmente separadas por uma falha sísmica que a norte deu origem ao chamado Carreiro dos Cações e a sul ao Carreiro do Mosteiro. A parte maior da ilha, chama-se Berlenga e representa mais de 2/3 da superfície total da ilha; a parte menor chama-se Ilha Velha. Possui 78,8 hectares de superfície, aproximadamente 1,5km de comprimento, 0,8km de largura e uma altura máxima de 85 metros. Aqui encontra-se o Farol Duque de Bragança, o Forte de São João Baptista das Berlengas, a Praia do Carreiro do Mosteiro, restaurantes e parque de campismo.

De dezembro a março, a Ilha da Berlenga é apenas habitada pelos faroleiros e pelos vigilantes do ICNB.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Bairro dos Pescadores (único aglomerado populacional da ilha) e o Porto

A ocupação humana da Berlenga Grande (única habitável) remonta à Antiguidade, sendo assinalada como, Λονδοβρίς, Londobris ou Landobrix. Mais tarde foi chamada de ilha de Saturno pelos geógrafos Romanos. Posteriormente foi visitada por navegadores Muçulmanos, Vikings, corsários Franceses e Ingleses.

Em 1513, com o apoio da rainha Rainha D. Leonor, monges da Ordem de São Jerónimo aí se estabeleceram com o propósito de oferecer auxílio à navegação e às vítimas dos frequentes naufrágios naquela costa atlântica, assolada por corsários, fundando o mosteiro da Misericórdia da Berlenga, no local onde, desde 1953, se ergue um restaurante. Entretanto, a escassez de alimentos, as doenças e os constantes assaltos de piratas e corsários marroquinos, argelinos, ingleses e franceses, tornaram impossível a vida de retiro dos frades, muitas vezes incomunicáveis devido à inclemência do mar.

Fauna[editar | editar código-fonte]

No tocante à fauna destacam-se a lagartixa-de-bocage e o sardão, esta última espécie ameaçada pela populações de gaivota, coelho-bravo e rato-preto. Existem várias espécies de aves, marinhas e não-marinhas, que nidificam neste ponto isolado do litoral, tais como:

O mar das Berlengas alberga uma fauna marinha riquíssima, ímpar na costa portuguesa. É considerado um dos melhores locais da costa portuguesa para a prática de atividades subaquáticas.

Flora[editar | editar código-fonte]

Existem cerca de uma centena de espécies botânicas na área, incluindo:

Farol[editar | editar código-fonte]

O Farol da ilha foi construído em 1841 e denominado Duque de Bragança. Utiliza a energia acumulada durante o dia (através de vários painéis solares), com 29m de altura. A sua luz é visível até cerca de 50km de distância.

Fortaleza de São João Baptista das Berlengas[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de São João Baptista das Berlengas.

O forte de planta poligonal irregular (orgânica), apresenta uma edificação principal no terrapleno, com doze salas ou quartos onde funcionavam as dependências de serviço (Casa do Comando, Quartéis de Tropas, Armazéns, Cozinha e outros) e mais oito compartimentos inscritos no interior das muralhas. Um corredor sem iluminação dá acesso internamente aos vários pontos da estrutura.

O Bairro dos Pescadores[editar | editar código-fonte]

Ou bairro Comandante Andrade e Silva é o único aglomerado do arquipélago.

Bairro dos Pescadores


Turismo[editar | editar código-fonte]

Baía na ilha principal.
Área de campismo

Existem dois restaurantes na ilha, o Restaurante e Quartos Mar e Sol e no Forte de São João Baptista, uma zona de campismo e um minimercado com produtos essenciais.

Praias[editar | editar código-fonte]

Mapa da Berlenga

Possui diversas enseadas azul-cristalino, excelentes para nadar. A mais conhecida fica junto à doca de desembarque. [2]

Outros[editar | editar código-fonte]

O arquipélago foi palco e tema principal do filme O Rei das Berlengas, realizado em 1978 por Artur Semedo e contando com Mário Viegas como protagonista — o herdeiro da dinastia dos Teles de Midões que se bate pela independência do arquipélago face a Portugal.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Habitantes da Berlenga vão receber electricidade no Natal (8-11-2007). Visitado em 23-2-2015.
  2. Guia Visão das Praias (2004), pág. 60.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquipélago das Berlengas