Arthur Rimbaud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean-Nicolas Arthur Rimbaud
Carjat Arthur Rimbaud 1872 n2.jpg
Rimbaud aos 17 anos, retratado por Étienne Carjat, provavelmente em dezembro de 1871
Nacionalidade  França
Data de nascimento 20 de outubro de 1854
Data de falecimento 10 de novembro de 1891 (37 anos)
Gênero(s) Romance e Drama
Pseudônimo(s) Arthur Rimbaud
Movimento Simbolismo
Magnum opus Uma Temporada no Inferno
Influências Victor Hugo, Charles Baudelaire, George Izambard, Paul Verlaine, Walt Whitman

Jean-Nicolas Arthur Rimbaud (Charleville, 20 de outubro de 1854  — Marselha, 10 de novembro de 1891) foi um poeta francês[1] . Produziu suas obras mais famosas quando ainda era adolescente sendo descrito por Paul James, à época, como "um jovem Shakespeare". Aos 20 anos já havia escrito 20 livros de poesia. Como parte do movimento decadente, Rimbaud influenciou a literatura, a música e a arte modernas. Era conhecido por sua fama de libertino e por uma alma inquieta, viajando de forma intensiva por três continentes antes de morrer de câncer aos 37 anos de idade.

Vida[editar | editar código-fonte]

Infância e adolescência (1854-1871)[editar | editar código-fonte]

Alenor Rimbaud nasceu no seio da classe média provincial de Charleville (hoje parte de Charleville-Mézières) em Ardenas, departamento no nordeste da França. Ele foi o segundo filho de Vitalie Rimbaud (Cuif, antes de se casar) e o Capitão Frédéric[2] , que lutou na conquista da Argélia e foi premiado com a Légion d'honneur. Logo depois que o casal teve a quinta criança (Frédéric, Arthur, Victorine [que morreu um mês depois do nascimento], Vitalie e Isabelle), o pai deixou a família. Crescendo separadamente de seu pai, pelos escritos de Rimbaud é evidente que nunca se sentiu amado por sua mãe. Quando garoto era impaciente, inquieto, porém um estudante brilhante. Pela idade de quinze anos ganhou muitos prêmios e compôs versos originais e diálogos em Latim. Em 1870 seu professor Georges Izambard se tornou o mentor literário de Rimbaud e seus versos em francês começaram a melhorar rapidamente.

Rimbaud fugia freqüentemente de casa e pode ter se unido por pouco tempo à Comuna de Paris de 1871, que foi retratada em seu poema L'orgie parisienne (“A Orgia Parisiense” ou “Paris Repovoada”); pode ter sofrido violências sexuais por soldados bêbados da comuna (e seu poema Le cœur supplicié (“O Coração Torturado”) parece sugerir), tal fato é pouco provável já que Rimbaud continuou a apoiar os Comunistas escrevendo poemas que simpatizavam com suas reivindicações[3] . Nesta época ele se tornou um anarquista, começou a beber e se divertia chocando a burguesia local com suas vestes rotas e o cabelo longo [4] . Neste mesmo tempo escreveu para Izambard e Paul Demeny sobre seu método para atingir a transcendência poética ou o poder visionário através do “longo, imenso e sensato desregramento de todos os sentidos.” (Les lettres du Voyant [As Cartas do Vidente]).

A vida com Paul Verlaine (1871-1875)[editar | editar código-fonte]

Ele retornou a Paris em setembro de 1871 por um convite do eminente poeta influenciador do simbolismo Paul Verlaine (depois que Rimbaud lhe mandou uma carta contendo vários exemplos do seu trabalho) e residiu brevemente em sua casa. Este, que era casado, apaixonou-se prontamente pelo adolescente calado, de olhos azuis e cabelo castanho-claro comprido. Enquanto é provável que Verlaine já havia tido um caso homossexual, ainda permanece incerto se o relacionamento com Verlaine foi o primeiro de Rimbaud. Os amantes levaram uma vida ociosa, regada a absinto e haxixe[5] . Escandalizaram o círculo literário parisiense por causa do comportamento ultrajante de Rimbaud, o arquetípico enfant terrible, que durante este período continuou a escrever notáveis versos visionários.

À volta da mesa, por Henri Fantin-Latour, 1872, Rimbaud é o segundo à esquerda, tendo ao seu lado direito Paul Verlaine

O tempestuoso caso amoroso entre ambos levou-os a Londres em setembro de 1872[6] , Verlaine abandonando sua esposa e um filho pequeno (ambos sofriam de abusos durante as iras alcoólicas de Verlaine). Os amantes viveram em uma pobreza considerável, em Bloomsbury e em Camden Town, desprezando uma vida de ensino e uma pensão da mãe de Verlaine[7] . Rimbaud passou seus dias na sala de leitura do Museu Britânico onde "calor, luz, penas e tinta eram de graça" [7] .

Em junho de 1873, Verlaine voltou para Paris, onde a ausência de Rimbaud foi difícil de agüentar. Em oito de julho, ele mandou um telegrama ao jovem poeta, lhe dando instruções para ir ao Hotel Liège em Bruxelas; Rimbaud concordou imediatamente. O encontro de Bruxelas foi péssimo; um reclamando do outro e Verlaine bebendo constantemente [8] . Na manhã de dez de julho, Verlaine comprou um revolver e munição; à tarde, numa "fúria de bêbado", disparou dois tiros em Rimbaud, um deles ferindo o poeta de dezoito anos no pulso [8] .

Rimbaud considerou o ferimento superficial e a princípio não acusou Verlaine. Após isto, ele e sua mãe acompanharam Rimbaud a uma estação de trem em Bruxelas, onde Verlaine se comportou como um louco. Isto fez Rimbaud sentir medo do poeta, que então se virou e foi embora. Em suas palavras "então eu [Rimbaud] implorei para um policial o prender [Verlaine]" [9] . Ele foi detido por tentativa de homicídio e submetido a um exame médico humilhante [10] . Também foi interrogado sobre sua correspondência íntima com seu amante e sobre as acusações de sua mulher sobre a natureza de sua relação com Rimbaud[10] , que eventualmente retirou suas queixas, porém o juiz condenou Verlaine a dois anos de prisão[10] .

Rimbaud retornou a sua casa em Charleville e completou sua prosa Une saison en enfer (Uma Estação no Inferno), considerada pioneira nas instâncias do simbolismo moderno e escreveu uma descrição sobre sua vida de drôle de ménage (farsa doméstica) com Verlaine, seu frère pitoyable (lamentável irmão) e a vierge folle (virgem louca) por quem ele era um l'époux infernal (noivo infernal). Em 1874 retornou para Londres com o poeta Germain Nouveau[11] e suas arrasantes Illuminações.

Viagens (1875-1891)[editar | editar código-fonte]

Rimbaud e Verlaine se encontraram pela última vez em março de 1875, em Stuttgart, Alemanha, depois que o último saiu da prisão e se converteu ao catolicismo [12] . Rimbaud acabou por desistir de escrever e decidiu-se por uma vida fixa, de trabalho. Alguns especulam que ele ainda possuía vivo o seu antigo estado selvagem, enquanto outros sugerem que ele buscou ficar rico e independente para algum dia poder viver como um poeta despreocupado; de qualquer forma, continuou a viajar intensivamente pela Europa, principalmente a pé.

Rimbaud (autorretrato) em Harar em 1883.[13]

Em maio de 1876, ele se alistou como soldado no Exército Colonial Holandês [14] para poder viajar livremente para Java (na Indonésia) onde, após quatro meses, desertou, retornando para a França por navio [15] . Na residência oficial do major de Salatiga, uma pequena cidade a 46 km do sul de Semarang, capital da Província Central de Java, existe uma placa de mármore declarando que Rimbaud um dia esteve na cidade.

Em dezembro de 1878, Rimbaud chegou a Larnaca, Chipre, onde trabalhou como capataz na pedreira de uma empresa de construção [16] . Em maio do ano seguinte, teve que deixar Chipre por causa de uma febre, que mais tarde, na França, foi diagnosticada como febre tifóide.

Em 1880, Rimbaud finalmente adaptou-se em Aden como um empregado principal na agência de Bardey [17] . Ele teve várias mulheres nativas como amantes e por algum tempo viveu com uma amante da Etiópia (carece de fontes). Em 1884, ele deixou o trabalho na Bardey para se tornar um mercador por conta própria em Harar, Etiópia. Notavelmente, as vendas de Rimbaud incluíam café e armas. Nesse período, fez uma grande amizade com o governador de Harar, Ras Makonnen, pai do futuro imperador da Etiópia, Haile Selassie [18] .

Morte[editar | editar código-fonte]

Rimbaud desenvolveu sinovite em seu joelho direito e, subseqüentemente, um carcinoma no mesmo joelho. Seu estado de saúde o forçou a partir para a França em 9 de maio de 1891 [19] , onde foi admitido num hospital em Marselha, e ali teve sua perna amputada no dia 27 de maio [20] . No pós-operatório foi descoberto que Rimbaud sofria de câncer [21] . Após uma curta estada na casa de sua família, voltou a viajar para a África, mas a sua saúde piorou durante a viagem, sendo readmitido no mesmo hospital em Marselha. Lá, após algum tempo de sofrimento e eventuais visitas de sua irmã Isabelle, Rimbaud morreu a 10 de novembro de 1891, com apenas 37 anos, e seu corpo foi enterrado no jazigo da família em Charleville [22] .[23]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

A poesia de Rimbaud, bem como sua vida, impressionou escritores, músicos e artistas do século XX. Pablo Picasso, Dylan Thomas, Allen Ginsberg, Vladimir Nabokov, Bob Dylan, Patti Smith, Giannina Braschi, Léo Ferré, Henry Miller, Van Morrison e Jim Morrison foram influenciados por sua poesia e por sua vida [24] . A vida de Rimbaud foi retratada em vários filmes. No filme Una stagione all'inferno (Uma Temporada no Inferno), de 1970, do cineasta italiano Nelo Risi, o escritor francês é interpretado por Terence Stamp e Verlaine por Jean-Claude Brialy. Em 1995, a cineasta polonesa Agnieszka Holland dirigiu Eclipse Total de uma Paixão, no qual Leonardo DiCaprio interpreta Rimbaud e David Thewlis, Paul Verlaine.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Rimbaud que partiu para traficar armas de fogo no norte da África de um lado e deu cor às vogais (revista em Alquimia do Verbo) por outro, tornou-se um tipo de referência para a poesia no século seguinte: servindo como argumento à tese que nascia sobre a impossibilidade de ser considerada a dissociação entre o poeta e sua poesia.(carece de fontes).

O norte-americano Henry Miller, um dos grandes admiradores da poesia simbolista de Rimbaud, diz, diante disso, que o tipo Rimbaud chegará a superar tipos clássicos de comportamento; como o introspectivo e inquieto jovem estampado pelo personagem Hamlet, de Shakespeare. "Acho que existem muitos Rimbauds neste mundo afora e que esse número aumentará com o passar dos anos. Também acho que o tipo Rimbaud vai eliminar, do mundo futuro, o tipo Hamlet e o tipo Fausto. Até que o velho mundo desapareça por completo, o indivíduo 'anormal' tende a ser cada vez mais a regra. O novo homem só se descobrirá quando terminar o conflito entre a coletividade e o indivíduo. Aí então veremos o tipo de homem em sua plenitude e esplendor" (MILLER, Henry. A Hora dos Assassinos - Um Estudo sobre Rimbaud. L&PM Pocket, 2003, pg. 15).

Paulo Leminski escreveu no curtíssimo ensaio "Poeta Roqueiro" que "se vivesse hoje, Rimbaud seria músico de rock" e que Rimbaud "pasmou os contemporâneos com uma precocidade poética - (escrevendo) obras-primas entre os 15 e os 18 anos". Georges Duhamel vai pela mesma picada: "O que Mallarmé não parece ter adivinhado é que o 'Viajante notável' voltaria, que ia ficar, que não pararia de crescer, que sua influência se estenderia sobre todas as gerações e que aquele garoto seria no século novo não o mestre, e sim, melhor ainda, o mensageiro, o profeta de toda uma juventude febril, entusiasta, rebelde". A imagem mais conhecida de Rimbaud, esta mesma que ilustra o verbete, reforça a ideia de enfant terrible que se relaciona à sua personalidade (carece de fontes).

Referências

  1. Artur Rimbaud, pag. 1455 - Grande Enciclopédia Universal - edição de 1980 - ed. Amazonas
  2. Ivry (1998), 11.
  3. Ivry (1998), 26.
  4. Ivry (1998), 22.
  5. Bernard (1991).
  6. Robb (2000), 184.
  7. a b Robb (2000), 196–197.
  8. a b Robb (2000), 218–221.
  9. Harding (2004), 160.
  10. a b c Robb (2000), 223–224.
  11. Robb (2000), 241.
  12. Robb (2000), 264.
  13. Jeancolas (1998), 164.
  14. Robb (2000), 278.
  15. Robb (2000), 282–285.
  16. Robb (2000), 299.
  17. Robb (2000), 313.
  18. Nicholl (1999), 231.
  19. Robb (2000), 418–419.
  20. Robb (2000), 425–426.
  21. Robb (2000), 422–424.
  22. Robb (2000), 440–441.
  23. Arthur Rimbaud (em inglês) no Find a Grave.
  24. Robb (2000), xiv.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Arthur Rimbaud
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Arthur Rimbaud
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arthur Rimbaud

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adam, Antoine (ed.). (1972). Rimbaud: Œuvres complètes. (em francês) Paris: Gallimard/Pléiade. ISBN 978-2-07-010476-5
  • Bernard, Suzanne & Guyaux, André. (1991). Œuvres de Rimbaud. (em francês) Paris: Classiques Garnier. ISBN 2-04-017399-4
  • Capetanakis, D., 'Rimbaud', in Demetrios Capetanakis A Greek Poet In England (1947), p.53-71.
  • Fowlie, Wallace & Whidden, Seth. (2005). Rimbaud, Complete Works, Selected Letters. University of Chicago Press. ISBN 0-226-71977-4
  • Harding, Jeremy & Sturrock, John (trans.). (2004). Arthur Rimbaud: Selected Poems and Letters. Penguin. ISBN 0-14-044802-0
  • Ivry, Benjamin. (1998). Arthur Rimbaud. Bath, Somerset: Absolute Press. ISBN 1-899791-55-8.
  • James, Jamie. (2011) "Rimbaud in Java: The Lost Voyage". Singapore: Editions Didier Millet. ISBN 978-981-4260-82-4
  • Jeancolas, Claude. (1998). Passion Rimbaud: L'Album d'une vie. (em francês) Paris: Textuel. ISBN 978-2-909317-66-3
  • Kwasny, Melissa. (2004). Toward the Open Field: Poets on the Art of Poetry. Middletown, Conn.: Wesleyan University Press. ISBN 0-8195-6606-3
  • Lefrère, Jacques. (2001). Arthur Rimbaud. (em francês) Paris: Fayard. ISBN 978-2-213-60691-0
  • Lefrère, Jacques. (2007). Correspondance de Rimbaud. (em francês) Paris: Fayard. ISBN 978-2-213-63391-6
  • MacLeish, Archibald (1960). Poetry and Experience. Baltimore: Penguin.
  • Nicholl, Charles. (1999). Somebody Else: Arthur Rimbaud in Africa 1880–91. University of Chicago Press. ISBN 0-226-58029-6
  • Peyre, Henri. (1974). A Season in Hell and The Illuminations. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-501760-9
  • Rickword, Edgell. (1971). Rimbaud: The Boy and the Poet. New York: Haskell House Publishers. ISBN 0-8383-1309-4
  • Robb, Graham. (2000). Rimbaud. New York: W.W. Norton & Co. ISBN 0-393-04955-8
  • Schmidt, Paul. [1976]. Rimbaud, Complete Works. New York: Perennial (HarperCollins), 2000. ISBN 978-0-06-095550-2
  • Starkie, Enid. (1973). Arthur Rimbaud. London: Faber and Faber. ISBN 0-571-10440-1
  • Steinmetz, Jean-Luc. (2001). Jon Graham (trans). Arthur Rimbaud: Presence of an Enigma. New York: Welcome Rain Publishers. ISBN 1-56649-106-1
  • White, Edmund. (2008). Rimbaud: The Double Life of a Rebel. London: Grove. ISBN 978-1-84354-971-0