Coco-de-espinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMacaúba
Macaúba em Avaré

Macaúba em Avaré
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Subclasse: Arecidae
Ordem: Arecales
Família: Arecaceae (Palmae)
Género: Acrocomia
Espécie: A. aculeata
Nome binomial
Acrocomia aculeata
(Jacq.) Lodd. ex Mart. 1845
Sinónimos
Acrocomia antiguana L.H. Bailey
Acrocomia antioquensis Posada-Arango
Acrocomia belizensis L.H. Bailey
Acrocomia christopherensis L.H. Bailey
Acrocomia chunta Covas & Ragonese
Acrocomia erioacantha Barb. Rodr.
Acrocomia fusiformis (Sw.) Sweet
Acrocomia glaucophylla Drude
Acrocomia grenadana L.H. Bailey
Acrocomia hospes L.H. Bailey
Acrocomia ierensis L.H. Bailey

Acrocomia intumescens Drude Acrocomia karukerana L.H. Bailey Acrocomia lasiospatha Mart. Acrocomia media O.F. Cook Acrocomia mexicana Karw. ex Mart. Acrocomia microcarpa Barb. Rodr. Acrocomia mokayayba Barb. Rodr. Acrocomia odorata Barb. Rodr. Acrocomia panamensis L.H. Bailey Acrocomia pilosa León Acrocomia quisqueyana L.H. Bailey Acrocomia sclerocarpa Mart. Acrocomia sclerocarpa var. wallaceana Drude Acrocomia spinosa (Mill.) H.E. Moore Acrocomia subinermis León ex L.H. Bailey Acrocomia totai Mart. Acrocomia ulei Dammer Acrocomia viegasii L.H. Bailey Acrocomia vinifera Oerst. Acrocomia wallaceana (Drude) Becc. Bactris globosa Gaertn. Cocos aculeatus Jacq. Cocos fusiformis Sw. Palma spinosa Mill.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Coco-de-espinho
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Coco-de-espinho

A Acrocomia aculeata é uma palmeira nativa brasileira e uma das duas espécies que são popularmente conhecidas pelo nome de macaúba, macaíba, boicaiuva, macaúva, coco-de-catarro, coco-baboso e coco-de-espinho. A outra é a Acrocomia intumescens.[1] [2]

O termo, que vem do tupi ma'kaí'ba (através da junção de bacaba mais yuba, que significa "coco amarelo"),[2] é visto em vários topônimos no Brasil, entre os quais os municípios de Macaíba[3] (Rio Grande do Norte), Bocaiuva (Minas Gerais) e Bocaiuva do Sul (Paraná).

Características e usos[editar | editar código-fonte]

A palmeira, que apresenta altura de até 15 metros, é uma árvore ornamental.[4] Seus frutos são comestíveis, e de sua amêndoa se extrai um óleo fino semelhante ao da oliveira. Seu óleo é também uma das principais fontes para a produção de biodiesel. [5] Do miolo do tronco se faz uma fécula nutritiva, as folhas são forrageiras e têm fibras têxteis usadas para fazer redes e linhas de pescar. A madeira é usada em construções rurais.[6]

Sua presença é indicativa de solos férteis e a frutificação ocorre entre três e cinco anos de idade. O cacho pode ter até 60 quilos e a palmeira produz de quatro a seis cachos por ano. A espécie pode sobreviver por 100 anos mas seu plantio ainda é difícil.

O óleo da macaúba, além do uso alimentício, é de excepcional qualidade para uso industrial. Alguns estudos apontam para provável utilização comercial para os dois usos. O fruto também é comestível, assim como o palmito, considerado uma iguaria. Sua torta é também considerada de alto valor nutritivo para alimentação de gado.[7]

Em Cuiabá o fruto é muito apreciado principalmente pelas crianças e também é conhecida como "chiclete cuiabano".

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

A planta é encontrada principalmente na floresta latifoliada semidecídua da Mata Atlântica, desde o Pará até São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro.[8] Além do Brasil, ocorre na Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Colômbia, Venezuela, nas três Guianas, no México e em toda a América Central.[9]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. LORENZI, H.; MOREIRA DE SOUZA, H.; TADEU DE MEDEIROS-COSTA, J.; COELHO DE CERQUEIRA, L.; VON BEHR, N.. Palmeiras no Brasil: Exóticas e Nativas. [S.l.]: Instituto Plantarum, 1996.
  2. a b Editores (2008). Macaúba. iDicionário Caldas Aulete. Página visitada em 28/04/2013.
  3. Adm. do site (2008). História de Macaíba. Prefeitura de Macaíba – RN. Página visitada em 28/04/2013.
  4. José Felipe Ribeiro e Bruno Machado Teles Walter (2005). Vegetação salvânica – palmeiral. Embrapa. Página visitada em 28/04/2013.
  5. Confederação Nacional do Transporte (CNT);Serviço Social do Transporte (SEST); Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT). Procedimentos para a preservação da qualidade do óleo diesel B. [S.l.]: Brasília:CNT, 2011.
  6. Yolanda Ramos Losqui, Emílio Santana de Abreu et Alii (18/07/2008). Análise qualitativa dos constituintes químicos do fruto da macaúba. 60ª Reunião Anual da SBPC. Página visitada em 28/04/2013.
  7. Rafael Alves de Azevedo et Alii (2012). Desempenho de cordeiros alimentados com inclusão de torta de macaúba na dieta. www.scielo.com.br. Página visitada em 28/04/2013.
  8. Redação do site (2008). Acrocomia aculeata. Ecologia Online. Página visitada em 28/04/2013.
  9. Loddiges, Conrad (L.) et Alii (1845 e 2005). Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.. Tropicos. Página visitada em 28/04/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre palmeiras (família Arecaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.