Coligação da Esquerda Radical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coligação da Esquerda Radical
Συνασπισμός Ριζοσπαστικής Αριστεράς
SYRIZA
Líder Alexis Tsipras
Presidente Alexis Tsipras
Fundação 2004
Sede Atenas,  Grécia
Ideologia Socialismo democrático, Ecossocialismo, Anticapitalismo, Anti-globalização, Esquerda política,
Grupo no Parlamento Europeu Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde[1]
Cores vermelho, verde, violeta
Site
syriza.gr

A Coligação da Esquerda Radical (em grego Συνασπισμός Ριζοσπαστικής Αριστεράς Synaspismos Rizospastikīs Aristerás, abreviado SYRIZA) é um partido político de esquerda da Grécia.

Cartaz eleição de 2007 SYRIZA: "Unidos para a esquerda e tornar possível o impossível"

Liderado por Alexis Tsipras, defende o aumento dos impostos para os contribuintes com mais rendimentos, o adiamento ou anulação dos pagamentos da dívida e cortes nos gastos da defesa. Tsipras, um dos mais novos políticos gregos, defende uma frente de esquerda anti-austeridade.

Nas eleições parlamentares de 6 de maio de 2012, a SYRIZA conquistou 16 % dos votos e 50 deputados, tornando-se no segundo maior partido, a seguir à Nova Democracia (Grécia) e antes do PASOK.[2] O crescimento da SYRIZA é considerado como uma das manifestações de protesto contra a política de austeridade, seguida nos últimos anos[3] , e contra a entrada no parlamento de partidos da extrema direita.

História[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

A Coligação da Esquerda Radical tem sua origem no Espaço para o Diálogo da Unidade e Acção Comum da Esquerda (Grego: Χώρος Διαλόγου για την Ενότητα και Κοινή Δράση της Αριστεράς), lançado em 2001.[4] O "Espaço" era composto por várias organizações políticas gregas de esquerda que, apesar de diferenças ideológicas e históricas, conseguiram chegar a uma plataforma política comum, acerca de temas importantes que haviam surgido na Grécia no final da década de 1990, tais como a guerra do Kosovo, privatizações etc..

Organizações integrantes[editar | editar código-fonte]

A SYRIZA é composta pelas seguintes organizações[5] [6] :

Organização Filiação internacional
Synaspismos - Coligação da Esquerda dos Movimentos e da Ecologia Partido da Esquerda Europeia
AKOA - Esquerda Comunista Ecológica e Renovadora Partido da Esquerda Europeia, observador
KOE - Organização Comunista da Grécia Conferência Internacional de Partidos e Organizações Marxistas-Leninistas (maoísta)
DEA - Esquerda Internacionalista dos Trabalhadores
Kokkino Quarta Internacional (pós-reunificação), observador
APO - Grupo Político Anticapitalista Esquerda Anti-Capitalista Europeia[7]
Rosa
KEDA - Movimento pela Unidade na Acção da Esquerda
Energoi Polites - Cidadãos Activos
Rizospastes
Eco-socialistas Grécia Rede Eco-socialista Internacional
DIKKI - Movimento Democrático Social

Eleições de 17 de Junho de 2012[editar | editar código-fonte]

Nestas eleições, existenciais para a Grécia, o SYRIZA registou novamente um aumento de votos, obtendo 26.8 %, mas foi novamente superado pela Nia Dimokratia, com 29,9 %. Em resposta ao convite desta última para participar de um governo de unidade nacional, o SYRIZA anunciou a sua decisão de ficar na oposição.[8]

Eleições de 2014 para o Parlamento Europeu[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o Syriza foi o grande vencedor das eleições dos representantes da Grécia no Parlamento Europeu, realizadas entre 22 e 25 de maio de 2014 . O partido obteve aproximadamente 27% , na primeira vitória em eleições desde a sua criação. Já o partido governista Nova Democracia, do primeiro-ministro Antonis Samaras, ficou em segundo lugar, com cerca de 23% dos votos. A vitória do Syriza provocou mudanças na equipe de governo do conservador da Samaras. [9] A principal bandeira do partido vencedor continua a ser o fim da política de austeridade imposta pela "Troika" (Banco Central Europeu, FMI e Comissão Europeia) à Grécia.[10] Em novembro, Tsipras voltou a garantir que o Syriza vai reclamar a anulação de parte da dívida grega, tal como aconteceu com a Alemanha em 1953.[11]

Referências

  1. GUE/NGL - Parties European United Left / Nordic Green Left. Visitado em 8 de maio de 2012.
  2. "Veredito do povo exclui governo que aplique memorando" DN Online, 9 de maio 2012
  3. http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-18056677 (em inglês)
  4. Press conference of the "Space" Syn.gr (2001-05-15). Visitado em 2012-05-17.
  5. Profile of Synaspismos (em inglês) SYNASPISMOS. Visitado em 12 de maio de 2012.
  6. Da antiglobalização ao governo de esquerda Esquerda.net (19 de maio de 2012). Visitado em 21 de maio de 2012.
  7. Statement by Anti-capitalist Left conference (em Inglês) Internation Viewpoint Quarta Internacional (julho 2011). Visitado em 1 de junho de 2012.
  8. Público (Lisboa), 18/6/2012
  9. Governo grego remodelado após derrota nas eleições europeias. ZAP/AEIOU, 9 de junho de 2014.
  10. Na Grécia, partido de esquerda Syriza vence eleição para Parlamento Europeu. Por Rafael Duque. Opera Mundi, 25 de maio de 2014
  11. Tsipras: Triunfo do Syriza será uma vitória para todos os povos europeus. Carta Maior, 2 de novembro de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]