Demografia da América Latina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A demografia da América Latina é o campo de estudos acerca da América Latina sob a perspectiva da demografia.

Porcentagem de população ameríndia por país latino-americano.

A América Latina atualmente apresenta uma grande diversidade étnica. Foi primeiramente povoada pelos povos conhecidos como ameríndios, ou os povos pré-colombianos. A partir do século XVI, com a chegada dos europeus, há o início de novas relações: as terras do Novo Continente são divididas entre espanhóis e portugueses, de acordo com seus interesses. São os primeiros grupos europeus que passam a povoar e colonizar a chamada América. No contexto do capitalismo em sua fase comercial, e em função da não adequação dos nativos aos trabalhos forçados traz-se para o continente o elemento negro. Oriundos da África subsaariana são trazidos na condição de mercadoria pelos europeus, escravizados. Esse sequestro de negros, se fez via migração forçada para colônias - principalmente o Brasil e o Caribe.

Essas migrações fizeram de toda a América Latina uma região extremamente plural em sua composição étnica. Em todos os países é possível encontrar a presença dos povos que habitavam o continente americano antes da vinda dos europeus, embora grande parte dos mesmos tenha sido dizimada: no México, por exemplo, ainda é grande a herança e a influência da civilização amerindia Asteca. Os peruanos também têm forte influência da civilização Inca, antiga habitante do oeste da América do Sul. Peru, Guatemala e Bolívia são os países da América Latina cuja maioria da população é descendente de ameríndios.

A cultura de origem africana também é muito presente na América Latina. Os países do Caribe, ademais do Brasil, Venezuela e Colômbia apresentam forte influência africana. O Haiti é um país cuja esmagadora maioria da população é negra (apesar da colonização francesa e do idioma pátrio do Haiti ser o francês). O Brasil também tem grandes concentrações de descendentes de negros africanos e abriga a maior população negra fora da África (considerando-se todos aqueles que, formalmente, tem ancestrais africanos).

Após a segunda metade do século XIX, o sul da América Latina (a região do Cone Sul da América do Sul) recebeu uma nova leva de imigração europeia em função da situação política e econômica que a Europa vivenciava. Assim, majoritariamente, italianos, espanhóis, portugueses e alemães se assentaram na Argentina, Chile, Uruguai e no sul e sudeste do Brasil. Aproximadamente no mesmo período, muitos povos do Oriente Médio (como os libaneses, os sírios, os turcos) e do Extremo Oriente (chineses, coreanos e japoneses) também migraram, em grande maioria para o Brasil.

Línguas neolatinas nas Américas: Verde - Português; Vermelho - Francês; Azul - Espanhol.
Distribuição de língua pré-colombianas mais faladas na América latina no início do século XXI: Quechua, Guarani, Aymara, Nahuatl, Mayan languages, Mapuche

Distribuição étnica[editar | editar código-fonte]

Distribuição Étnica na América Latina 2005[1]
País População Ameríndios Brancos Mestiços Mulatos Negros Zambos Asiáticos
Mestiços-Ameríndios 58,022.000 46.9% 10.4% 35.4% 5.7% 1.1% 0.0% 0.5%
 Ecuador 13.700.000[2] 39.0% 9.9% 41.0% 5.0% 5.0% 0.0% 0.1%
 Guatemala 14.202.000[2] 53.0% 4.0% 42.0% 0.0% 0.0% 0.2% 0.8%
 Peru 29.331.000[2] 45.5% 12.0% 32.0% 9.7% 0.0% 0.0% 0.8%
 Bolivia 9.947.000[2] 55.0% 15.0% 28.0% 2.0% 0.1% 0.5% 0.0%
Mestiços-Africanos 69,131.000 2.4% 18.5% 46.9% 27.1% 3.6% 0.6% 0.9%
 Panama 3.481.000[2] 8.0% 10.0% 32.0% 27.0% 5.0% 14.0% 4.0%
 Colombia 45.980.000[2] 1.8% 20.0% 53.2% 21.0% 3.9% 0.1% 0.0%
 Venezuela 28.814.000[2] 2.7% 16.9% 37.7% 37.7% 2.8% 0.0% 2.2%
Afro-Brancos 193,893.000 0.4% 51.6% 0.0% 40.8% 6.7% 0.1% 0.4%
 Haiti 10.111.000[2] 0.0% 0.8% 0.0% 9.0% 90.0% 0.0% 0.2%
 Cuba 11.204.000[2] 0.0% 37.0% 0.0% 51.0% 11.0% 0.0% 1.0%
 Puerto Rico 3.990.000[2] 0.0% 74.8% 0.0% 10.0% 15.0% 0.0% 0.2%
 Brasil* 194.579.000[2] 0.4% 53.8% 39.1%* 39.1%* 6.2% 0.0% 0.5%
 Dominican Republic 10.158.000[2] 0.0% 7.7% 0.0% 14.6% 75.0% 2.3% 0.4%
Mestiços 122,134.000 12.5% 13.7% 72.4% 0.7% 0.0% 0.2% 0.5%
 El Salvador 6.179.000[2] 8.0% 1.0% 91.0% 0.0% 0.0% 0.0% 0.0%
 Honduras 7.541.000[2] 7.7% 1.0% 85.6% 1.7% 0.0% 3.3% 0.7%
 Mexico 110.128.000[2] 14.0% 15.0% 70.0% 0.5% 0.0% 0.0% 0.5%
 Nicaragua 5.783.000[2] 6.9% 14.0% 78.3% 0.0% 0.0% 0.6% 0.2%
 Paraguay 6.405.000[2] 1.5% 20.0% 74.5% 3.5% 0.0% 0.0% 0.5%
Brancos 59,604.000 2.7% 76.7% 18.4% 0.2% 0.0% 0.1% 1.8%
 Argentina 40.471.000[2] 1.0% 85.0% 11.1% 0.0% 0.0% 0.0% 2.9%
 Chile 17.053.000[2] 3.2% 52.7% 44.0% 0.0% 0.0% 0.0% 0.0%
 Costa Rica 4.610.000[2] 0.8% 82.0% 15.0% 0.0% 0% 2.0% 0.2%
 Uruguay 3.367.000[2] 0.0% 88.0% 8.0% 4.0% 0.0% 0.0% 0.0%
Total 502,784.000 9.2% 36.1% 30.3% 20.3% 3.2% 0.2% 0.7%

Indicadores de pobreza, qualidade de vida, consumo e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

  Índice Favorável
  Índice Desfavorável
País Desigualdade
de renda[3]
Coef. Gini
(2000-2011)
Desenv.
Humano[4]
IDH
(2011)
Desempenho
Ambiental[5]
EPI
(2012)
Educação[6]
Índice
(2011)
Qualidade
de vida[7]
índice
(2005)
Esperança
de vida[8]
Anos
(2011)
Índice de
extrema pobreza[9]
% população com menos de 1,25 dólares diários
(2000-2009)
 Argentina 0,458 0.797 (MA) 56,48 0.806 6.469 75.9 0,9
 Bolívia 0,573 0.663 (M) 54,57 0.749 5.492 66.6 14,0
 Brasil 0,539 0.718 (A) 60,90 0.663 6.470 73.5 3,8
 Chile 0,521 0.805 (MA) 55,34 0.797 6.789 79.1 0,8
 Colômbia 0,585 0.710 (A) 62,33 0.667 6.176 73.7 16,0
Costa Rica 0,503 0.744 (A) 69,03 0.659 6.624 79.3 0,7
 Cuba s/d 0.776 (A) 56,48 0.876 s/d 79.1 s/d
Equador 0,490 0.720 (A) 60,55 0.686 6.272 75.6 5,1
El Salvador 0,469 0.674 (M) 52,08 0.637 6.164 72.2 5,1
 Guatemala 0,537 0.574 (M) 51,88 0.438 5.321 71.2 16,9
Haiti 0,595 0.454 (B) 41,15 0.406 4.090 62.1 54,9
Honduras 0,577 0.625 (M) 52,54 0.574 5.250 73.1 23,3
 México 0,517 0.770(A) 49,11 0.726 6.766 77.0 3,4
Nicarágua 0,523 0.589 (M) 59,23 0.525 5.663 74.0 15,8
 Panamá 0,523 0.768 (A) 57,94 0.743 6.361 76.1 9,5
Paraguai 0,520 0.665 (M) 52,40 0.643 5.756 72.5 5,1
 Peru 0,480 0.725 (A) 50,29 0.704 6.216 74.0 5,9
República Dominicana 0,484 0.689 (M) 52,44 0.616 5.630 73.4 4,3
Uruguai 0,424 0.783 (A) 57,06 0.763 6.368 77.0 0,0
 Venezuela 0,435 0.735 (A) 55,62 0.692 6.089 74.4 3,5

Referências

  1. Ethnic distribution in Latin America
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u (em espanhol) Países por población
  3. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD). Desigualdad de ingreso según coeficiente de Gini (PDF) (em inglés) 153-156 pp. hdrstats.undp.org. Visitado em 24 de julio de 2012.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2 de noviembre de 2011). Informe sobre Desarrollo Humano 2011: Anexo estadístico - Cuadros estadísticos - Medidas compuestas - Índice de Desarrollo Humano y sus componentes - Cuadro 1 (PDF) hdr.undp.org. Visitado em 8 de enero de 2012.
  5. Yale Center for Environmental Law & Policy / Center for International Earth Science Information Network at Columbia University. Environmental Performance Index 2012 (em inglés) epi.yale.edu. Visitado em 24 de julio de 2012.
  6. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD). Educación (HTML) hdrstats.undp.org. Visitado em 17 de julio de 2010.
  7. The Economist Pocket World in Figures 2008. Quality-of-life index The World in 2005 (PDF) www.economist.com. Visitado em 13 de marzo de 2008.
  8. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD) (15 de mayo de 2011). Esperanza de vida al nacer (años) (HTML) hdrstats.undp.org. Visitado em 8 de enero de 2012.
  9. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD). Índice de pobreza multidimensional (PDF) hdrstats.undp.org. Visitado em 24 de julio de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]