Estação Butantã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Butantã

4yellow.png

Placa de identificação da estação.
Uso atual Estação de metropolitano
Localização Av. Vital Brasil × Rua Pirajussara
Código BUT
Linha 4yellow.png   Amarela
Tipo de estação Subterrânea
Plataformas 2 (Laterais)
Administração ViaQuatro logo.png ViaQuatro
Inauguração 28 de março de 2011 (3 anos)
Serviços Ônibus Escada rolante Elevador Acesso à deficiente físico
Próximas estações 4yellow.png: Pinheiros

Butantã é uma estação da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo. Tem integração com o Terminal de Ônibus da SPTrans. Teve as obras civis concluídas em fevereiro de 2010[1] e foi inaugurada em 28 de março de 2011.


Histórico[editar | editar código-fonte]

Apesar de inicialmente prevista para ser inaugurada em 2010, no início de 2011 a estação ainda não tinha sido entregue, e Jurandir Fernandes, secretário dos Transportes Metropolitanos da gestão estadual que assumiu em 1 de janeiro, estabeleceu novo prazo, a metade do ano, junto com a Estação Pinheiros.[2] Apesar de o balanço do fim da gestão Goldman ter classificado as estações Butantã e Pinheiros como "prontas", apenas aguardando testes, o novo governo divulgou que ainda faltavam acabamentos e, no caso da segunda, a integração com a CPTM.[2] A licença ambiental para operar a estação foi obtida junto à Cetesb em fevereiro.[3] Com isso, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, o Metrô passaria a ter uma meta "extraoficial" de abrir a estação em março e a Estação Pinheiros até abril, com previsão para funcionamento durante os horários de pico até junho.[3]

Em meados de março a previsão de inauguração da Estação Butantã passou a ser o dia 28 do mesmo mês.[4] Previa-se que, assim que a estação entrasse em operação, a autoridade municipal colocasse em operação duas linhas ligando a estação à Universidade de São Paulo e à Estação da Luz.[4] Essa segunda linha será desativada quando a Estação Luz for inaugurada.[4] Em janeiro cogitava-se a implantação de uma linha de ônibus circular gratuita ligando a estação à Universidade de São Paulo, mas a hipótese acabou descartada.[5]

A estação Butantã foi enfim aberta ao público no dia 28 de março de 2011, operando no mesmo horário do restante da linha (de segunda a sexta-feira, das 8 às 15 horas) e com cobrança normal de tarifa. A previsão inicial era de que até junho a estação funcionasse em horário normal[6] , embora ainda apenas de segunda a sexta-feira[7] . O consórcio tinha a expectativa de que o número de usuários diários na linha triplicasse, passando de 19 mil para 57 mil após a entrada em operação da Estação Butantã.[8] A cerimônia de inauguração foi marcada por protestos de metroviários e estudantes, os primeiros protestando contra o governador Geraldo Alckmin por causa da tecnologia driverless da linha, que dispensa condutores; os segundos, contra o prefeito Gilberto Kassab, devido ao aumento das tarifas de ônibus em janeiro.[9] Muitas pessoas compareceram à estação a partir das 8 horas naquele dia, conforme o Metrô havia anunciado em seu site, mas houve um atraso por causa da presença de autoridades, e as portas só foram abertas às 10h25.[10]

Ao contrário das outras duas estações da linha inauguradas anteriormente, a Butantã já foi aberta com cobrança de tarifa.[7] O terminal de ônibus passou a funcionar no mesmo dia e nos mesmos horários, apenas com as duas linhas inicialmente previstas para o período de operação assistida.[11] O complexo foi aberto apenas com um banheiro químico disponível para os passageiros, no terminal de ônibus, enquanto a estação contava com um para uso de portadores de deficiência.[6] Apesar da inauguração, muitas casas da região ainda apresentavam danos estruturais.[12] Segundo o Consórcio ViaAmarela,, que não divulgou o total por região, 1 010 imóveis apresentaram algum problema estrutural ao longo das obras da linha.[12] A inauguração também mudou o trânsito do bairro, com a Rua MMDC passando a ser de mão única ao longo de um quarteirão e ganhando dois semáforos.[13] Já os estacionamentos da região tinham a expectativa de ver o fluxo de veículos aumentar, e muitos aumentaram os preços após a inauguração da estação.[14]

A inauguração das estações Luz e República, em 15 de setembro, fez com que fosse criada, no mesmo dia, uma nova linha no terminal da Estação Butantã, ligando-o ao Terminal Campo Limpo.[15] Exatamente um mês depois o terminal passou a ser o ponto final de dezessete linhas intermunicipais com origem no oeste da Grande São Paulo.[16] Como o ponto final dessas linhas anteriormente era o Largo da Batata, em Pinheiros, foi criada uma linha circular do terminal ao antigo destino, gratuita para todos os usuários nos quatro primeiros dias e depois apenas para quem tivesse o Bilhete de Ônibus Metropolitano (BOM).[16] Segundo o Jornal da Tarde, "a maioria das pessoas que iam ao Largo da Batata não aprovou a mudança".[16] O presidente da EMTU disse ao JT que a intenção era facilitar a integração com o Metrô, especialmente para os passageiros com destino ao centro da cidade, e desafogar o trânsito da região do Largo da Batata.[16] Um especialista ouvido pelo mesmo jornal concordou com a iniciativa do ponto de vista do trânsito, mas ressaltou que era contra eliminar as linhas do Largo da Batata, o que "penalizaria" muitos usuários "por uma distância muito pequena".[16]

Características[editar | editar código-fonte]

A estação fica na Avenida Vital Brasil, sem número, na esquina com a Rua Pirajussara. É uma estação enterrada, com plataformas laterais e salas de apoio acima do nível da superfície, com estruturas em concreto aparente e passarela de distribuição em estrutura metálica, fixada com tirantes sobre a plataforma. Os escritórios dos funcionários da ViaAmarela e as salas operacionais e técnicas ficam nas edificações externas, o que teria evitado, segundo o Metrô, diversas desapropriações.[17]

A estação dispõe de nove bloqueios, catorze escadas rolantes e cinco elevadores, além de portas automáticas nas plataformas.[17] Possui acesso para pessoas portadoras de deficiência e integração com terminal de ônibus urbano.

Sua capacidade foi projetada para uma média de 35 mil passageiros diários.[18]

Informações básicas[editar | editar código-fonte]

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
BUT Butantã 28 de março de 2011 Bilhete Único da SPTrans Laterais Subterrânea Estação com estrutura de concreto aparente.


Terminal Butantã[editar | editar código-fonte]

A estação Butantã é integrada a um terminal metropolitano com linhas da EMTU para os municípios de Vargem Grande Paulista, Embu das Artes, Cotia, Osasco, Carapicuíba, Jandira, Barueri, Itapevi, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus além de linhas da SPTrans que atendem a região oeste de São Paulo e a USP.

Linhas da EMTU com final no terminal
Linha Prefixo Cidade Bairro
035 TRO Cotia Mirante da Mata
036 TRO Vargem Grande Paulista Jardim São Marcos
036 Bl1 Embu das Artes Jardim Tomé
059 TRO Osasco Conjunto dos Metalúrgicos
059 PR1 Carapicuíba Jardim Novo Horizonte
060 TRO Osasco Olaria do Nino
060 BI1 Osasco Jardim Santa Maria
061 TRO Carapicuíba Jardim Guapiuva
081 TRO Jandira Jardim Nossa Senhora de Fátima
297 TRO Cotia Caucaia do Alto
308 VP1 Cotia Atalaia
334 TRO Cotia Jardim do Engenho
404 TRO Osasco Olaria do Nino
422 TRO Itapevi Vila Nova Esperança
428 TRO Barueri Jardim do Líbano
492 TRO Carapicuíba Parque Jandaia
516 TRO Jandira Jardim Nossa Senhora de Fátima
517 TRO Itapevi Centro
543 TRO Cotia Jardim Santa Isabel
572 TRO Osasco Jardim Santa Maria
576 TRO São Paulo Pinheiros- Largo da Batata
805 TRO Pirapora do Bom Jesus Jardim Bom Jesus

Linhas da EMTU de passagem pelo terminal

Linha Prefixo Cidade origem Bairro origem Cidade destino Bairro destino
020 TRO Carapicuíba Vila Dirce São Paulo Pinheiros
225 TRO Carapicuíba Cohab V São Paulo Pinheiros (via Hospital das Clinicas)

Linhas da SPTrans que fazem final dentro do terminal da Estação Butantã.

Linha Destino
8012/10 Cidade Universitária (Circular 1 USP)
8019/10 Parque Continental (via Corifeu de Azevedo Marques)
8022/10 Cidade Universitária (Circular 2 USP)
8075/10 Terminal Campo Limpo (via Prof. Francisco Morato)
8077/10 Jd. João XXIII (via Raposo Tavares KM 15)

Linhas da SPTrans que fazem final circular (sem ponto final físico) próximo da Estação Butantã.

Linha Destino
715M/21 Jardim Maria Luiza
8021/10 Jardim Maria Luiza (Via Eng. Heitor Antonio Eiras Garcia)
8023/10 CDHU Munck (via Raposo Tavares KM 19)
8024/10 Jardim Jaqueline (Prof. Francisco Morato)
8025/10 Jardim Rosa Maria (via Jardim Jaqueline)
8026/10 Jardim Ingá (via Jardim das Palmas)
8027/10 Vila Dalva (via Rio Pequeno)
8072/10 Parque Ipê (via Estrada do Campo Limpo)
8073/10 Jardim Guaraú (via Min. Laudo Ferreira de Camargo)
8707/21 Rio Pequeno (via Corifeu de Azevedo Marques)

Linhas[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Estações Principais destinos Duração das viagens (min) Intervalo entre trens (min) Funcionamento
4
Amarela
LuzButantã 6 Pinheiros, Jardim Paulista, Consolação, Bela Vista, Higienópolis, República, Luz 10 2 De domingo a sexta-feira, das 4h40 à meia-noite. Aos sábados, das 4h40 até a 1 hora de domingo.


Precedido por
Pinheiros
Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo
Butantã
Sucedido por
São Paulo-Morumbi (em construção)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.expansao.sp.gov.br/metro_linha_amarela.php
  2. a b Alencar Izidoro. (6 de janeiro de 2011). "Metrô só abre estações em 6 meses, diz gestão Alckmin". Folha de S. Paulo (29 863): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  3. a b Alencar Izidoro (18 de fevereiro de 2011). Metrô de SP obtém licença para abrir novas estações da linha 4 Folha.com. Visitado em 18/2/2011.
  4. a b c James Cimino. (20 de março de 2011). "Estação Butantã terá linha direta para USP". Folha de S. Paulo (29 936): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723. Visitado em 22/1/2011.
  5. Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Terminal fará ligação com a USP". Metrô News (6 279): 4. São Paulo: Metrô News.
  6. a b (28 de março de 2011) "Com nova estação, Metrô liga Butantã à av. Paulista em 7 min". Folha de S. Paulo (29 944): C4. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  7. a b Renato Machado. (25 de março de 2011). "Linha 4 abrirá até meia-noite em junho". Jornal da Tarde (14 823): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  8. Renato Machado e Tiago Dantas. (29 de março de 2011). "Linha 4: Butantã triplica usuários". Jornal da Tarde (14 827): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  9. Tiago Dantas. (29 de março de 2011). "Kassab é vaiado por estudantes". Jornal da Tarde (14 827): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  10. Pedro da Rocha (28 de março de 2011). Inauguração da estação Butantã é marcada por protestos e atrasos Estadão.com. Visitado em 31/3/2011.
  11. Mariana Rios. (24 de março de 2011). "Terminal Butantã terá duas linhas". Diário de S. Paulo (42 396): 10. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  12. a b Fabiano Nunes. (28 de março de 2011). "Casas abaladas pelo Metrô no Butantã estão sem reforma". Diário de S. Paulo (42 400): 16 e 17. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  13. Rodrigo Burgarelli. (28 de março de 2011). "Butantã abre hoje com mudanças no trânsito". Jornal da Tarde (14 826): 6A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  14. Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Estacionamentos esperam crescimento". Metrô News (6 279): 4. São Paulo: Metrô News.
  15. Alencar Izidoro. (11 de setembro de 2011). "Estatal prevê 'trem cheio' na linha 4-amarela". Folha de S. Paulo (30 035): C3. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  16. a b c d e Felipe Tau. (16 de outubro de 2011). "Terminal tira ônibus do Largo da Batata". Jornal da Tarde (15 028): 4A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X. Visitado em 16/10/2011.
  17. a b Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Estação Butantã do Metrô tem 36 escadas". Metrô News (6 279): 3. São Paulo: Metrô News.
  18. José Maria Tomazela. (23 de março de 2011). "Estação Butantã abre segunda-feira". Jornal da Tarde (14 821): 6A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.