Falsificações de fotografias na União Soviética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um exemplo de como a imagem era alterada, conforme o regime stalinista iria expurgando e eliminando membros do Partido Comunista e amigos de Josef Stalin.

Depois que Josef Stalin subiu ao poder no Partido Comunista da União Soviética e tornou-se líder soviético, iniciou uma série de expurgos que eliminaram inimigos percebidos. No inicio, os expurgos significavam a expulsão do Partido Comunista, mas, após o Grande Expurgo na década de 1930, os membros seriam detidos, encarcerados, enviados para gulags ou ao exílio interno na Sibéria, ou executados.

O governo soviético tentou apagar algumas figuras que expurgava da história soviética, e tomou medidas que incluíam falsificação e alterações de imagens, destruindo filmes, e em casos mais extremos, matando famílias inteiras.[1]

Acusam-se as autoridades da antiga União Soviética, de praticar modificações e adulterações de fotografias com objetivo de propaganda do regime e "reescrever o passado." Segundo estas alegações, as fotografias foram cortadas com um bisturi.

Antes
Después
A versão original desta foto (acima) mostra Nikolai Yezhov, o jovem à esquerda de Stalin. Na versão modificada (abaixo), a sua imagem foi removida pelos censores soviéticos.[2]

As técnicas de modificação são muito primitivas em comparação com as modernas técnicas digitais, e exigem uma alta competência e técnicos altamente qualificados. Em algumas destas fotografias, as modificações são muito toscas e fáceis de identificar. Hoje, consideram-se as seguintes explicações para o aspecto bruto das fotografias:

  • a aparência rústica é evidente somente para nós, que possuímos uma cultura iconográfica mais ampla que os receptores das fotografias alteradas, que carecem de nossa sofisticação visual;
  • a primitividade foi involuntária e impossível de evitar, porque a tecnologia da época não possibilitava um trabalho melhor.

Apesar da grande importância de Leon Trotsky para a revolução de 1917, ele "caiu em desgraça" entre 1925 e 1929, o que significa que foi vencido em uma disputa interna dentro do Partido Comunista, onde saiu vencedor o stalinismo. Stalin, por isso, decide eliminá-lo da História, fazendo com que todos os registros fotográficos onde Trotsky aparecia ao lado de Lênin fossem alterados.

Abaixo, um dos exemplos de modificações fotográficas na União Soviética. A foto original mostra Lenin e Trotsky em frente ao Bolshoi em Moscou. Após o expurgo de Trotsky, a primeira versão seria retocada, o que eliminaria sua figura das fotografias.

Fotografia original, em 1920, em frente ao Bolshoi de Moscou, Lenin discursa aos soldados que vão combater contra a Polônia. Trotsky, ao seu lado.
Fotografia retocada, em que Trotsky foi eliminado.

Outro exemplo de como Stalin procurou apagar a memória de Trotsky da História. Na primeira foto, o criador do Exército Vermelho está ao lado de Lênin. A segunda sua figura é retirada, depois das ordens de Stalin.

Fotografia original, tirada em 7 de novembro de 1919, durante a celebração do segundo aniversário da Revolução de Outubro.
Fotografia retocada, em que três pessoas: Trotsky, Lev Kamenev e Khalatov são retirados.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. After Lev Kamenev's execution (removed from the 1919 October Revolution Celebration), his relatives suffered a similar fate. Kamenev's second son, Yu. L. Kamenev, was executed on January 30, 1938, at the age of 17. His oldest son, Soviet Air Forces officer A.L. Kamenev, was executed on July 15, 1939, at the age of 33. Kamenev's first wife Olga was shot on September 11, 1941 on Stalin's orders in the Medvedev forest outside Oryol together with Christian Rakovsky, Maria Spiridonova and 160 other prominent political prisoners. Only his youngest son, Vladimir Glebov, survived Stalin's prisons and labor camps.
  2. The Commissar vanishes (The Newseum)