Florbela Queiroz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes independentes e fiáveis, mas que são insuficientes. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fonte poderá ser removido.
Florbela Queiroz
Nome completo Florbela de Carvalho Azevedo Queiroz
Outros nomes Florbela Queiroz
Nascimento 10 de fevereiro de 1943 (71 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Actriz

Florbela de Carvalho Azevedo Queiroz (Lisboa, 10 de fevereiro de 1943) é uma actriz portuguesa de teatro, cinema e televisão.

Televisão (Elenco Principal)[editar | editar código-fonte]

Televisão (Pequenas Participações)[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de João Ariosto de Azevedo Queiroz e Maria de Jesus Carvalho Queiroz, Florbela Queiroz nasceu na Pena (Lisboa) em 1943. Aos 13 anos frequentou o curso de dança clássica e teatro no Conservatório Nacional. Estreia-se no teatro na peça “As Bruxas de Salem”, no Teatro Nacional, para além de ter estado na Companhia do Teatro da Trindade e na Companhia do Teatro Alegre. Tornou-se conhecida com a peça “O Pecado Mora ao Lado”, tendo participado, também, em “Pr'a Frente Lisboa”, “Bate o Pé”, “Sol e Dó” e “Vamos Contar Mentiras”[1] .

Nos anos 50, estreia-se no cinema, destacando-se nos filmes “O Noivo das Caldas”, “Let's Discover Portugal”, “Pão, Amor e Totobola”, “Fado Corrido”, “Um Campista em Apuros”, entre outros[1] .

Na televisão, participa nas telenovelas “Origens” (1983), “Passerelle” (1988), “Na Paz dos Anjos” e “Todo o Tempo do Mundo” (1999-2000) e nas séries “Pisca-pisca” (1988), “Reformado e Mal Pago” (1996-1997), “Médico de Família” (1997-1999), “Uma Avó dos Diabos”, “Polícias” (1996) e “Nós os Ricos” (1998). Participa também em "Cos(z)ido à Portuguesa" (1993), "Na Paz dos Anjos" (1994), "Desencontros" (1994-1995), "A Mulher do Sr. Ministro" (1995), "Um Sarilho Chamado Marina" (1998), "A Loja do Camilo" (1999), "Ganância" (2001), "Não Há Pai" (2002), "Lusitana Paixão" (2002) e "Velhos Amigos" (2011)[1] .

Também no teatro voltou a contracenar com Armando Cortez no mesmo ano que participou na série Pisca-Pisca na peça de teatro Criada para Todo o Serviço ao lado de Manuela Maria, Norberto de Sousa, Alexandra Pereira e Maria Tavares. Após mais de cinco anos afastada da televisão, em 2010, regressa ao activo, com a revista Vai de Em@il a Pior, escrita e dirigida por Francisco Nicholson.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Online 24 (17 de Agosto de 2010). Florbela Queiroz. Visitado em 6 de Julho de 2012.