Honey Pie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Honey Pie"
Canção de The Beatles
do álbum The Beatles
Lançamento 22 de novembro de 1968
Gravação Abbey Road Studios
1 de outubro, 2 de outubro, 4 de outubro de 1968
Gênero(s) Jazz, music hall, pop
Duração 2:41
Gravadora(s) Apple Records
Composição Lennon/McCartney
Produção George Martin
Faixas de The Beatles
Lado um
  1. "Back in the U.S.S.R."
  2. "Dear Prudence"
  3. "Glass Onion"
  4. "Ob-La-Di, Ob-La-Da"
  5. "Wild Honey Pie"
  6. "The Continuing Story of Bungalow Bill"
  7. "While My Guitar Gently Weeps"
  8. "Happiness Is a Warm Gun"
Lado dois
  1. "Martha My Dear"
  2. "I'm So Tired"
  3. "Blackbird"
  4. "Piggies"
  5. "Rocky Raccoon"
  6. "Don't Pass Me By"
  7. "Why Don't We Do It in the Road?"
  8. "I Will"
  9. "Julia"
Lado 3
  1. "Birthday"
  2. "Yer Blues"
  3. "Mother Nature's Son"
  4. "Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey"
  5. "Sexy Sadie"
  6. "Helter Skelter"
  7. "Long, Long, Long"
Lado 4
  1. "Revolution 1"
  2. "Honey Pie"
  3. "Savoy Truffle"
  4. "Cry Baby Cry"
  5. "Revolution 9"
  6. "Good Night"

"Honey Pie" é uma canção dos Beatles composta por Paul McCartney, creditada à dupla Lennon-McCartney, e lançada no álbum The Beatles ou "Álbum Branco" de 1968. Essa canção foi a inspiração de outra música do disco, "Wild Honey Pie."

Origens da Criação[editar | editar código-fonte]

Paul McCartney, já havia algum tempo, queria gravar uma música no estilo music hall dos ragtimes e vaudevilles e cantar tal qual os crooners dos teatros de revistas . Com a liberdade que cada um dos Beatles tiveram quanto à criação no "Álbum Branco", a oportunidade surgiu e Paul gravou "Honey Pie" à maneira com que ele costumava ouvir no rádio, em sua infância, as músicas de vaudeville.

Paul McCartney em "Many Years From Now" de Barry Miles: "Ambos John e eu tínhamos uma grande paixão pelo music hall, que os americanos chamavam de vaudeville… Eu gostava muito daquele estilo antigo de crooners, aquela voz estranha que usavam, então ‘Honey pie’ era eu escrevendo como um deles para uma mulher imaginária, além do oceano, no cinema, chamada Honey Pie. É outra das minhas canções fantásticas."

Letra[editar | editar código-fonte]

A letra fala do amor do autor por uma garota, Honey Pie (Torta de Mel), que era uma operária na Inglaterra até se mudar para os EUA e tornar-se uma artista de cinema ("She was a working girl, North of England… now she's hit the big time, in the USA").

Ele está apaixonado, mas é preguiçoso e pede que ela volte para casa ("I'm in love, but I'm lazy, so won't you please come home"). Pede que ela venha lhe mostrar a magia de sua música ("come and show me the magic of your Hollywood song").

Agora que ela tornou-se uma lenda nas telas dos cinemas, pensando em encontrá-la, seus joelhos fraquejam ("…and now the thought of meeting you, makes me weak in the knee").

Por fim, pede que ela cruze o Atlântico e pergunta se o vento que levou o seu barco irá trazê-la de volta ("Sail across the Atlantic…Will the wind that blew her boat…kindly send her sailing back"). Uma referencia ao filme "…E o Vento Levou".

Gravação[editar | editar código-fonte]

Esta música foi gravada no Trident Studios, em oito canais, nos dias 1, 2 e 4 de outubro de 1968. No dia 5 de outubro foram adicionados efeitos sonoros à canção. Ela foi concluída no dia 7 de outubro, no Abbey Road Studios, com um remix para estéreo.

Apenas um take foi gravado no primeiro dia, apesar de ser provável que alguns ensaios antes foram usados na canção. No dia seguinte, McCartney gravou os vocais e o solo foi adicionado. De acordo com George Harrison, Lennon tocou o solo: "John tocou um solo brilhante em Honey Pie – Soou igual a Django Reinhardt ou algo assim. É um daqueles que apenas fecham os olhos e acontece de acertar as notas agudas… Soou como um pequeno solo de jazz."

No final da sessão de 4 de outubro, Paul adicionou um efeito de acetato 78 RPM em uma frase, "Now she's hit the big time," que foi passado por um compressor para reduzir os graves e os agudos. O efeito de uma velha vitrola foi colocado para dar um ar de autenticidade á época que a música teria. "Colocamos minha voz pra fazer um som de disco arranhado. Então não é uma paródia, é uma homenagem a tradição vaudeville que eu estava disposto a fazer." ("Many Years From Now", Barry Miles.)

Os arranjos dos saxofones e clarinetas ficaram a cargo de George Martin.

Os músicos[editar | editar código-fonte]

Curiosidades e referências[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Turner, Steve. A Hard Day's Write: The Stories Behind Every Beatles' Song, Harper, New York: 1994, ISBN 0-06-095065-X
  • Lewisohn, Mark. The Complete Beatles Recording Sessions: The Official Story of the Abbey Road Years, Hamlyn Publishing Group Limited, London: 1988, ISBN 0-600-55798-7
  • Miles, Barry. Paul McCartney - Many Years From Now. Secker & Warburg, 1997. Page: 357. ISBN 0-436-28022-1.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]