Revolver (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Revolver
Álbum de estúdio de The Beatles
Lançamento 5 de Agosto de 1966 (RU) e 8 de Agosto de 1966 (EUA)
Gravação 6 de Abril a 21 de Junho de 1966, Abbey Road Studios
Gênero(s) Rock & Roll
Rock psicodélico
Pop Rock
Rock Britânico
Duração 35:00
Gravadora(s) Parlophone Records
Produção George Martin
Cronologia de The Beatles
Último
Último
Rubber Soul
(1965)
Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band
(1967)
Próximo
Próximo
Singles de Revolver
  1. "Yellow Submarine"
    Lançamento: 5 de Agosto de 1966
  2. "Eleanor Rigby"
    Lançamento: 5 de Agosto de 1966
  3. "Got to Get You into My Life"
    Lançamento: 31 de Maio de 1976

Revolver é o sétimo álbum do grupo de rock inglês The Beatles lançado em 5 de agosto de 1966, inicialmente no Reino Unido e em 8 de agosto nos EUA. Atingiu o primeiro lugar nas paradas de sucesso americana e inglesa. Este álbum está na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.[1]

Considerado ainda mais inovador do que seu antecessor (Rubber Soul, de 1965), Revolver marca a adesão oficial dos Beatles ao Psicodelismo. Passeia desde a música oriental "Love You To", aos apelos vibrantes de "Got to Get You into My Life", da solidão lúgubre de "Eleanor Rigby", ao experimentalismo psicodélico de "Tomorrow Never Knows" e o ufanismo de "Yellow Submarine". Nesta, particularmente, a chave da nova "abertura": "Vamos vivendo uma bela vida/Achamos para tudo uma saída/Céu azul, mar verde e belo/Em nosso submarino amarelo". Com os Beatles, o mundo embarcaria no submarino amarelo da fantasia, pronto para viver toda a loucura dos últimos anos da década.

Faixas[editar | editar código-fonte]

  • Todas as músicas foram compostas por Lennon/McCartney, excepto as notadas.

Lado A

# Título Duração
1. "Taxman" (Harrison) 2:39
2. "Eleanor Rigby"   2:07
3. "I'm Only Sleeping"   3:01
4. "Love You To" (Harrison) 3:01
5. "Here, There and Everywhere"   2:25
6. "Yellow Submarine"   2:40
7. "She Said She Said"   2:37

Lado B

# Título Duração
1. "Good Day Sunshine"   2:09
2. "And Your Bird Can Sing"   2:01
3. "For No One"   2:01
4. "Doctor Robert"   2:15
5. "I Want to Tell You" (Harrison) 2:29
6. "Got to Get You into My Life"   2:30
7. "Tomorrow Never Knows"   2:57

Sobre as músicas[editar | editar código-fonte]

George Harrison aumenta sua participação como compositor[editar | editar código-fonte]

Pela primeira e única vez, George consegue colocar três músicas de sua autoria em um álbum dos Beatles. "Taxman" é uma crítica aos altos impostos ingleses cobrados de pessoas com altos ganhos como os Beatles. No trecho em que George canta "Mr. Wilson" e sobre "Mr. Heath" ele refere-se especificamente a Harold Wilson (Primeiro Ministro Inglês do Partido Trabalhista) e a Edward Heath (Lìder da oposição do Partido Conservador) políticos da época. "I Want To Tell You" fala sobre a sua dificuldade em se expressar em um momento que vivia uma avalanche de pensamentos. E "Love You To", George traz mais uma vez o uso de instrumentos indianos, a tabla e a cítara e ele é o único a participar da gravação da música.

Influências das drogas[editar | editar código-fonte]

Há suposições de que músicas como "She Said, She Said", "Dr. Robert", "Got To Get You Into My Life" tenham sido escritas durante o uso de drogas.

Na música "She Said She Said", John supostamente se inspirou em sua segunda experiênica com LSD. Há um trecho que diz "I know what it's like to be dead" ("Eu sei como é estar morto") frase que Peter Fonda teria lhe dito após tomar ácido. Nela, George assume o baixo após Paul largar as gravações em decorrência de uma briga com John Lennon. Esta música, juntamente com "And Your Bird Can Sing", do mesmo álbum, constitui um dos primeiros registros do que seria conhecido posteriormente como power pop.

"Dr. Robert" fala sobre um médico que receitava anfetaminas a seus pacientes famosos. Paul reconheceria mais tarde que "Got To Get You Into My Life" falava de sua experiência com a maconha e foi feita inspirada na soul music americana com o uso de metais.

Estilo psicodélico[editar | editar código-fonte]

"Tomorrow Never Knows" uma das primeiras músicas ao estilo do emergente rock psicodélico. A música foi inspirada no livro de Timothy Leary, "O Livro Tibetano da Morte". Inicialmente se chamaria "The Void" ou "Mark I". A utilização do loop, aliado à repetição rítmica constante da bateria de Ringo, torna esta faixa como uma das ancestrais da música eletrônica no mundo.

Há ainda grandes influências psicodélicas nas músicas Doctor Robert e She Said She Said, duas músicas que falam sobre drogas, ou mais especificamente o LSD.

Diversidade musical[editar | editar código-fonte]

"Eleanor Rigby" é mais uma música de McCartney com arranjos orquestrados e somente com a participação de Paul (assim como foi feito em Yesterday). Iria se chamar "Miss Daisy Hawkins". Mas o nome da música foi mudado para "Eleanor Rigby", em homenagem a um túmulo que ficava perto do local onde a antiga banda de John, The Quarrymen, se apresentava. "Yellow Submarine" escrita por Paul e cantada por Ringo, tem em sua letra um tema infantil que depois seria aproveitada para dar título a um desenho animado feito pelos Beatles. Traz sons de bolhas, barulho de água e outros barulhos gravados em estúdio.

Em "And Your Bird Can Sing" os Beatles usaram solo duplo de guitarra e era uma das músicas de John que ele não gostava. Em "I'm Only Sleeping", George fez o solo de guitarra e depois tocou o som ao contrário.

Baladas clássicas[editar | editar código-fonte]

McCartney novamente escreve suas baladas. "For No One", ele escreveu para sua namorada na época (Jane Asher) e se chamaria inicialmente "What Did I Die?". E a clássica "Here, There And Everywhere" que era uma das músicas preferidas de John.

Capa do álbum[editar | editar código-fonte]

Criada pelo alemão Klaus Voormann, amigo dos Beatles desde a época em que eles foram tocar em Hamburgo. A capa traz uma ilustração feita com desenhos e colagens de fotos (feitas pelo fotográfo Robert Whitaker).

Sobre o disco[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [2]
Blender 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [3]
Pitchfork Media (10.0/10.0) [4]
PopMatters 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [5]
Rolling Stone 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [6]
Georgiy Starostin 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [7]
Symbol unlikely.svg Esta tabela precisa de ser acompanhada por texto em prosa. Consulte o guia.

Versões inglesa e norte-americana[editar | editar código-fonte]

Como era costume à época, os discos dos Beatles eram lançados com notórias diferenças em diversas partes do mundo. O desmembramento de um álbum em vários outros, ou em álbuns e singles, sem a autorização expressa da banda, acabou por ocasionar a feitura da controvertida "capa de açougueiro" ("butch cover"), presente nas primeiras tiragens do LP norte-americano Yesterday... And Today, que nada mais era do que sobras de faixas outros discos oficiais ingleses (no caso, dos álbuns Rubber Soul, Help!, compacto We Can Work It Out/Day Tripper e do então inédito álbum Revolver).

Antecipando 3 faixas do álbum (Dr. Robert, And Your Bird Can Sing e I'm Only Sleeping), o álbum Yesterday... And Today, lançado cerca de 45 dias antes de Revolver nos Estados Unidos, fez com que estas 3 faixas fossem suprimidas da versão americana, lançada pela Capitol Records. Desta forma, o LP norte-americano, lançado em 8 de agosto de 1966, tinha o seguinte alinhamento de faixas:

Lado A

# Título Duração
1. "Taxman" (Harrison) 2:39
2. "Eleanor Rigby"   2:07
3. "Love You To" (Harrison) 3:01
4. "Here, There and Everywhere"   2:25
5. "Yellow Submarine"   2:40
6. "She Said She Said"   2:37

Lado B

# Título Duração
1. "Good Day Sunshine"   2:09
2. "For No One"   2:01
3. "I Want to Tell You" (Harrison) 2:29
4. "Got to Get You into My Life"   2:30
5. "Tomorrow Never Knows"   2:57

Na discografia brasileira, a ODEON (subsidiária da EMI) optou pelo tradicional alinhamento de faixas da versão inglesa. Entretanto, o lançamento brasileiro tinha uma fundamental diferença: embora fosse lançado em mono, a mixagem das faixas era, na verdade, da versão mixada em estéreo, na Inglaterra. Como era praxe brasileira à época, os dois canais do estéreo foram combinados em um único canal, gerando um master mono.

Esta diferença é detectada quando comparadas, principalmente, as mixagens mono e estéreo de três músicas presentes no LP: I'm Only Sleeping, Yellow Submarine e Tomorrow Never Knows. Tais diferenças são determinantes em demonstrar que, muito embora o LP tenha sido lançado em mono, no Brasil, o master tape que o originou era proveniente da versão estéreo inglesa.

A versão oficial mono somente foi lançada no Brasil em 2009, com o lançamento da caixa The Beatles Mono Box Set.

Notas e referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Beatles é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.