Meditação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estátua de Shiva meditando na posição de lótus

Segundo o Dicionário Aurélio, a meditação pode tanto significar um ato de intensa concentração da mente em um assunto quanto a elaboração de um processo mental discursivo: nesse último caso, opõe-se à contemplação.[1] É comumente associada a religiões orientais, embora, segundo a definição do Dicionário Aurélio, o termo mais correto no caso seria "contemplação", pois se refere a um processo mental não discursivo. Há dados históricos comprovando que ela é tão antiga quanto a humanidade. Não sendo exatamente originária de um povo ou região, desenvolveu-se em várias culturas diferentes e recebeu vários nomes. Floresceu no Egito (o mais antigo relato),[carece de fontes?] na Índia, entre o povo Maia etc. Apesar da associação com as questões tradicionalmente relacionadas à espiritualidade, a meditação pode também ser praticada como um instrumento para o desenvolvimento pessoal em um contexto não religioso.

A divulgação das práticas de meditação no mundo contemporâneo recebeu uma grande contribuição das técnicas milenares preservadas pelas diversas culturas tradicionais do oriente. Uma das escolas em que ela evoluiu independentemente foi o sufismo. Nas filosofias religiosas do oriente, como o bramanismo, budismo (e suas variações, como o budismo tibetano e o zen), o tantra e o jainismo, bem como nas artes marciais, como o i-chuan e o tai chi chuan, a meditação é vista como um estado que ultrapassa o intelecto, onde a mente é posta em silêncio para dar lugar à contemplação espiritual. Esse "calar a mente" induz uma volta ao centro ("meio", daí "meditar"), para o vazio interior.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

A palavra meditação vem do latim meditare, que significa "voltar-se para o centro no sentido de desligar-se do mundo exterior" e "voltar a atenção para dentro de si". Em sânscrito, é chamada dhyana e é obtida pelas técnicas de dharana (concentração). Na língua chinesa, dhyana tornou-se Ch'anna, termo que sofreu uma contração e tornou-se Ch'an (Zen, em japonês). Em páli, é jhana. Significa "concentrar intensamente o espírito em algo".

Definição[editar | editar código-fonte]

A meditação costuma ser definida das seguintes maneiras:

  • um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos;
  • prática de focar a mente em um único objeto (por exemplo: em uma estátua religiosa, na própria respiração, em um mantra);
  • uma abertura mental para o divino, invocando a orientação de um poder mais alto;
  • análise racional de ensinamentos religiosos (como a impermanência, para os Budistas)

Prática[editar | editar código-fonte]

Facilmente pode-se observar que nossas mentes encontram-se continuamente pensando no passado (memórias) ou no futuro (expectativas). Com a devida atenção, é possível diminuir a velocidade dos pensamentos, reduzir a atividade mental, para observar um silêncio mental no qual o momento presente é vivenciado. Através da meditação, é possível separar os pensamentos da parte de nossa consciência que realiza a percepção.

É possível se obter total descanso numa posição sentada e, por conseguinte, atingir maior profundidade na meditação e, assim, dissolver preocupações e problemas que bloqueiam a mente.

Uma posição possível é a posição de lótus completo: o pé esquerdo apoiado sobre a coxa direita e o pé direito apoiado sobre a coxa esquerda. Outros podem sentar em meio lótus: o pé esquerdo apoiado sobre a coxa direita ou o pé direito sobre a coxa esquerda. Há pessoas que não conseguem sentar em nenhuma dessas posições e, por isso, podem sentar à maneira japonesa, ou seja, com os joelhos dobrados e o tronco apoiado sobre ambas as pernas. Pondo alguma espécie de acolchoado sob os pés, a pessoa pode facilmente permanecer nessa posição por uma hora ou uma hora e meia.

Chacras, centros de energia cultivados na meditação segundo a tradição Tantra

Mas, na verdade, qualquer pessoa pode aprender a sentar em meio lótus, ainda que, no início, possa sentir alguma dor. Gradualmente, após algumas semanas de treino, a posição se tornará confortável. No início, enquanto a dor ainda causar muito desconforto, a pessoa deve alterar a posição das pernas ou a posição de sentar. Para as posturas de lótus completo e meio lótus, convém sentar-se sobre uma almofada, de forma que os dois joelhos se apoiem contra o chão. Os três pontos de apoio dessa posição proporcionam uma grande estabilidade.

Mantenha as costas eretas. Isso é muito importante. O pescoço e a cabeça devem ficar em alinhamento com a coluna. A postura deve ser reta mas não rígida. Mantenha os olhos semiabertos, focalizados a uns dois metros à sua frente. Mantenha leve sorriso. Agora comece a seguir sua respiração e a relaxar todos os músculos. Concentre-se em manter sua coluna ereta e em seguir sua respiração. Solte-se quanto a tudo mais. Abandone-se inteiramente. Se quiser relaxar os músculos de seu rosto, contraídos pelas preocupações, medo e tristeza, deixe um leve sorriso aflorar em sua face. Quando o leve sorriso surge, todos os músculos faciais começam a relaxar. Quanto mais tempo o leve sorriso for mantido, melhor.

À altura do ventre, pouse sua mão esquerda com a palma voltada para cima sob a palma da mão direita. Solte todos os músculos dos dedos, braços e pernas. Solte-se todo como as plantas aquáticas que flutuam na corrente, enquanto sob a superfície das águas o leito do rio permanece imóvel. Não se prenda a nada a não ser à respiração e ao leve sorriso.

Durante esse tempo, você tem que ser capaz de obter descanso total. A técnica para tal obtenção reside em duas coisas: observar e soltar, observar a respiração e soltar tudo mais. Solte cada músculo de seu corpo. Após uns quinze minutos, uma serenidade profunda poderá ser alcançada, enchendo-o interiormente de paz e contentamento. Mantenha-se nessa quietude. Esta prática é dos melhores remédios para se aliviar o estresse.

Duração[editar | editar código-fonte]

Não há um tempo mínimo preestabelecido. Pode-se iniciar com um período de poucos minutos e, conforme se aperfeiçoa, esse tempo pode aumentar até para horas, dias, ou em casos excepcionais, até meses, como foi o caso de Palden Dorje. O mais importante é a frequência da prática, preferencialmente diária.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

A meditação pode ser praticada por diversos motivos: desde o simples relaxamento até a busca pelo nirvana. Muitos praticantes da meditação têm relatado melhora na concentração, consciência, autodisciplina e equanimidade.

Variantes[editar | editar código-fonte]

Existem métodos que vêm conquistando grande aceitação no ocidente, como a meditação feita em pé conhecida como zhan zhuang, que, devido a sua simplicidade e eficiência, é muito praticada na China e Europa. Ele é facilmente executado por pessoas com pouca flexibilidade e dificuldades nos joelhos e coluna, melhorando inclusive a postura. Facilmente praticada em qualquer local, é um excelente método procurado por muitos praticantes de artes marciais experientes ou mesmo iniciantes. Esta prática é muito efetiva na redução do estresse.

Prática da postura da árvore, forma de meditação em pé considerada uma das práticas fundamentais do tai chi pai lin

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Meditação

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 110.
  • American Psychiatric Association. (1994). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, fourth edition. Washington, D.C.: American Psychiatric Association.
  • Austin, James H. (1999) Zen and the Brain: Toward an Understanding of Meditation and Consciousness, Cambridge: MIT Press, 1999, ISBN 0-262-51109-6
  • Azeemi, Khwaja Shamsuddin (2005) Muraqaba: The Art and Science of Sufi Meditation. Houston: Plato, 2005, ISBN 0-9758875-4-8
  • Carlson LE, Ursuliak Z, Goodey E, Angen M, Speca M. (2001) The effects of a mindfulness meditation-based stress reduction program on mood and symptoms of stress in cancer outpatients: 6-month follow-up. Support Care Cancer. 2001 Mar;9(2):112-23.PubMed abstract PMID 11305069
  • Craven JL. (1989) Meditation and psychotherapy. Canadian Journal of Psychiatry. Oct;34(7):648-53. PubMed abstract PMID 2680046
  • Davidson RJ, Kabat-Zinn J, Schumacher J, Rosenkranz M, Muller D, Santorelli SF, Urbanowski F, Harrington A, Bonus K, Sheridan JF. (2003) Alterations in brain and immune function produced by mindfulness meditation. Psychosomatic Medicine 2003 Jul-Aug;65(4):564-70. PubMed abstract PMID 12883106
  • Bennett-Goleman, T. (2001) Emotional Alchemy: How the Mind Can Heal the Heart, Harmony Books, ISBN 0-609-60752-9
  • Hayes SC, Strosahl KD, Wilson KG. (1999) Acceptance and Commitment Therapy. New York: Guilford Press.
  • Kabat-Zinn J, Lipworth L, Burney R. (1985) The clinical use of mindfulness meditation for the self-regulation of chronic pain. Journ. Behav. Medicine. Jun;8(2):163-90. PubMed abstract PMID 3897551
  • Kutz I, Borysenko JZ, Benson H. (1985) Meditation and psychotherapy: a rationale for the integration of dynamic psychotherapy, the relaxation response, and mindfulness meditation. American Journal of Psychiatry, Jan;142(1):1-8. PubMed abstract PMID 3881049
  • Lazar, Sara W.; Bush, George; Gollub, Randy L.; Fricchione, Gregory L.; Khalsa, Gurucharan; Benson, Herbert (2000) Functional brain mapping of the relaxation response and meditation [Autonomic Nervous System] NeuroReport: Volume 11(7) 15 de Maio 2000 p 1581–1585 PubMed abstract PMID 10841380
  • Perez-De-Albeniz, Alberto & Holmes, Jeremy (2000) Meditation: Concepts, Effects And Uses In Therapy. International Journal of Psychotherapy, March 2000, Vol. 5 Issue 1, p49, 10p
  • Shalif, I. et al. (1985) Focusing on the Emotions of Daily Life (Tel-Aviv: Etext Archives, 1990)
  • Shapiro DH Jr. (1992) Adverse effects of meditation: a preliminary investigation of long-term meditators. Int. Journal of Psychosom. 39(1-4):62-7. PubMed Abstract PMID 1428622
  • Venkatesh S, Raju TR, Shivani Y, Tompkins G, Meti BL. (1997) A study of structure of phenomenology of consciousness in meditative and non-meditative states. Indian J Physiol Pharmacol. 1997 Apr;41(2): 149–53. PubMed Abstract PMID 9142560
  • Osho (2006) Mente Tranqüila CELEBRIS, ISBN 85-89219-64-X
  • Osho (2006) Meditações para o Dia VERUS EDITORA LTDA, ISBN 85-7686-006-6