José Mariano Beltrame

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Mariano Benincá Beltrame
Secretário de Segurança Pública do  Rio de Janeiro
Mandato 1 de janeiro de 2007
até atualidade
Vida
Nascimento 13 de maio de 1957 (57 anos),
Santa Maria, RS, Brasil Brasil
Dados pessoais
Profissão Delegado de Polícia Federal, Secretário de Segurança Pública e Empresário

José Mariano Benincá Beltrame (Santa Maria, RS, 13 de maio de 1957) é um delegado federal brasileiro e atualmente ocupa a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro.

Vida e Formação profissional[editar | editar código-fonte]

Beltrame nasceu em uma família de descendência italiana. Ele é Formado em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, em Administração de Empresas e Administração Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especializou-se em Inteligência Estratégica na Universidade Salgado de Oliveira e na Escola Superior de Guerra. Fez curso de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública e de Análise de Dados de Inteligência Policial, Sistema Guardião.

Vida Pública[editar | editar código-fonte]

Ingressou no Departamento de Polícia Federal no ano de 1981 como agente, principalmente, na área de repressão a entorpecentes. Exerceu funções no setor de inteligência, combatendo o crime organizado em vários Estados brasileiros. Ministrou aulas e palestras no Curso de Pós-graduação em Inteligência e Segurança Pública da Universidade Federal do Mato Grosso. Na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, como delegado de Polícia Federal, foi coordenador da Missão Suporte, chefe do Serviço de Inteligência e da Interpol[1] [2] .

Projetos[editar | editar código-fonte]

Foi um dos idealizadores do projeto Unidade de Polícia Pacificadora, as UPPs, aplicadas no estado do Rio de Janeiro e com possível expansão (citar fontes) para o estado de Pernambuco e outros. Em novembro de 2010 foi um dos principais articuladores da operação de tomadas das favelas da Vila Cruzeiro e na sequência, da invasão do Complexo do Alemão no Rio de Janeiro. Nesta operação foi realizada a apreensão de mais de 42 toneladas de maconha, 330 kg de cocaína, crack, armamentos pesados, grande quantidade (quanto?) de munições, carros e motos, além da desarticulação no tráfico de drogas com a prisão de diversos (quem?) chefes do narcotráfico.

Referências