Miguel Nicolelis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miguel Nicolelis
Neurociência, Medicina
Nicolelis durante entrevista para o programa Roda Viva
Dados gerais
Nome de nascimento Miguel Angelo Nicolelis
Nacionalidade  Brasileira
Residência Brasil, Estados Unidos
Nascimento 7 de março de 1961 (53 anos)
Local São Paulo, SP
Progenitores
Mãe Giselda Laporta Nicolelis
Atividade
Campo(s) Neurociência, Medicina
Instituições Estados Unidos Universidade Duke
Alma mater Brasil Universidade de São Paulo
Religião Ateu[1]

Miguel Angelo Laporta Nicolelis (São Paulo, 7 de março de 1961) é um médico e cientista ateu[1] brasileiro. É filho da escritora Giselda Laporta Nicolelis. Foi considerado um dos 20 maiores cientistas do mundo no começo da década passada, segundo a revista "Scientific American".[2] Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.[3] Nicolelis foi o primeiro cientista a receber no mesmo ano dois prêmios dos Institutos Nacionais de Saúde estadunidenses e o primeiro brasileiro a ter um artigo publicado na capa da revista Science.

Lidera um grupo de pesquisadores da área de Neurociência na Universidade Duke[4] (Durham, Estados Unidos), no campo de fisiologia de órgãos e sistemas. Seu objetivo é integrar o cérebro humano com máquinas (neuropróteses ou interfaces cérebro-máquina). Suas pesquisas desenvolvem próteses neurais para a reabilitação de pacientes que sofrem de paralisia corporal. Nicolelis e sua equipe foram responsáveis pela descoberta de um sistema que possibilita a criação de braços robóticos controlados por meio de sinais cerebrais. O trabalho é considerado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) como uma das tecnologias que vão mudar o mundo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nicolelis formou-se em Medicina na Universidade de São Paulo (USP). Na mesma instituição cursou o doutorado em Fisiologia Geral, onde sofreu grande influência de César Timo-Iaria. O pós-doutorado ele cursou no Hospital Universitário Hahnemann (associado ao Drexel University College of Medicine), na Filadélfia, Estados Unidos. É Professor Titular de Neurobiologia e Engenharia Biomédica e co-diretor do Centro de Neuroengenharia da Universidade Duke.

Nicolelis também concebeu e lidera o projeto do Instituto Internacional de Neurociências de Natal (IINN), na capital do Rio Grande do Norte. Em Natal, uma das linhas de pesquisa de Nicolelis visa caracterizar a resposta tecidual ao implante dos mesmos eletrodos utilizados nas pesquisas que são desenvolvidas nos laboratórios da Universidade Duke.[5] Os primeiros resultados desta linha de pesquisa receberam destaque internacional ao serem divulgados na prestigiosa revista PLoS ONE. Ele realizou esta pesquisa totalmente no Brasil.[6]

Em 26 de julho de 2011 o Jornal Folha de São Paulo publicou uma matéria relatando a cisão entre Miguel Nicolelis e seus colaboradores ligados ao pesquisador Sidarta Ribeiro.[7] Versão recorrente no meio acadêmico dá conta de que a crise foi motivada egocentrismo dos últimos, especialmente devido a críticas de Nicolelis relacionadas ao baixo impacto das pesquisas desenvolvidas por eles.[8] Informações obtidas com frequentadores do Instituto citam como fator desencadeador da saída de Sidarta Ribeiro, indicado por Nicolelis para ser o primeiro diretor do IINN, em 2005, um pedido para que Ribeiro deixasse de utilizar a garagem do Instituto, bem como a sala que ocupava, que deu origem a um novo laboratório do IINN-ELS.[9]

No dia 12 de junho de 2014 Nicolelis e sua equipe realizaram a demonstração pública do exoesqueleto controlado pelo cérebro de um paciente paraplégico, na cerimônia de abertura da Copa do Mundo realizada no Brasil, colocando a ciência brasileira em evidência mundial.[10]

Manifesto da Ciência Tropical[editar | editar código-fonte]

Em 23 de novembro de 2010, Nicolelis divulgou um documento de sua autoria intitulado Manifesto da Ciência Tropical[11]  : um novo paradigma para o uso democrático da ciência como agente efetivo de transformação social e econômica no Brasil[12] . Nele, sugere que o Brasil encontra-se diante de uma oportunidade única de potencializar seu desenvolvimento científico e educacional, através da cooperação entre ambos, e propõe quinze medidas necessárias para o país firmar-se como uma liderança mundial na produção e uso democratizante do conhecimento. O documento repete a ênfase na descentralização da produção científica e na aproximação entre pesquisa e escola, seguindo o exemplo do Instituto Internacional de Neurociências de Natal.

Em 28 de fevereiro de 2013 Miguel e equipe conseguiram conectar dois ratos pelos sinais de seus cérebros.

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Faz Diferença - Personalidade do Ano de 2011, Jornal OGlobo
  • Prêmio Trip Transformadores 2011, Revista Trip
  • Prêmio Cesar Timo-Iaria - Federação das Sociedades de Biologia Experimental (Fesbe)
  • Doutor Honoris causa - Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Santiago Grisolia Chair, Catedra Santiago Grisolia and Fundacion Museo de las Ciencias Principe Felipe
  • Segerfalk Lecture, Lund University, Wallenberg Neuroscience Center, Segerfalk Foundation, Lund, Sweden
  • Keynote Speaker, Heller Lecture Series, ICNC, Hebrew University
  • Joseph L. Melnick Distinguished Guest Lecturer, Baylor College
  • James C. White Neurosurgery Lecture, Harvard Medical School
  • Ramon y Cajal Chair, University of México
  • Third Annual Scientific American 50-Research Leader in Biomedical Engineering, Scientific America
  • America s Best and Brightest, Esquire Magazine
  • 2004 Grass Traveling Scientist Program Distinguished Lecturer, UCLA
  • Dean s Lecture, Mount Sinai School of Medicine
  • Thomas Langford Lectureship Award, Duke University
  • Prêmio DARPA pela excelência na performance científica, DARPA
  • Apresentação destacada e original, XIV computers in cardiology congress
  • Prêmio Oswaldo Cruz pela excelência em pesquisa em medicina interna e preventiva, USP
  • 2010 - Prêmio Pioneer dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH) para pesquisas pioneiras.[13]
  • 2010 - Transformative R01 Award dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH).[14]
  • Em 5 de janeiro de 2011, foi nomeado pelo papa Bento XVI membro da Pontifícia Academia das Ciências.[15]

Referências

  1. a b Entrevista a Maria da Paz Trefaut www.revistaṕlaneta.com.br (2011). Página visitada em 20 de junho de 2014. "Nos dias de hoje, aliás, a humanidade curiosamente é dominada por três esquizofrênicos [Abraão, Jesus e Maomé] que ouviam vozes, olhavam para o céu e achavam que alguém estava falando com eles."
  2. Folha fará sabatina com o cientista Miguel Nicolelis na segunda Folha de São Paulo
  3. Época - NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2009 revistaepoca.globo.com. Página visitada em 20 de Dezembro de 2009.
  4. Folha: Folha sabatina amanhã o cientista Miguel Nicolelis
  5. Portal Nominuto.com - Eletrodos: quanto mais imperceptível, melhor
  6. Freire MAM, Morya E, Faber J, Santos JR, Guimaraes JS, Lemos NAM, Sameshima K, Pereira A, Ribeiro S, Nicolelis MAL. Comprehensive analysis of tissue preservation and recording quality from chronic multielectrode implants. PLoS ONE, November 2011, V. 6 (11), e27554
  7. Claudio Angelo e Reinaldo José Lopes (26 de julho de 2011). Grupo de cientistas liderado por Miguel Nicolelis sofre cisão Folha de São Paulo. Página visitada em 05/09/2014.
  8. Novo Jornal - Deu mico no Instituto de Nicolelis
  9. [1].
  10. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/06/jovem-paraplegico-usa-exoesqueleto-chuta-bola-na-abertura-da-copa.html
  11. Wikisource: Manifesto da Ciência Tropical
  12. Nicolelis lança manifesto da Ciência Tropical: “Ela vai ditar a agenda mundial do século XXI”
  13. G1. Neurocientista brasileiro ganha prestigioso prêmio nos EUA. Acessado em 27 de julho de 2010
  14. G1 - Neurocientista brasileiro recebe prêmio de R$ 7 milhões dos EUA g1.globo.com. Página visitada em 01 de Outubro de 2010.
  15. Papa nomeia cientista brasileiro para a Pontifícia Academia de Ciências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]