Kingdom of Heaven

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kingdom of Heaven
Reino dos Céus (PT)
Cruzada (BR)
Pôster de divulgação.
 Reino Unido /  Espanha /  Alemanha
2005 • cor • 144 min 
Direção Ridley Scott
Produção Ridley Scott
Roteiro William Monahan
Elenco Orlando Bloom
Eva Green
Jeremy Irons
David Thewlis
Brendan Gleeson
Marton Csokas
Liam Neeson
Edward Norton
Idioma Inglês
Árabe
Música Harry Gregson-Williams
Jerry Goldsmith
Cinematografia John Mathieson
Edição Dody Dorn
Chisako Yokoyama
Estúdio Scott Free Productions
Inside Track
Studio Babelsberg Motion Pictures GmbH[1]
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Estados Unidos 6 de Maio de 2005
Orçamento US$ 130 milhões[2]
Receita US$ 211,652,051[2]
Página no IMDb (em inglês)

Kingdom of Heaven (br: Cruzada / pt: Reino dos Céus) é uma co-produção cinematográfica que tem por tema a retomada de Jerusalém pelos muçulmanos, em 1187. Foi filmada em Marrocos e lançada em 6 de maio de 2005.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Reflexo do cenário e das preocupações internacionais deste início de século, Kingdom of Heaven é uma película tecnicamente bem feita e que pretende ser politicamente correta. Segundo seu diretor, Ridley Scott, "o filme é sobre a paz, a tolerância e a possibilidade de convivência entre povos de diferentes orientações religiosas, culturas e crenças". Para atingir seu propósito, ele não relutou em manipular fatos e personagens históricos.

A ação se passa no final do século XII, época em que o sultão Saladino, (de origem curda), reconquista a cidade de Jerusalém (1187), que os cristãos da Primeira Cruzada (1090) haviam tornado capital de seu Reino Latino.

No filme, o personagem principal, Balian, é um bastardo ferreiro francês, que se torna cavaleiro e barão de Ibelin (um feudo na Terra Santa), graças à inesperada visita de seu genitor, o nobre Godfrey de Ibelin. Após a morte do pai, ele viaja para Jerusalém e, no caminho, mata, em duelo singular, um experiente guerreiro muçulmano. Em Jerusalém, Balian toma posse de seu feudo, torna-se amigo do rei-leproso, Balduíno IV, e do conselheiro real, Tiberias, conde de Trípoli, e ainda namora a bela Sybilla, esposa insatisfeita do prepotente Guy de Lusignan.

A verdade histórica é que Balian nunca foi ferreiro, nem precisou viajar para a Palestina, pois já estava lá àquela época. Era um dos três filhos do barão Balian (e não Godfrey), e sua família (de origem francesa ou normando-siciliana) participava da Alta Corte do Reino Latino. Também não teve um caso com a princesa Sybilla, que era irmã do rei-leproso e mãe do herdeiro do trono, Baldwin V (ainda criança e solenemente omitido no filme). Segundo o historiador árabe, Ali ibn al-Athir, Sybilla apaixonou-se "por um recém-chegado do Ocidente, um certo Guy (de Lusignan). Ela o esposou e, com a morte prematura de Baldwin V, colocou a coroa na cabeça do marido".

No filme, o conde de Trípoli (Tiberias), que é o artífice da política de coexistência pacífica com o sultão Saladino, abandona Jerusalém quando Guy sobe ao trono e conduz os cristãos à desastrosa batalha de Hattin. Mas Ibn al-Athir nos exibe outra imagem do conde: "ele era muito ambicioso e desejava ardentemente tornar-se rei". Durante algum tempo, o conde (cujo nome real era Raymond) foi regente do rei-menino, Baldwin V, mas perdeu prestígio com a ascensão de Guy, o que lhe gerou tanto rancor que escreveu a Saladino oferecendo-lhe sua amizade, em troca do trono de Jerusalém. O máximo que conseguiu foi ter sua fuga para Trípoli garantida pelo sultão.

O grande vilão do filme é Reynald de Chatillon, cavaleiro da Ordem dos Templários, responsável pelo ataque a uma caravana muçulmana, fato que levou ao rompimento da trégua construída por Baldwin IV e conseqüente investida de Saladino contra Jerusalém. Após a batalha de Hattin, ele é aprisionado (juntamente com Guy) e morto pelo próprio sultão, sendo este um dos poucos pontos em que a realidade histórica e o filme de Scott não conflitam. Segundo o escritor Imadeddin al-Asfahami, conselheiro de Saladino, que assistiu ao fato, "a cabeça de Reynald foi cortada e o seu corpo arrastado diante do rei Guy, que começou a tremer".

Balian foi, realmente, o responsável pela defesa de Jerusalém, como mostra o filme. O cerco da cidade durou de 20 a 29 de setembro de 1187 e terminou com um acordo entre Balian e Saladino. No filme, o cristão entrega Jerusalém em troca de salvo-conduto gratuito para todos os seus habitantes, depois de ameaçar destruir os "lugares santos" da cidade. A verdade histórica é que, além disso, ele ameaçou matar todos os cinco mil muçulmanos que viviam em Jerusalém. Por outro lado, o acordo não saiu de graça: Saladino cobrou um resgate de cada pessoa a quem garantiu salvo-conduto.

O filme se encerra com Balian retornando à França, na companhia de Sybilla. A realidade é que ele partiu sozinho para Tiro, ao encontro de sua verdadeira esposa.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Maalouf, Amin - As Cruzadas vistas pelos Árabes, São Paulo, Ed. Brasiliense, 1988.

Referências

  1. Company Information. movies.nytimes.com. Página visitada em July 30, 2010.
  2. a b Kingdom of Heaven. Box Office Mojo. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]