Manticora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Manticora, do livro The History of Four-footed Beasts (1607)

Manticora é uma criatura mitológica, semelhante às quimeras, com cabeça de homem, três afiadas fileiras de dentes de tubarão e com voz trovejante - e corpo de leão (geralmente, com pêlo ruivo),olhos de cores diferentes e cauda de escorpião ou de dragão com a qual pode disparar espinhos venenosos, que matam qualquer ser, exceto o elefante. Em algumas descrições, aparece com asas de Dragão ou Morcego, variando as descrições, no que diz respeito às suas dimensões: pode ter desde o tamanho de um leão até o tamanho de um cavalo.

Originária da mitologia persa, onde era apresentada como um monstro antropófago, o termo que a identifica tem também origem na língua persa: de martiya (homem) e khvar (comer). A palavra foi depois usada pelos gregos, na forma Mantikhoras, que deu origem ao latim Mantichora. A figura passou a ser referida na Europa através dos relatos de Ctésias de Cnido, um médico grego da corte do Rei Artaxerxes II, no século IV a.C., nas suas notas sobre a Índia ("Indika"). Esta obra, muito utilizada pelos escritores gregos de História Natural, não sobreviveu até a atualidade. Plínio, o Velho incluiu-a na sua História Natural. Mais tarde, o escritor grego Flávio Filóstrato mencionou-a em sua obra Vida de Apolônio de Tiana (livro III, capitulo XLV). existentes, com uma pele que repele quase todos os feitiços conhecidos. Segundo algumas lendas, as manticoras surgiram quando um rei foi amaldiçoado e se transformou em manticora. Aparentemente estas criaturas foram inspiradas em tigres.

Até hoje, muitas histórias de pessoas desaparecidas na Índia são ligadas às Manticoras. Hoje sabemos que, na verdade, os responsáveis pelos desaparecimentos eram os tigres. A manticora é famosa por cantarolar baixinho enquanto come sua presa afim de distrai-la e/ou amedronta-la.

Na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

No universo de Harry Potter, a manticora é uma das criaturas mais perigosas e raras, pois é imune à magia de feiticeiros, e o veneno de sua cauda mata a vítima na hora.

No anime One Piece Luffy luta com varias manticoras, que estavam sendo mantidas na prisão Impel Down.

No jogo World Of Warcraft aparece como uma montaria e também como PNJ (Criatura do Jogo), além de ser o mais utilizado pela [Horda] .

Uma mantícora aparece em Percy Jackson e os Olimpianos: A Maldição do Titã de Rick Riordan. Também pode ser vista no filme O Mar de Monstros.

No seriado Merlin uma manticora aparece no nono episódio da terceira temporada ("Love in the Time of Dragons") como uma criatura invocada do mundo espiritual que pode exercer controle sobre homens. O comportamento da manticora lembra a de um cachorro bull dog.

No jogo God of War: Ascension, a manticora aparece como um chefão, enfrentado na Torre de Delfos e na Lanterna de Delos.

No sétimo volume públicado pela Panini da história em quadrinhos Fábulas (Fables, no original), criada por Bill Willingham, uma manticora aparece lutando contra o exército de madeira do Adversário.

Na série "Crônicas de Gelo e Fogo", livro um (A guerra dos tronos), quase ao final, aparece uma referência às manticoras que eram mantidas em jaulas no Mercado Oriental. No livro 3, é dito que o príncipe Oberyn Martell utiliza veneno de manticora refinado em sua lança, o que permite matar seus oponentes lenta e dolorosamente, o que lhe dá o título de "The Red Viper" (A Víbora vermelha).

No jogo Cabal online, a manticora aparece como um "world boss" (chefe do mundo).

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.