Nei Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nei Lisboa
Nei lisboa.jpg
Nei Lisboa em espetáculo, 2006.
Informação geral
Nome completo Nei Tejera Lisbôa
Nascimento 18 de janeiro de 1959 (55 anos)
Origem Caxias do Sul, RS
País Brasil  Brasil
Gênero(s) Pop, MPB
Ocupação(ões) Cantor, compositor, instrumentista
Instrumento(s) voz, violão
Período em atividade 1979 - Presente
Outras ocupações Escritor, ator, editor gráfico
Página oficial www.neilisboa.com.br


Nei Tejera Lisbôa (Caxias do Sul, 18 de janeiro de 1959) é um músico, cantor, compositor e escritor brasileiro. Seu estilo musical combina uma rica mistura de ritmos e harmonias que geralmente é associada a MPB. Lançou dez discos, dois DVDs e dois livros.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nei Lisboa é gaúcho de Caxias do Sul e reside em Porto Alegre desde os seis anos de idade, tendo vivido largas temporadas em outras capitais brasileiras e também nos EUA, onde concluiu o segundo grau. Mas sua ligação mais forte é mesmo com a capital gaúcha, onde mantém um público fiel, e mais especificamente o bairro Bom Fim, onde cresceu e morou por mais de vinte anos.[1] [2] [3] [4] [5] É irmão mais jovem – entre sete – de Luiz Eurico Tejera Lisbôa, primeiro desaparecido político brasileiro cujo corpo pôde ser localizado, no final dos anos 70.[6] [7]

Nei tem dez discos lançados ao longo de mais de três décadas, além de dois livros: uma coletânea de crônicas e um romance, este editado no Brasil e na França. A paixão pela música popular surge na infância – aos oito anos é aluno do Liceu Musical Palestrina – e se consolida ao ingressar, em 1977, no curso (inconcluso) de Composição e Regência da UFRGS.

Carreira artística[editar | editar código-fonte]

Sua carreira artística inicia em 1979, com os espetáculos "Lado a lado" e "Deu pra ti anos 70", em parceria constante com o guitarrista Augusto Licks.[8] [9] [10]

O primeiro disco, "Pra viajar no cosmos não precisa gasolina", é uma produção independente de 1983. Um ano depois, em 1984, por intermédio de uma gravadora regional (ACIT), ele lança seu segundo disco, “Noves fora”. Ao final de 1986, Nei assina contrato com a gravadora EMI-Odeon, que resultaria em dois discos: “Carecas da Jamaica”, de 1987, pelo qual recebe o Prêmio Sharp de revelação pop/rock; e “Hein?!”, lançado em 1988, obra que também marca sua trajetória de forma indelével. (Ambos os discos foram relançados em CD pela EMI, em 1999.)[11] [12] [13] Em 1990, parte para sua primeira incursão na literatura, o romance “Um morto pula a janela”, lançado em 1991 pela editora Artes & Ofícios, e relançado pela editora Sulina em 1999, com uma tradução francesa editada pela L’Harmattan em 2000.[14] [15] [16]

Em 1993, depois de algumas temporadas entre Porto Alegre e Montevidéu, Nei grava ao vivo no Theatro São Pedro o disco Amém, reunindo canções próprias e clássicos da música popular uruguaia, acompanhado por nove músicos de ambos os países. É seu primeiro trabalho a sair simultâneamente em vinil e CD, distribuído pela Som Livre. (O CD é relançado em 1999, pela Paradoxx.)

Nei volta ao disco em 1998, e excursiona pelo sul do Brasil embalado pelo sucesso de “Hi-fi”, um apanhado de clássicos da música pop e do repertório folk que influenciou o seu início de carreira nos anos 70. Lançado pela Paradoxx e gravado também ao vivo no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, o CD provoca uma onda de relançamentos dos trabalhos anteriores.[17]

Em 2000, Nei retoma a composição, e “Cena beatnik”, seu primeiro trabalho em estúdio depois de mais de uma década, é lançado em maio de 2001 pelo selo Antídoto, da gravadora ACIT. Em 2002, bandas e artistas gaúchos unem-se em um CD tributo, intitulado “Baladas do Bom Fim” e lançado pelo selo Orbeat, com releituras de quatorze músicas do compositor.[18]

As músicas de Nei participam também da trilha de vários filmes da cinematografia gaúcha, como “Deu pra ti anos 70”, “Verdes anos” e “Houve uma vez dois verões”. Em “Meu tio matou um cara”, de Jorge Furtado, um dos principais temas é a canção “Pra te lembrar”, na interpretação de Caetano Veloso, música que também faz parte do CD "Relógios de Sol" – lançado em julho de 2003 pelo selo Antídoto.

Em 2005, a cantora carioca Simone Capeto lança o álbum “Bom futuro”, interpretando exclusivamente canções de Nei. Também é interpretado por Cida Moreira, Ná Ozzetti e por Zélia Duncan, que inclui a canção “Telhados de Paris” em seu mais recente CD (“Pelo prazer do gesto”, 2009).[19]

O nono CD de Nei, “Translucidação”, lançado ao final de 2006, foi uma produção independente distribuída pela ACIT e em boa parte disponibilizada pelo artista em seu site oficial. [20]

Em 2007, Nei volta à literatura, reunindo crônicas suas publicadas ao longo da década na imprensa gaúcha sob o título “É Foch!”, lançamento da editora L&PM, indicado ao Prêmio Açorianos de Literatura no ano seguinte.[21]

Celebrando em 2009 trinta anos de carreira, a Câmara de Vereadores de Caxias do Sul concedeu ao filho ilustre, no dia 23 de setembro, o Título de Cidadão Emérito, em "reconhecimento aos relevantes serviços prestados a comunidade caxiense".[22]

Nei revisita no palco o repertório de todas essas diferentes épocas, percorrendo o sul do país, e no segundo semestre de 2010, circulou com a turnê de "Vapor da Estação" por nove capitais brasileiras, projeto contemplado pelo Programa Petrobras Cultural. Os shows foram realizados em Curitiba (28/09), Florianópolis (30/09), Itajaí (01/10), Belo Horizonte (06/10), São Paulo (cidade) (08/10), Brasília (14/10), Belém do Pará (28/10), São José do Rio Preto (11/11) e Rio de Janeiro (23/11).[23] As únicas cidades que o cantor ainda não havia visitado, foram Belo Horizonte e Brasília.[24] [25]

Em 2013, celebrou-se os 30 anos de lançamento de seu primeiro disco, "Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina". A comemoração foi realizada durante as apresentações do espetáculo "Nei LisPOA" no Theatro São Pedro, nos dias 22 e 23 de março.[26] Nesse mesmo ano, Nei lança seu décimo álbum, "A vida Inteira", utilizando um modelo de arrecadação de crowfunding através do Catarse[27] , sendo comtemplado em 05 de julho. A entrega das recompensas dos apoiadores foi realizada por meio postal e o lançamento do CD ocorreu no Sarau Elétrico do dia 03 de dezembro de 2013.[28] Além de participar do sarau de literatura, o artista apresentou as músicas do novo disco em show solo e realizou uma sessão de autográfos para a entrega dos discos de quem preferiu pela opção presencial.[27]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns Oficiais[editar | editar código-fonte]

Tiragem Limitada[editar | editar código-fonte]

Tributos[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

  • Nei Lisboa - Toca Brasil (2004)[30]
  • 10 Anos de Hi-Fi (2008)

Trilhas de Filmes[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Um Morto Pula a Janela (romance, ed. Artes & Ofícios, 1991)
  • É Foch! (crônicas, ed. L&PM, 2007)

Referências

  1. Paulo C. O. Teixeira. (janeiro 2009). "Nei Lisboa, versão 5.0" (PDF) (em português). Revista Aplauso (98). Porto Alegre: Via Design. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  2. Nicole Isabel dos Reis. 'Deu Pra Ti Anos 70' - Rede Social e Movimento Cultural em Porto Alegre Sob Uma Perspectiva de Memória e Geração, 2002.. Monografia de conclusão de graduação - UFRGS, Porto Alegre, 2002. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  3. Nicole Isabel dos Reis. Dançar nos fez pular o muro: Um estudo antropológico sobre a profissionalização na produção artística em Porto Alegre (1975-1985), 2005.. Mestrado - UFRGS, Porto Alegre, 2005. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  4. Nei Lisboa. Entrevista com Paulinho Moska. Nei Lisboa com seu violão suave (Vídeo). Zoombido. Canal Brasil São Paulo. 22/03/2012. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  5. Rita de Cássia Cavalcante. Porto Alegre em Canto e Verso: Vinte e Poucos Anos de Canção Popular Urbana, 2004. p 59-63,96,99.. Mestrado - UFRGS, Porto Alegre, 2004. Capítulo: Constelação formadora (ou de onde viemos?). , Página visitada em 31 de maio de 2014.
  6. Nei Lisboa. Entrevista. Depoimento De Nei Lisboa - Amor & Revolução SBT 01/06/2011. Novela Amor & Revolução. SBT São Paulo. 01/06/2011. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  7. E a Revolução meu irmão? (em português). Resistência em Arquivo (16/05/2014). Página visitada em 31 de maio de 2014.
  8. Nei Lisboa. Entrevista com Morgana Kretzmann. Papo de Camarim com Nei Lisboa. Papo de Camarim. TVE-RS Porto Alegre. 2010. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  9. Nei Lisboa. Entrevista com Paula Gazzoni e Margarete Noé. Os elefantes não esquecem - Nei Lisboa. Os elefantes não esquecem. RBS TV Porto Alegre. 1991. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  10. Lucio Fernandes Pedroso. Transgressão do Bom Fim, 2009.. Mestrado - UFRGS, Porto Alegre, 2009. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  11. Ruy Carlos Ostermann (30/6/2005). Histórias do paternal Nei Lisboa (em português). Encontros com o Professor. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  12. Nei Lisboa. Entrevista com Luis Bissigo. Entrevista: Nei Lisboa (Transcrição). Zero Hora. RBSTV Porto Alegre. 25/01/2010. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  13. Nei Lisboa. Entrevista. Ao Pé da Letra - Nei Lisboa comenta trechos da música Verão em Calcutá (Vídeo). Segundo Caderno. RBS Porto Alegre. 03/06/2013. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  14. Aramis Millarch. (08 de novembro de 1991). "Depois da música, romance de Lisboa" (em português). Estado do Paraná: 20. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  15. Aramis Millarch. (19 de fevereiro de 1989). "Nei Lisboa, o marginal assumido do som gaúcho" (em português). Estado do Paraná: 12. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  16. Nei Lisboa - Biografia (em português). Sítio da Sulina. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  17. Assessoria Ajuris. (agosto 2010). "Nei Lisboa revisita duas décadas de música" (em português). Jornal Agora. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  18. Márcio Pinheiro (20/10/2000). Nei Lisboa volta a fazer suas canções (em português). Clique Music - UOL. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  19. Cristiane Marçal. (16 de junho de 2009). "Zélia Duncan lança álbum Pelo Sabor do Gesto" (em português). Zero Hora. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  20. Nei Lisboa. Entrevista com Karoline Denardin. Entrevista com Nei Lisboa exibida no Radar TVE RS. Radar. TVERS Porto Alegre. 2007. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  21. a b Nei Lisboa. Entrevista com Marcelo Costa. Entrevista: Nei Lisboa (Transcrição). SCREAM & YELL 2.0. Porto Alegre. 11/06/2013. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  22. Decreto Legislativo Nº 249/A (PDF) (em português). Câmara Municipal de Caxias do Sul (23 de setembro de 2009). Página visitada em 31 de maio de 2014.
  23. Vapor da Estação (em português). Recheio Digital (30 de setembro de 2010). Página visitada em 31 de maio de 2014.
  24. Nei Lisboa. Entrevista. Metrópolis - Entrevista Nei Lisboa - Parte 1 e 2 (Vídeo). Metrópolis. TV Cultura São Paulo. 13/10/2010. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  25. Nei Lisboa. Entrevista com Carlos Eduardo Lima. Entrevista: Nei Lisboa (Transcrição). MonkeyBuzz. São Paulo. 03/06/2013. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  26. Nei Lisboa volta ao Theatro São Pedro em show que celebra Porto Alegre e seu disco de estreia (em português). Zero Hora (21/03/2013). Página visitada em 31 de maio de 2014.
  27. a b Projeto Nei Lisboa – A Vida Inteira (em português). Catarse. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  28. Nei Lisboa apresenta novo álbum no Sarau Elétrico desta terça-feira (em português). Portal do Rock Gaúcho (02/12/2013). Página visitada em 31 de maio de 2014.
  29. Baladas do Bom Fim (2002) (em português). Sítio do Nei Lisboa. Página visitada em 31 de maio de 2014.
  30. Nei Lisboa – Toca Brasil (show completo) (em português). Itaú Cultural. Página visitada em 31 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]