Neville Chamberlain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Neville Chamberlain
Neville Chamberlain
Primeiro-ministro do Reino Unido Reino Unido
Mandato 28 de maio de 1937
até 10 de Maio de 1940
Antecessor(a) Stanley Baldwin
Sucessor(a) Winston Churchill
Vida
Nascimento 18 de março de 1869
Birmingham
Morte 9 de novembro de 1940 (71 anos)
Hampshire
Dados pessoais
Primeira-dama Anne Chamberlain
Partido Partido Conservador
Religião Unitarismo
Profissão Agricultor e Industrial
Assinatura Assinatura de Neville Chamberlain

Arthur Neville Chamberlain FRS[1] (Birmingham, 18 de Março de 1869 – Heckfield, 9 de Novembro de 1940) foi um político britânico do Partido Conservador, Primeiro-Ministro do reino Unido entre Maio de 1937 e Maio de 1940. Chamberlain ficou conhecido pela sua política externa de apaziguamento, e, em particular, por ter assinado o Acordo de Munique, em 1938, o qual concedia a Região dos Sudetos da Checoslováquia à Alemanha. Quando Adolfo Hitler continuou com a sua agressão ao invadir a Polónia, os britânicos declararam guerra à Alemanha a 3 de Setembro de 1939, e Chamberlain liderou o Reino Unido nos primeiros oito meses da Segunda Guerra Mundial.

Depois de ter trabalhado em negócios e no governo local, e após uma curta passagem como Director do Serviço Nacional em 1916 e 1917, Chamberlain seguiu os passos do seu pai, Joseph Chamberlain, e de um meio-irmão mais velho, Austen Chamberlain, ao tornar-se Membro do Parliamento nas eleições gerais de 1918 aos 49 anos de idade. Recusou um cargo ministerial secundário, mantendo-se um simples deputado, até 1922. Rapidamente foi promovido a Secretário-de-Estado da Saúde, em 1923, e, a seguir, Chanceler do Erário Público. Depois de um governo trabalhista, regressou como Ministro da Saúde, introduzindo uma série de medidas reformistas, entre 1924 e 1929. Em 1931, foi nomeado Chanceler do Erário Público no Governo Nacional em 1931.

Quando Stanley Baldwin se retirou em Maio de 1937, Chamberlain ocupou o seu lugar como Primeiro-ministro. O seu governo foi dominado pela atitude política tomar em relação ao aumento de agressividade por parte da Alemanha, e a sua acção em Munique foi bem vista entre os britânicos, naquela época. Quando Hitler continuou a sua agressão, Chamberlain comprometeu-se em defender a independência da Polónia, se esta fosse atacada, uma promessa que levou o Reino Unido a entrar em guerra quando a Alemanha atacou a Polónia em 1939.

Chamberlain demitiu-se de Primeiro-Ministro no dia 10 de Maio de 1940, depois de os Aliados terem sido forçados a retirar da Noruega, pois acreditava ser essencial um governo constituído por todos, e os partidos Trabalhista e Liberal não se juntariam a um governo por ele liderado. Sucedeu-lhe Winston Churchill, e manteve-se bem visto no Parlamento, em particular entre os Conservadores. Antes de a sua saúde o forçar a abandonar o governo, foi um membro importante do Gabinete de Guerra de Churchill, chefiando-o na ausência deste. Chamberlain morreu de cancro seis meses depois de deixar a liderança do governo.

A reputação de Chamberlain mantém-se controversa entre historiadores. A sua boa imagem é deitada abaixo por alguns trabalhos como Guilty Men, publicado em Julho de 1940, o qual culpava Chamberlain e os seus associados pelo acordo de Munique, e por alegadamente não ter preparado convenientemente o país para a guerra. Muitos historiadores da geração posterior de Chamberlain também têm a mesma opinião, incluindo-se o próprio Churchill em The Second World War. Alguns historiadores mais recentes têm uma perspectiva mais favorável de Chamberlain e das suas políticas, citando documentos publicados sob a Regra dos Trinta Anos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Neville Chamberlain, em sua chegada ao aeroporto de Heston (Londres) em 30 de Setembro de 1938, após seu encontro com Hitler em Munique. Em sua mão ele tem o acordo de paz feito entre Reino Unido e Alemanha.

Chamberlain Acreditava que fazendo concessões a Hitler seria possível evitar uma nova guerra entre a Alemanha e o Reino Unido. Em Londres, logo após chegar da Alemanha, declarou sobre o recém-assinado Acordo de Munique:

"I believe it is peace in our time"
30 de Setembro de 1938.

Menos de um ano após a assinatura do acordo, em 1 de Setembro de 1939, a Wehrmacht invadiu a Polônia não restando à Chamberlain outra alternativa senão declarar guerra ao Reich, dando início assim à Segunda Guerra Mundial na Europa.

Em 10 de maio de 1940, Chamberlain renunciou ao cargo de primeiro-ministro, sendo substituído por Winston Churchill.

Cquote1.svg Entre a desonra e a guerra, escolheste a desonra, e terás a guerra. Cquote2.svg
Winston Churchill sobre Chamberlain.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Courcy, John de. Searchlight on Europe. [S.l.]: Eyre and Spottiswoode, 1940.
  • Craig, F.W.S.. British Parliamentary Election Results 1918–1949. revised ed. [S.l.]: The Macmillan Press Ltd, 1977.
  • Daniell, Raymond. "Commons tribute paid Chamberlain", 1940-11-13. Página visitada em 6 de Novembro de 2009.
  • Dilks, David. Neville Chamberlain, Volume 1: Pioneering and Reform, 1869–1929. [S.l.]: Cambridge University Press, 1984. ISBN 978-0-521-89401-2
  • Dutton, David. Neville Chamberlain. [S.l.]: Hodder Arnold, 2001. ISBN 978-0-340-70627-5
  • Englefield, Dermot. Facts About the British Prime Ministers. [S.l.]: H. W. Wilson Co., 1995. ISBN 978-0-8242-0863-9
  • Faber, David. Munich: The 1938 Appeasement Crisis. [S.l.]: Simon & Schuster, 2008. ISBN 978-1-84739-006-6
  • Feiling, Keith. The Life of Neville Chamberlain. Second ed. [S.l.]: Archon Books, 1970.
  • Internet Modern History Sourcebook. [S.l.]: Fordham University, August 1997. Página visitada em 2009-10-22.
  • Keane, Michael. Dictionary of Modern Strategy and Tactics. [S.l.]: Naval Institute Press, 2005. ISBN 978-1-59114-429-8
  • Keyes, Ralph. The Quote Verifier: Who Said What, Where, and When. [S.l.]: Macmillan, 2006. ISBN 978-0-312-34004-9
  • Macklin, Graham. Chamberlain. [S.l.]: Haus Books, 2006. ISBN 978-1-904950-62-2
  • Meynell, Wilfrid. Benjamin Disraeli: an unconventional biography. [S.l.]: Hutchinson & Co, 1903. vol. 1.
  • Self, Robert. Neville Chamberlain: A Biography. [S.l.]: Ashgate, 2006. ISBN 978-0-7546-5615-9
  • Smart, Nick. The National Government. [S.l.]: St Martin's Press, 1999. ISBN 978-0-312-22329-8
  • Smart, Nick. Neville Chamberlain. [S.l.]: Routledge, 2010. ISBN 978-0-415-45865-8
  • Taylor, A. J. P.. English History, 1914–1945. [S.l.]: Oxford University Press, 1965.

Fontes online

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Aster, Sidney. The Origins of the Second World War. [S.l.]: Edward Arnold, 1997. 62–77 p. ISBN 978-0-340-67640-0
  • Aster, Sidney. (September 2002). "Viorel Virgil Tilea and the Origins of the Second World War: An Essay in Closure". Diplomacy and Statecraft 13: 153–74.
  • Bond, Brian. The Fascist Challenge and the Policy of Appeasement. [S.l.]: George Allen & Unwin, 1983. 197–207 p. ISBN 978-0-04-940068-9
  • Crozier, Andrew. Appeasement and Germany's Last Bid for Colonies. [S.l.]: Macmillan Press, 1988. ISBN 978-0-312-01546-6
  • Gilbert, Martin. The Roots of Appeasement. [S.l.]: New American Library, 1966.
  • Goldstein, Erik. The Munich Crisis 1938: Prelude to World War II. [S.l.]: Frank Cass, 1999. 276–92 p. ISBN 978-0-7146-8056-9
  • Greenwood, Sean. The Origins of the Second World War Reconsidered: A.J.P. Taylor and the Historians. [S.l.]: Routledge, 1999. 225–46 p. ISBN 978-0-415-16325-5
  • Kennedy, Paul; Imlay, Talbot. In: Paul. The Origins of the Second World War Reconsidered: A.J.P. Taylor and the Historians. [S.l.]: Routledge, 1999. 116–34 p. ISBN 978-0-415-16325-5
  • McDonough, Frank. Neville Chamberlain, Appeasement and the British Road to War. [S.l.]: Manchester University Press, 1998. ISBN 978-0-7190-4832-6
  • McDonough, Frank. Hitler, Chamberlain and Appeasement. [S.l.]: Cambridge University Press, 2001. ISBN 978-0-521-00048-2
  • Stewart, Graham. Burying Caesar: Churchill, Chamberlain, and the Battle for the Tory Party. revised ed. [S.l.]: Phoenix, 2000. ISBN 978-0-7538-1060-6
  • Strang, Bruce. (1996). "Once More unto the Breach: Britain's Guarantee to Poland, March 1939". Journal of Contemporary History 31: 721–52.
  • Watt, D.C.. How War Came: The Immediate Origins of the Second World War, 1938–1939. [S.l.]: Heinemann, 1989. ISBN 978-0-394-57916-0
  • Weinberg, Gerhard. Hitler's Foreign Policy, 1933–1939: The Road to World War II. [S.l.]: Enigma Books, 2010. ISBN 978-1-929631-91-9
  • Wheeler-Bennett, John. Munich: Prologue to Tragedy. [S.l.]: Duell, Sloan and Pearce, 1948.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Neville Chamberlain
Precedido por
Stanley Baldwin
Primeiro-ministro do Reino Unido
19371940
Sucedido por
Winston Churchill
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.