O Grande Lebowski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
O Grande Lebowski
The Big Lebowski
O Grande Lebowski (PT/BR)
 Estados Unidos
1998 • cor • 118 min 
Direção Joel Coen
Ethan Coen (não creditado)
Roteiro Ethan Coen
Joel Coen
Elenco Jeff Bridges
John Goodman
Steve Buscemi
Julianne Moore
David Huddleston
Philip Seymour Hoffman
Género comédia
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Big Lebowski (br / pt: O Grande Lebowski) é um filme estadunidense de 1998, do gênero comédia, dirigido pelos Irmãos Coen.

Jeff Bridges estrela como Jeff Lebowski, um slacker e ávido jogador de boliche de Los Angeles, conhecido como "The Dude" ("O Cara"). Após um engano de identidades, The Dude é apresentado a um milionário que também se chama Jeffrey Lebowski. Quando a esposa desse milionário — o "Grande" Lebowski — é sequestrada, ele paga a The Dude para entregar o resgate e libertar sua mulher. O plano vai por água abaixo quanto Walter Sobchak (John Goodman), amigo de The Dude, arma para ficar com o dinheiro. Steve Buscemi, Philip Seymour Hoffman, David Huddleston, Julianne Moore, Tara Reid e John Turturro estrelam o filme, que é narrado por um cowboy, conhecido apenas como "Stranger" ("Estranho"), interpretado por Sam Elliott. O filme conta ainda com a participação de Flea, baixista da banda Red Hot Chili Peppers, em um papel secundário.

O filme é espontaneamente baseado no livro The Big Sleep, do escritor estadunidense Raymond Chandler.[1] A trilha sonora original foi composta por Carter Burwell, colaborador de longa data dos Irmãos Coen. The Big Lebowski não obteve grande bilheteria nos Estados Unidos, recebendo críticas mistas à época de seu lançamento. Tais resenhas tenderam a melhorar com o passar do tempo, à medida que o filme adotou um status cult[2] — o que rendeu, inclusive, a criação de uma religião em homenagem à Lebowski, o "Dudeísmo"[3] —, notado por suas personagens idiossincráticas, sequências de fantasia, diálogos pouco convencionais e trilha sonora eclética.[4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história se passa no início dos anos 1990, época da primeira Guerra do Golfo. Jeffrey Lebowski é um desempregado convicto, que vive ociosamente em Venice (Califórnia), com atitude de hippie anacrônico. Ele chama a si mesmo de "The Dude" (algo como "O Cara", no Brasil). Quando não está em seu apartamento quase vazio, ouvindo no walkman canções do Creedence ou fumando ervas exóticas e ingerindo ácido, ele participa de um campeonato de boliche. Seus parceiros são o veterano do Vietnã, Walter Sobchak, neurótico e divorciado, e "Donny", um grande jogador do esporte mas que ninguém deixa falar e que depois descobre-se que ele possui problemas cardíacos.

A rotina de "The Dude" é mudada quando desconhecidos invadem seu apartamento em busca de dinheiro devido pela sua "esposa" Bunny. E como não conseguem nada, um deles urina em seu tapete. Dude fica furioso, pois tinha orgulho desse tapete. E quando descobre quem era que os cobradores estavam atrás, um milionário com o mesmo nome que o seu, e que ele passa a chamar de "O Grande Lebowski", vai atrás dele buscando compensação do seu prejuízo. O milionário não lhe dá nada, então ele rouba um dos tapetes da mansão e leva para o seu apartamento. Na saída, ao passar pela piscina, ele conhece rapidamente Bunny, a esposa caloteira do "Grande Lebowski".

Algum tempo depois, "O Grande Lebowski" lhe telefona e pede sua ajuda para entregar 1 milhão de dólares como resgate pelo sequestro da esposa Bunny. Dude conta a seus amigos que acha que o sequestro é uma farsa, que Bunny planejou para ficar com o dinheiro do marido, pois ela devia para a cidade toda. Então o amigo de Dude, Walter, elabora um plano que consiste em desmascarar os sequestradores e ficar com o dinheiro sem que o Grande Lebowski saiba. Mas sendo eles uma dupla de "errados", o plano não dá certo e Dude começa a sofrer as consequências.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

As canções originais do filme foram compostas por Carter Burwell, um veterano de todos os filmes dos Irmãos Cohen. Há também várias canções antigas, ouvidas intermitentemente, como por exemplo "Tumbling Tumbleweeds" de Bob Nolan que está nas cenas do Estranho que narra o filme. Ou "Lujon", de Henri Mancini e Jackie Treehorn. Os sequestradores niilistas são acompanhadas por canções tecno e Jeff Bridges por Creedence.

Lista das músicas do álbum do filme[editar | editar código-fonte]

  1. "The Man in Me" — composta e cantada por Bob Dylan
  2. "Her Eyes Are A Blue Million Miles" — composta e cantada por Captain Beefheart
  3. "My Mood Swings" — composta por Elvis Costello e Cait O'Riordan; cantada por Costello
  4. "Ataypura" — escrita por Moises Vivanco; cantada por Yma Sumac
  5. "Traffic Boom" — escrita e cantanda por Piero Piccioni
  6. "I Got It Bad & That Ain't Good" — escrita por Duke Ellington e Paul Francis Webster; cantada por Nina Simone
  7. "Stamping Ground" — escrita por Louis T. Hardin; cantada por Moondog com orquestra
  8. "Just Dropped In (To See What Condition My Condition Was In)" — escrita por Mickey Newbury; cantada por Kenny Rogers & The First Edition
  9. "Walking Song" — composta e cantada por Meredith Monk
  10. "Glück das mir verblieb" de Die tote Stadt — escrita e conduzida por Erich Wolfgang Korngold; cantada por Ilona Steingruber, Anton Dermota e o Austrian State Radio Orchestra
  11. "Lujon" — escrita e tocada por Henry Mancini.
  12. "Hotel California" — escrita por Don Henley, Glenn Frey e Don Felder; tocada por The Gipsy Kings
  13. "Technopop" — escrita e tocada por Carter Burwell
  14. "Dead Flowers" — escrita por Mick Jagger e Keith Richards; cantada por Townes van Zandt

Outras canções ouvidas no filme[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stone, Doug (9 de março de 1998). The Coens Speak (Reluctantly) (em inglês). indieWire. Página visitada em 26 de junho de 2011.
  2. Tobias, Scott. The New Cult Canon - The Big Lebowski (em inglês). avclub.com. Página visitada em 26 de junho de 2011.
  3. Walters, Ben (20 de janeiro de 2010). Dudeism, the faith that abides in The Big Lebowski (em inglês). The Guardian. Página visitada em 26 de junho de 2011.
  4. Hey Dude: The Lebowski Festival (em inglês). The Independent (15 de agosto de 2007). Página visitada em 26 de junho de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]