Públio Servílio Vácia Isáurico (cônsul em 79 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Públio Servílio Vácia Iáaurico
Publius Servilius Vatia Isauricus
Pretor romano
Período de governo 84 a.C.
Senador
Período de governo 79 a.C.55 a.C. (ou mais tarde)
Cônsul
Período de governo 79 a.C. (com Ápio Cláudio Pulquer)
Antecessor(a) Lúcio Cornélio Sula e Quinto Cecílio Metelo Pio
Sucessor(a) Marco Emílio Lépido e Quinto Lutácio Catulo
Procônsul da província da Cilícia
Período de governo 80 a.C.74 a.C.
censor
Período de governo 55 a.C.
Vida
Nascimento 134 a.C. ou 130 a.C.
Morte 44 a.C.
Roma
Progenitores Mãe: Cecília Metela
Pai: Caio Servílio Vácia (pretor)

Públio Servílio Vácia Isáurico (em latim: Publius Servilius Vatia Isauricus; 134 a.C.Roma, 44 a.C.) foi um político da República Romana.

Era sobrinho de Quinto Cecílio Metelo Macedônico e foi o pai de Públio Servílio Vácia Isáurico, cônsul em duas ocasiões, em 48 a.C. e em 41 a.C., e de uma filha de nome Servília.

Em 100 a.C. pegou em armas juntamente com o resto do partido senatorial contra Lúcio Apuleio Saturnino.

Em 79 a.C. foi nomeado senador e cônsul conjuntamente com Ápio Cláudio Pulcro pelo ditador Lúcio Cornélio Sula.

Terminado o seu consulado, em 80 a.C. foi nomeado procônsul da província da Cilícia, no sul do que é hoje a Turquia, com ordens de combater os piratas que assolavam a região. Conseguiu vencer os piratas no mar e obriga-os a abandonar os portos, mas eles refugiaram-se nas montanhas, onde se juntaram aos isáurios, um povo famoso pelas suas pilhagens. Seguiu-se uma guerra muito difícil para as tropas romanas, obrigadas a defrontar um inimigo que conhecia bem as montanhas onde combatia, os Montes Tauro. Como comandante enérgico e resoluto que era, Públio tomou rapidamente a cidade de Olimpos, na Lícia, no sopé do monte homónimo. Seguidamente cerca Faselis, defendida por Zeniceto, que vendo-se incapaz de defender a cidade, a incendiou e lançou-se ao fogo com os seus homens. Após ter tomado aos rebeldes todas as cidades costeiras, comandou o que foi a primeira travessia do Tauro por um exército romano e dirigiu-se ao interior com a intenção de conquistar Isaura, a capital dos isáurios, o que consegue desviando o curso do rio que abastecia de água a cidade. Foi aclamado imperator pelas suas tropas devido aos seus feitos. Após ter organizado a administração da província da Cilícia, retornou a Roma, onde foi aclamado em triunfo em 74 a.C. e lhe foi concedido o cognome de Isáurico.[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9]

Públio foi um dos senadores de Roma mais eminentes do seu tempo e Cícero cita-o frequentemente nos seus escritos. Foi um dos juizes do processo contra Caio Verres, o tirânico governador da Sicília, e apoiou a nomeação de Cneu Pompeu Magno como comandante supremo no combate aos piratas do Mediterrâneo, que se tinham refeito rapidamente dos reveses sofridos na Cilícia frente a Públio.

Em 63 a.C. candidatou-se a pontífice máximo (pontifex maximus), mas foi derrotado por Júlio César, que tinha servido às suas ordens nas guerras contras os piratas na Cilícia. No mesmo ano, apoiou Cícero na repressão à conjura de Catilina e pediu ao senado a condenação à morte dos conjurados. Em 55 a.C. encontrou-se entre os que apoiaram o retorno de Cícero do exílio. No mesmo ano foi eleito censor juntamente com Marco Valério Messala Níger.

Não participou na Segunda Guerra Civil, provavelmente devido à idade avançada. Morreu em Roma em 44 a.C.

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tito Lívio, Epítome, 90, 93.
  2. Paulo Orósio, v. 23
  3. Lúcio Aneu Floro, iii. 6.
  4. Eutrópio, vi. 3
  5. Estrabão, xiv. pp. 667, 671.
  6. Sexto Júlio Frontino, Stratagemata. iii. 7. § 1
  7. Cícero, Verrinas. i. 21, iii. 90, v. 26, 30, de Leg. Agr. i. 2, ii. 19
  8. Valério Máximo. viii. 5. § 6.
  9. Drumann, GescUchte Roms, vol. iv. pp. 396, 397.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Metello, Manuel Dejante Pinto de Magalhães Arnao; Metello de Nápoles, João Carlos. "Metellos de Portugal, Brasil e Roma: Compilações genealógicas (em <código de língua não-reconhecido>). Lisboa: Nova Arrancada, 1998. 247 pp. ISBN 978-9728369187. (na Open Library).
Precedido por:
Lúcio Cornélio Sula e Quinto Cecílio Metelo Pio
Cônsul da República Romana
com Ápio Cláudio Pulcro

79 a.C.
Sucedido por:
Marco Emílio Lépido e Quinto Lutácio Catulo