Isáuria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Isáuria aparece à direita neste mapa de 1903.

Isáuria (em grego: Ἰσαυρία; transl.: Isayría) é o nome antigo de uma zona acidentada e isolada no sul da Ásia Menor cujas fronteiras variaram muito, mas geralmente cobrindo grande parte do que é hoje a parte sul da província de Konya da Turquia, na parte norte dos Montes Tauro e terras adjacentes.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Deriva seu nome de uma contenciosa tribo isáuria (provavelmente os luvitas) e dos assentamentos gêmeos de Antiga Isáuria ( (em grego: Ίσαυρα Παλαιά; transl.: Isauria Palaea; em latim: Isaura Vetus) e Isáuria Nova (em grego: Ίσαυρα Νέα; transl.: Isaura Nea; em latim: Isaura Nova). Os isáurios eram um povo montanhês ferozmente independente que provocaram o caos nos distritos vizinhos durante os períodos romano e macedônio.

Geografia e período pré-romano[editar | editar código-fonte]

O núcleo permanente da Isáuria estava ao norte dos Montes Tauro, diretamente ao sul de Icônio (Konya) e Listra. A Licônia tinha todas as planícies icônias, mas a Isáuria começava logo no sopé das montanhas. Suas duas cidades originais, Antiga Isáuria e Nova Isáuria, localizavam-se uma entre os montes (Doria) e outra na bacia (Zengibar Kalesi).

No século IV a.C., a Isáuria começou como terminaria, e tornou-se um distrito selvagem na região de Antiga Isáuria e na fonte do Calicádno (Calicadnus; atual Rio Göksu). Quando sua capital, Isáuria (a Isauria Vetus), uma cidade fortemente fortificada no sopé do monte Tauro, foi cercada por Pérdicas, o regente macedônico depois da morte de Alexandre, o Grande, os isáurios preferiram incendiá-la a ter que se submeter.

Dominação romana[editar | editar código-fonte]

Provincia Isauria
Província da Isáuria
Província do(a) Império Bizantino

293–Séc. XI
Location of Isáuria
A Isáuria é a mais ocidental das províncias da Diocese do Oriente (ca. 400)
Capital: Selêucia Isáuria
Período : Antiguidade Tardia
 -  Reformas de Diocleciano 293
 -  Guerra Isáuria 492-497
 -  Conquistada pelos seljúcidas Séc. XI

Quando os romanos se encontraram pela primeira vez com os isáurios no início do [[século I a.C.|século I a.C.]], eles consideraram a Cilícia Trachea como parte da Isáuria, estendendo-a desta forma até o mar Mediterrâneo e esta ampliação do nome da região continuou a ser usada por mais dois séculos. Toda a bacia do Calicádno (Calicadnus) era considerada parte da Isáuria e as cidades no vale de seu ramo meridional formavam o que ficou conhecida como a "Decápolis Isáuria".

Os isáurios foram parcialmente dominados (76–75 a.C.) pelos romanos. Durante a guerra da Cilícia e outros piratas contra Roma, eles tiveram um papel tão ativo que o procônsul Públio Servílio considerou necessário segui-los até seus redutos acidentados para conseguir submetê-los, uma façanha que lhe valeu o título de Isáurico (75 a.C.).

Os isáurios foram posteriormente submetidos a Amintas, rei da Galácia, mas é evidente que eles continuaram a manter seus hábitos predatórios além de uma virtual independência. No século III, eles abrigaram o imperador rebelde Treboniano Galo.

No inicio do século IV toda a Cilícia foi dividida por ordem de Diocleciano por motivos administrativos, da encosta norte do Tauro, e encontramos uma província chamada inicialmente de Isáuria-Licônia e, mais tarde, somente Isáuria, que se estendia até os limites da Galácia, mas que não passava do Tauro para o sul. A Pisídia, que até então estava unida à Isáuria, também foi separada e recebeu Icônio. Em compensação, a Isáuria recebeu a parte oriental da Panfília.

No século IV a Isáuria ainda foi descrita por Amiano Marcelino como o flagelo das províncias vizinhas da Ásia Menor e relata uma grande campanha de raides entre 404 e 409, seguida de uma campanha para erradicá-los liderada pelo general Arbazácio, mas os isáurios só seriam efetivamente subjugados no reinado de Justiniano I

Este povo relativamente obscuro, produziu dois imperadores bizantinos, Zenão I, cujo nome nativo era Trascalisseu Rusumbladeota (Traskalisseus Rousoumbladeotes) e Leão III, o Isáurio, que ascendeu ao trono de Constantinopla, em 717 e reinou até 741, fundando uma dinastia de três gerações. O império utilizou isáurios como soldados, generais e, em certo momento, eles chegaram até mesmo a compor a guarda pessoal do imperador, os excubitores. Contudo, a população de Constantinopla sempre os considerou bárbaros e o imperador Anastácio I Dicoro teve que lutar uma longa guerra contra rebeldes isáurios, a Guerra Isauriana (492-497).

Apesar da resistência, a Isáuria foi conquistada em 1071 pelo Sultanato Seljúcida de Rum ("romanos" em turco, que é como eles chamavam os bizantinos). Quando ele ruiu, o território passou para o controle do Beilhique de Karaman. Finalmente, a região foi conquistada em 1390 pelo emergente Emirado Otomano. A Isáuria foi uma das primeiras regiões assentadas pelos turcos na Anatólia e a população local, já bastante esparsa por causa das constantes guerras turco-bizantinas e pelos repetidos saques durante as Cruzadas, se converteu ao islamismo[1] .

História posterior[editar | editar código-fonte]

A Isáuria tem muitas ruínas de cidades e suas fortificações. As de Antiga Isáuria são notavelmente importantes graças ao seu excelente estado de conservação e por suas importantes fortificações e tumbas. As de Isáuria Nova desapareceram por completo, mas diversas inscrições e monólitos esculpidos nas casas de Dorla nos revelam sua posição. Foi esta última e não a primeira que Públio Servílio conquistou cortando o abastecimento de água. John Robert Sitlington Sterrett explorou o planalto em 1885, mas sua busca não foi exaustiva. O local foi identificado por William Mitchell Ramsay em 1901.

Ramsay descobriu ali mais de cinquenta inscrições em grego, a maioria da era cristã, bem como magníficos túmulos [2] dos séculos III, IV e V. Epitáfios de três bispos foram encontrados, Teófilo, Sisamoas e Mamas, que viveram entre os anos 250 e 400. Três outros bispos também são conhecidos, Hilário (381), Calístrato (um pouco mais tarde) e Aécio (451).[3] , este último também ostentando o título de Isaurópolis, o nome de uma cidade que também figurava no "Synecdemus" de Hiérocles.[4] Como nenhuma "Notitiae episcopatuum" menciona Isáuria ou Isaurópolis, Ramsay supõe que a diocese da Nova Isáuria teria se juntado com a de Leontopolis, um nome mais recente de Antiga Isáuria mencionada em todos os "Notitiae".

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província e que aparecem no Annuario Pontificio como sés titulares são[5] :

  • Adrasos (Meluos? Balabolu?)
  • Anemúrio
  • Antioquia Parva
  • Cardabunta
  • Celenderis (Aydıncık, Mersin)
  • Claudiópolis na Isáuria (Mut)
  • Codaca
  • Corópisso
  • Dalisando na Isáuria (em Sinabiç)
  • Diocesareia na Isáuria (cidade antiga de Olba)
  • Domeciópolis
  • Filadélfia Menor (na região de Cetis)
  • Germanicópolis
  • Heliosebasteia (Ayaş)
  • Hierápolis na Isáuria
  • Irenópolis na Isáuria
  • Iotapa na Isáuria (Beysekci kalesi)
  • Lamo
  • Lauzado (Lavdhâ)
  • Meloë na Isáuria (Agaliman, Melstepe?)
  • Musbanda
  • Neápolis na Isáuria (ruínas de Kannedeli Fol?)
  • Néfelis (ruínas de Sebast-Güsle? Sevasti-Yayla?)

Referências

  1. Bescherelle: Dicionário Enciclopédico
  2. Ramsay, Studies in the History and Art of the Eastern Provinces of the Roman Empire (Aberdeen, 1906), 25-58
  3. Lequien, "Oriens christ.", I, 1085
  4. ed. Parthey, 675, 12
  5. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013