Rebelião tuaregue (2007-2009)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rebelião tuaregue (2007-2009)
Parte da(o) Rebeliões Tuaregues
AgadezMNJattacks0807.png
Mapa dos ataques
Data Fevereiro de 2007 – Fevereiro/Maio de 2009
Local Norte do Níger e Nordeste do Mali
Desfecho
Status Acordos de paz de agosto de 2008/fevereiro de 2009 no Mali. Integração dos rebeldes nas forças armadas.
Cessar-fogo e anistia em maio de 2009 no Níger.
Combatentes
Níger Niger
Mali Mali
Niger:Movimento para a Justiça no Níger
Frente das Forças para Retificação (cisão de 2008)
Frente Patriótica Nigerina (cisão de 2009)


Mali:Grupo 23 de Maio

ATMNC, (cisão de 2008)
Principais líderes
Níger Niger: Mamadou Ousseini, Chefe do Estado Maior do Exército Niger: Aghaly ag Alambo

Mali: Ibrahim Ag Bahanga
Hassan Fagaga

Forças
Niger: 4,000 to 12,000[1]

Mali: desconhecido

Niger: 500-2,000

Mali: 165-400+[2]

Rebeldes em fevereiro de 2008.

A rebelião tuaregue de 2007-2009 foi uma insurreição que começou em fevereiro de 2007 entre os elementos do povo tuaregue que vivem nas regiões do norte do deserto do Saara, no Mali e Níger.

As populações dispersas para a Argélia e Líbia, bem como para o sul do Níger e Mali, na década de 1990, retornaram apenas no final de 1990. O conflito ocorreu devido ao processo de desmobilização e integração dos rebeldes na vida civil ou às forças armadas de seus respectivos países sendo lento e insatisfatório, e o fato de alguns políticos tuaregues integrados aos governos perderem seus cargos, acabando alguns na prisão. Entre 2005 e 2006, começaram a lutar no Mali, mas logo chegaram a um acordo de paz.

Mas no início de 2007, a ​​rebelião foi generalizada em ambos os estados, tornando-se confrontos simultâneos em ambos. A guerra de guerrilha e a repressão militar provocou um êxodo em massa de refugiados para as capitais regionais, Kidal, no Mali e Agadez, no Níger, nessas duas regiões onde houve o desenvolvimento da maioria dos combates. A Argélia ajudou a negociar um cessar-fogo em outubro de 2008 para o Mali, mas uma facção rebelde rompeu-o em dezembro, logo sendo esmagada pela deserção e a colaboração de outras guerrilhas com o exército em fevereiro do próximo ano.

O Níger viu intensos combates e a interrupção da produção de urânio no norte montanhoso, antes de um acordo de paz apoiado pela Líbia, com a ajuda de uma divisão entre as facções dos rebeldes, trouxe um cessar-fogo negociado e a anistia em maio de 2009.


Grupos rebeldes[editar | editar código-fonte]

Organização Forças Nota
Niger 5.000-7.000 (2004)[3]
3.000 rebeldes (2007)[4]
3.000 rebeldes (2009)[5]
-
MNJ 700-2.000 (2007)[6] Fundado em 2007, liderado por Aghali Ag Alambo e Mohamed Acharif.
Formado por membros do antigo FLAA.
Aliado das FARS e ADC.
Sua base estava nas Air.
FFR - Facção separada do MNJ em 2008.
NPF - Facção separada do MNJ em 2009.
FARS - Grupo tubu formado em 2006 e liderado por Boubakar Mohamed Sogoma desde 2008.
Mali 3.000-10.000 (2004)[3]
ADC - Liderado por Ibrahim Ag Bahanga.
Fundado em 2006 se desmobilizou em 2008.
ATNMC - Facção separada em 2008 do ADC, derrotada em 2009.
Liderado por Hassan Fagaga.

Posteriormente, em 2011, durante a Guerra Civil na Líbia, o governo de Muammar Gaddafi contratou cerca de 200[7] [8] a 4.000[9] mercenários deste grupo étnico do Mali (e em menor grau, Argélia, Níger e Burkina Faso)[10] de acordo com vários relatórios.


Referências

  1. See Military of Niger. 12,000 total forces, 4,000 reported deployed to areas of fighting, Dominique Derda. La révolte des hommes bleus. Le Nouvel Observateur. 26 July 2007.
  2. La nouvelle Alliance Touareg du Niger et du Mali (ATNM). Interview with Hama Ag Sidahmed, 13 October 2007, occitan-touareg (France).
  3. a b David J. Francis (2005). Civil Militia: Africa's Intractable Security Menace?. Burlington: Ashgate Publishing, Ltd., pp. 121. ISBN 978-0-75464-452-1.
  4. Niger | Child Soldiers Global Report 2008
  5. In Niger, On The Trail Of Gaddafi's African Mercenaries - Worldcrunch - All News is Global 24 de marzo de 2011.
  6. Anuario 2009 de los Procesos de Paz. ECP pp.28-34
  7. BBC News - Tuaregs 'join Gaddafi's mercenaries' 4 de marzo de 2011. Consultado el 1 de septiembre de 2011.
  8. Gaddafi hiring Tuareg warriors as mercenaries in Libya reports - International Business Times 4 de marzo de 2011. Consultado el 1 de septiembre de 2011.
  9. Libya: Gaddafi and his Mali-Chad Tuareg mercenaries - Afrik-news.com Africa news, Maghreb news - The african daily newspaper 24 de marzo de 2011. Consultado el 1 de septiembre de 2011.
  10. Gaddafi recruits 800 Tuareg mercenaries - Region - World - Ahram Online 3 de marzo de 2011. Consultado el 1 de septiembre de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Emerson, Stephen A.. (2011). "Desert insurgency: lessons from the third Tuareg rebellion". Small Wars & Insurgencies 22 (4): 669–687. DOI:10.1080/09592318.2011.573406.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]