Shikoku

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde abril de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Xicocu[1]
Japan shikoku map small.png
Localização de Xicocu a castanho
Geografia física
País Japão
Ponto culminante Monte Ishizuchi, 1 982 m
Área 18 783 km²  km²
Geografia humana
População 4 154 039
Densidade 221,16 hab./km²
Kochi Castle 03.JPG
Castelo de Kochi

Shikoku ou Xicocu[2] (四国 ? "quatro provícias") é a menor e menos populosa das quatro ilhas principais do arquipélago japonês, sendo a 50ª maior ilha do mundo em área. Está localizada a sul da ilha de Honshu e a leste da ilha de Kyushu, sendo formada por quatro províncias:

A ilha possui conexão com a ilha principal de Honshu por ar e balsa, e desde 1988, pela Ponte Seto-Ohashi. Montanhas cortam a ilha ao meio, dividindo-a em uma região norte, que é voltada para o mar interior e onde se localizam as maiores concentrações populacionais da ilha, e uma região sul voltada para o Oceano Pacífico, com baixa densidade populacional e que concentra a agricultura de vegetais em estufa.

Dados[editar | editar código-fonte]

Shikoku e sua relação com o mar interior e Honshu

População: 4 154 039

Área: 18 783 km²

Densidade Demográfica: 221,16 habitantes por quilômetro quadrado

Maior Cidade: Matsuyama

Ponto Mais Alto: Monte Ishizuchi

O nome da ilha de Shikoku vem de "quatro províncias": Sanuki, Awa, Tosa e Iyo. É uma ilha montanhosa, exceto nas planícies, à volta do mar interior e das costas do Pacífico. A parte norte da ilha faz parte do cinturão industrial do mar interior de Seto. Na parte sul da ilha, produzem-se citrinos, madeira para construção e existe atividade pesqueira. A estação de plantio é muito longa, 260 dias.

Hikoku é um local de antiga peregrinação, que ainda hoje se mantém, em honra do monge budista Kukai(774–835). A maior parte do interior de Seto é considerado parque nacional. Tem zonas de grande beleza, com praias de areia branca, ilhas com pinheiros, rochas escarpadas e santuários como os de Itsukushima, que parecem flutuar nas ondas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A região de Shikoku, compreendendo a ilha principal e suas pequenas ilhas em volta, cobre uma área aproximada de 18800 km2, sendo formada por quatro províncias: Ehime, Kagawa, Kochi e Tokushima. Do outro lado do mar interior, estão as províncias de Wakayama, Osaka, Hyogo, Okayama, Hiroshima e Yamaguchi, na ilha de Honshu. Ao oeste, encontra-se Oita e Miyazaki, em Kyushu.

A 50ª maior ilha do mundo em área, Shikoku é menor que a Sardenha e a Ilha do Bananal, mas maiores que Halmaera e Seram. Pela população, ocupa a 23ª posição, tendo menos habitantes que a Sicília ou Singapura, mas mais do que Porto Rico ou a ilha de Negros.

Montanhas cruzam Shikoku de leste a oeste, dividindo a ilha em uma estreita região norte, de frente para o mar interior, e uma outra região ao sul de frente para o Oceano Pacífico. A maioria de seus 4 500 000 habitantes vivem no norte, e todas exceto uma das grandes cidades estão localizadas ali. O Monte Ishizuchi (石鎚山?), em Ehime, com 1 982 metros, é a mais alta montanha da ilha. Indústrias são bem razoavelmente desenvolvidas, incluindo o processamento de minérios, principalmente de cobre. A terra é usada intensivamente. Nas áreas aluviais amplas, especialmente na região oriental, cultiva-se o arroz, além do trigo e da cevada no inverno. As frutas são cultivadas em toda a região norte com grande variedade, incluindo frutas cítricas, pêssegos e uvas. Devido à produção de trigo, o Sanuki Udon (讃岐うどん?) tornou-se um importante item na alimentação dos provincianos de Kagawa (antiga província de Sanuki), no Período Edo.

A parte sul da ilha é montanhosa e pouco povoada. A única região plana de tamanho significativo é a planície aluvial em Kochi (cidade), a capital da província. Os invernos suaves da região estimulam a agricultura, especialmente o cultivo de vegetais de fora de estação na estufas. Duas safras de arroz podem ser cultivadas anualmente na região sul. A indústria de celulose e papel leva vantagem pelas florestas abundantes e a energia hidroelétrica.

O maior rio de Shikoku é o rio Yoshinogawa. Ele corre 196 quilômetros de sua nascente perto do Monte Ishizuchi, cortando de oeste a leste a parte norte das províncias de Kochi e Tokushima, alcançando o mar na cidade de Tokushima. O Yoshino é famoso por ser o melhor rio de rafting do Japão.

Shikoku tem quatro importantes cabos. Gamoda, em Anan, Tokushima, é o ponto mais a leste da ilha e Sada, em Ikata, Ehime é o ponto mais a oeste. Muroto, em Kochi e Ashizuri, os pontos mais ao sul de Shikoku, junto com Tosashimizu, Kochi. O ponto mais ao norte é Takamatsu, Kagawa. Ao contrário das outras três grandes ilhas do Japão, Shikoku não tem vulcões.[3]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Movimentos[editar | editar código-fonte]

O pioneiro do Método Fukuoka, Masanobu Fukuoka, autor de "A Revolução de uma Folha de Palha", desenvolveu seu método na fazenda de sua família, em Shikoku. O líder político Sakamoto Ryoma, nascido em Kochi, exerceu um importante papel na Restauração Meiji, defendendo um sistema político mais moderno para o país.

Tradições[editar | editar código-fonte]

Shikoku é também famosa por sua Peregrinação aos 88 Templos associados ao monge Kukai. Nos tempos modernos, os peregrinos frequentemente viajam de ônibus, raramente escolhendo o método antigo de andar a pé. Eles são vistos vestindo jaquetas brancas com os caracteres dōgyō ninin, que significa "dois viajando juntos".

Todos os anos, em agosto, a cidade de Kochi sedia o Festival de Yosakoi, um famoso evento que já se espalhou para outras províncias no Japão. No mesmo mês, a província de Kochi celebra o Awa Odori no festival de Obon, que atrai milhares de turistas todos os anos.

Províncias e Cidades[editar | editar código-fonte]

Anraku-ji em Kamita, Tokushima

A região de Shikoku é constituída de quatro províncias e 35 cidades :

Referências

  1. LEONARD, J. N. Japão Antigo. Tradução de Thomas Scott Newlands Neto. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 8,9.
  2. LEONARD, J. N. Japão Antigo. Tradução de Thomas Scott Newlands Neto. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 8,9.
  3. Biblioteca do Congresso Nacional Americano em inglês

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Japão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.