Spyware

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Spyware consiste em um programa automático de computador, que recolhe informações sobre o usuário, sobre os seus costumes na Internet e transmite essa informação a uma entidade externa na Internet, sem o conhecimento e consentimento do usuário.

Diferem dos or não terem como objetivo que o sistema do usuário seja dominado, seja manipulado, por uma entidade externa, por um cracker.

Os spywares podem ser desenvolvidos por firmas comerciais, que desejam monitorar o hábito dos usuários para avaliar seus costumes e vender este dados pela internet. Desta forma, estas firmas costumam produzir inúmeras variantes de seus programas-espiões, aperfeiçoando-o, dificultando em muito a sua remoção.

Por outro lado, muitos vírus transportam spywares, que visam roubar certos dados confidenciais dos usuários. Roubam dados bancários, montam e enviam registros das atividades do usuário, roubam determinados arquivos ou outros documentos pessoais.

Com frequência, os spywares costumavam vir legalmente embutidos em algum programa que fosse shareware ou freeware. Sua remoção era por vezes, feita quando da compra do software ou de uma versão mais completa e paga.

Traduzindo ao pé da letra, Spyware significa "aplicativo ou programa espião".

Adwares[editar | editar código-fonte]

Muitas vezes usa-se de forma genérica o termo spyware para os malware e adwares, que são programas indesejáveis. Costuma-se incluir os adwares no estudo dos spywares, pois assemelham-se na sua forma de infecção e na sua forma de desinstalação. Seriam como se fossem um sub-grupo dos spywares.

Os adwares são conhecidos por trazerem na tela propaganda indesejada e URL falsos, tais quais apareceram no seu histórico sem mesmo você visitar.

Como geralmente são firmas comerciais que os desenvolvem, é comum os adwares virem embutidos em diversos programas de livre download (freeware), com a autorização de seus autores.

O Kazaa oficial é um programa de compartilhamento de arquivos, sendo um exemplo do casamento de um software gratuito com adwares, pois estes lhe proporcionam uma fonte de renda.

Inicialmente os adwares procuravam exibir propagandas em janelas, chamados de banners, pequenas janelas de propagandas, embutidas em softwares de terceiros. Caso o usuário gostasse deste software, poderia adquirir uma versão mais avançada, paga, livre destas propagandas.

Posteriormente os adwares passaram a monitorar a atividade do usuário na internet, podendo desta forma mostrar propagandas personalizadas, além de enviar dados sobre hábitos do usuário a certos sites, tendo então funções de spyware e adware, de forma simultânea.

Mais adiante certos adwares passaram a exibir janela do tipo pop-up, pequena janela de propaganda solta pela tela, em vez de banners.

Um pouco mais a frente os adwares passaram a se instalar no navegador do usuário, acrescentando certas funcionalidades duvidosas, principalmente no Internet Explorer. Avanços (ou upgrades) no Internet Explorer, passaram a exigir o consentimento do usuário para a sua instalação.

Porém com o passar do tempo, os adwares sofisticaram-se, incluindo propagandas persistentes, com inúmeras variantes, onde a sua desinstalação passou a ser um tarefa bastante penosa ou mesmo impossível, sem uma ajuda externa. A insistência no aparecimento das propagandas e sua difícil desinstalação, levaram os usuários a classificá-los como pragas ou spywares e não mais como simples adwares.

Os adwares se sofisticaram, tornaram-se pragas. Produzem alterações no registro do Windows e depois somem ou se escondem para garantir que as alterações não sejam desfeitas, exigindo então não mais a ação de um antivírus ou de um simples anti-spyware, mas sim de um programa específico de conserto do registro.

Por vezes os adwares exibem propagandas pornográficas, falsas URL que podem infecção o sistema por vírus, falsa propaganda de venda de produtos e passaram também a causar um histórico mentiroso.

Suspeita-se que possam tornar o sistema do usuário aberto a ação de crackers,devido a falta de maiores cuidados na elaboração dos adwares.

Sua data de descoberta é desconhecida.

Ransomware[editar | editar código-fonte]

Os Ransomwares são softwares maliciosos que, ao infectarem um computador, criptografam todo ou parte do conteúdo do disco rígido. Os responsáveis pelo software exigem da vítima, um pagamento pelo "resgate" dos dados. Ransonwares são ferramentas para crimes de extorsão e são extremamente ilegais. O PC Cyborg Trojan, foi o primeiro código de um ransomware conhecido. Nomes de alguns Ransomwares conhecidos: Gpcode-B e PGPCoder

Contaminação[editar | editar código-fonte]

Eventualmente anexos de e-mails ou mensagens vindas de mensageiros como o MSN e o ICQ, também podem conter spywares. Firmas comerciais exploram maldosamente a curiosidade dos usuários e desenvolvem novas formas de transmissão e de instalação de spywares.

Recentemente uma grande parte dos spywares são assimilados pelo navegador, como plug-ins. O usuário deve ser cuidadoso ao instalar os diversos plug-ins disponíveis na internet.

Prevenção e Remoção[editar | editar código-fonte]

Os softwares anti-pestes, também denominados antispywares, são feitos para removê-los.

Antes de mais nada, verifique se a peste adicionou uma entrada em Adicionar ou remover programas, o que facilita a sua desinstalação. Certas pestes como alguns redirecionadores do Internet Explorer, disponibilizam ferramentas de remoção, no item suporte ou help na página redirecionada.

Atualmente recomenda-se a instalação de algum programa anti-peste (ou antispyware em inglês), pois como já foi comentado, certos softwares trazem consigo spywares ou adwares, ou mesmo o Internet Explorer pode ser contaminado por algum spywares, pois ainda não há certeza que ele possa ficar imune, das variadas formas de adwares desenvolvidos por firmas comerciais.

Ver também[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.