The Adventures of Robin Hood

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Adventures of Robin Hood
As Aventuras de Robin Hood (PT)
As Aventuras de Robin dos Bosques (BR)
 Estados Unidos
1938 • Technicolor • 102 min 
Realização 14 de maio de 1938
Direção Michael Curtiz
William Keighley
Produção Hal B. Wallis
Henry Blanke
Roteiro Norman Reilly Raine
Seton I. Miller
Elenco Errol Flynn
Olivia de Havilland
Patric Knowles
Basil Rathbone
Claude Rains
Género aventura
Idioma inglês
Música Erich Wolfgang Korngold
Cinematografia Tony Gáudio
Sol Polito
Edição Ralph Dawson
Distribuição Warner Brothers
Página no IMDb (em inglês)

The Adventures of Robin Hood (As Aventuras de Robin dos Bosques (título no Brasil) ou As Aventuras de Robin Hood (título em Portugal)) é um filme de aventura estado-unidense de 1938, dirigido por Michael Curtiz e William Keighley.

É considerado por muitos um dos maiores filmes de aventura de todos os tempos.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A conhecida história de Robin Hood (no Brasil Robin dos Bosques), bandoleiro que se rebela contra o Príncipe João, irmão e substituto injusto do rei Ricardo Coração de Leão. Robin é auxiliado por seu grupo de amigos, que inclui João Pequeno e Frei Tuck, e era namorado de Lady Marian.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Errol Flynn .... Robin Hood / Robin dos Bosques
Olivia de Havilland .... Lady Marian
Claude Rains .... Príncipe João
Basil Rathbone .... Guy of Gisbourne
Patric Knowles .... Will Scarlett
Eugene Paulette .... Frei Tuck
Alan Hale .... Little John
Melville Cooper .... xerife de Nottingham
Ian Hunter .... Rei Ricardo Coração de Leão
Una O'Connor .... Bess
Crauford Kent[1] .... Sir Norbert (não-creditado)

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1939 (EUA)

Outros Prêmios

  • Em 1995, o filme foi declarado "culturalmente, historicamente, ou esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos da América e selecionado para preservação pelo National Film Registry.
  • Em 2001, o filme recebeu o #84 no "The Best Films of All Time" em votação pelo Canal 4.
  • Em 2001, o filme figurou como #100 no “AFI's 100 Years… 100 Thrills”.
  • Em 2003, o personagem Robin Hood apareceu como Herói #18 Hero no “AFI's 100 Years... 100 Heroes and Villains”.
  • Em 2005, o filme apareceu como #11 no “AFI's 100 Years of Film Scores”.

Histórico da produção[editar | editar código-fonte]

Olivia de Havilland no trailer do filme.

Esse filme é uma refilmagem de Robin Hood, de 1922, e o seu orçamento foi de 1,9 milhão de dólares, o maior orçamento da Warner até então. Originalmente, seria James Cagney o protagonista de As Aventuras de Robin Hood, mas o rompimento de seu contrato com a Warner Bros. fez com que não apenas deixasse o filme, como também adiasse sua realização por três anos.

Outro ator a ser substituído foi o que interpretou Frei Tuck. Guy Kibbee era a primeira escolha dos produtores, mas o papel ficou com Eugene Paulette, um veterano do cinema. Entre os principais papéis de Paulette está o de Aramis, versão de 1921 de Os Três Mosqueteiros, com Douglas Fairbanks. Paulette também protagonizou o filme Intolerância de D. W. Griffith e interpretou um padre no filme A Marca do Zorro, de 1940.

Também houve mudanças na direção; Michael Curtiz substituiu o diretor William Keighley após os produtores assistirem a algumas cenas de ação já rodadas e acharem que faltava impacto a elas.

Alan Hale interpretou o papel de João Pequeno, e este foi o segundo de três filmes em que interpretou o mesmo personagem; os demais foram Robin Hood, de 1922, e Rogues of Sherwood Forest, de 1950.

A locação das cenas na floresta de Sherwood foi Bidwell Park, Chico, na Califórnia[3] , mas muitas cenas foram feitas nos Warner Bros. Burbank Studios e Warner Ranch, em Calabasas. O torneio de arqueiros foi filmado em Busch Gardens, Pasadena.

O especialista em seqüências de ação, B. Reeves Eason, orientou as tomadas de cena, e o campeão de arco-e-flecha Howard Hill foi quem cooperou com a famosa cena do torneio, cravando a flecha no meio da outra. As lutas foram orientadas por Fred Cavens, que ensinou Errol Flynn e Basil Rathbone a manejarem a espada, como fizera anteriormente, no filme Capitão Blood.[4]

Trigger (então chamado Golden Cloud) foi o cavalo montado por Olivia de Havilland no film; posteriormente foi comprado por Roy Rogers, que o tornou famoso.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Crauford Kent no IMDB
  2. ALBAGLI, Fernando. Tudo sobre o Oscar. [S.l.: s.n.], 1988. ISBN Edições Cinemin, p. 34-36.
  3. MATTOS, A. C. Gomes. Galeria de Estrelas: Errol Flynn. [S.l.: s.n.], 1985. ISBN Cinemin n. 15, pp. 24-25.
  4. Idem, ibidem, p. 25

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.