Amendoeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Amêndoa redireciona para este artigo. Para a freguesia portuguesa, veja Amêndoa (Mação). Para outros significados, veja Amendoeira (desambiguação).
Como ler uma caixa taxonómicaAmendoeira
Amendoeira em flor perto de Urueña, em Valladollid, na Espanha

Amendoeira em flor perto de Urueña, em Valladollid, na Espanha
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Divisão: Magnoliophyta
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Subfamília: Prunoideae
Género: Prunus
Subgénero: Amygdalus
Espécie: P. dulcis
Nome binomial
Prunus dulcis
(Mill.) D. A. Webb
Amêndoas
Mandorle sgusciate.jpg
Valor nutricional por 100 g (3,53 oz)
Energia 2408 kJ (580 kcal)
Carboidratos
Carboidratos totais 21.69 g
 • Amido 0.74 g
 • Açúcares 3.89 g
  • Lactose 0.00 g
 • Fibra dietética 12.2 g
Gorduras
Gorduras totais 49.42 g
 • saturada 3.731 g
 • monoinsaturada 30.889 g
 • poliinsaturada 12.070 g
Proteínas
Proteínas totais 21.22 g
 • Triptófano 0.214 g
 • Treonina 0.598 g
 • Isoleucina 0.702 g
 • Leucina 1.488 g
 • Lisina 0.580 g
 • Metionina 0.151 g
 • Cistina 0.189 g
 • Fenilalanina 1.120 g
 • Tirosina 0.452 g
 • Valina 0.817 g
 • Arginina 2.446 g
 • Histidina 0.557 g
 • Alanina 1.027 g
 • Ácido aspártico 2.911 g
 • Ácido glutâmico 6.810 g
 • Glicina 1.469 g
 • Prolina 1.032 g
 • Serina 0.948 g
Água 4.70 g
Vitaminas
Vitamina A 1 UI
- Betacaroteno 1 µg (0%)
- Luteína e Zeaxantina 1 µg
Tiamina (vit. B1) 0.211 mg (18%)
Riboflavina (vit. B2) 1.014 mg (85%)
Niacina (vit. B3) 3.385 mg (23%)
Ácido pantotênico (B5) 0.469 mg (9%)
Vitamina B6 0.143 mg (11%)
Ácido fólico (vit. B9) 50 µg (13%)
Colina 52.1 mg (11%)
Vitamina C 0 mg (0%)
Vitamina D 0 µg (0%)
Vitamina E 26.2 mg (175%)
Vitamina K 0.0 µg (0%)
Minerais
Cálcio 264 mg (26%)
Ferro 3.72 mg (29%)
Magnésio 268 mg (75%)
Manganês 2.285 mg (109%)
Fósforo 484 mg (69%)
Potássio 705 mg (15%)
Sódio 1 mg (0%)
Zinco 3.08 mg (32%)
Link to USDA Database entry
Percentuais são relativos ao nível de ingestão diária recomendada para adultos.
Fonte: USDA Nutrient Database
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Amendoeira

Prunus dulcis (antes classificada como Prunus amygdalus ou Amygdalus communis), popularmente conhecida como amendoeira, amêndoa-de-coco, amêndoa-durázio e amêndoa-molar[1], é uma árvore de folha caduca da família Rosaceae. A semente do seu fruto é geralmente considerada como um fruto seco: a amêndoa. Tal como o pessegueiro, pertence ao subgénero Amygdalus. Em Portugal, é frequente na região do Douro, Trás-os-montes e no Algarve.

Apesar de o termo amêndoa se referir ao fruto da amendoeira (Prunus dulcis), usualmente ele também é referido a sua semente, ou mesmo às sementes de outras variedades de amendoeiras. De tais sementes, são extraídos óleos e essências possuidores de propriedades medicinais e muito utilizados na indústria de cosméticos e na produção do licor amaretto[1].

A amendoeira é originária das regiões quentes e áridas do Oeste da Ásia, sendo levada, provavelmente, para a Grécia e Norte da África durante a época pré-histórica. Alguns autores, porém, consideram o Norte da África como local de origem desta espécie.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Amêndoa" provém do grego amygdále, através do latim amygdala[1]. Prunus dulcis, traduzido do latim, significa "ameixa doce"[2]. "Durázio" provém do latim duracinu, significando "duro"[3]. "Molar" provém do latim molare, "de moinho"[4].

Produção de amêndoa em Portugal[editar | editar código-fonte]

No Nordeste Transmontano, sobretudo nas terras da Terra Quente e do Douro Superior, mais para sul do distrito de Bragança, concentra-se a maior parte do amendoal português, 16 mil dos cerca de 24 mil hectares, e daqui sai 67 por cento da produção nacional de amêndoa. O volume de negócios gerado por este fruto seco em Trás-os-montes , ronda os oito milhões de euros por ano resultado de uma produção de cerca de duas mil toneladas, enquanto a vizinha Espanha, líder europeia de produção, colhe cerca de 220 mil toneladas por ano. [5]

Referências

  1. a b c FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp.103,104
  2. http://translate.google.com.br/
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.614
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 149
  5. Gazeta Rural n.º 225, 2 de junho de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Rosales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.