Lista de cobras peçonhentas do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crânios de serpentes peçonhentas das famílias Elapidae e Viperidae. Dentição proteróglifa (acima) e dentição solenóglifa (abaixo).

No Brasil, existem mais de 392 espécies de cobras, sendo que 63 espécies são consideradas peçonhentas.[1] Muitas espécies de cobras do Brasil são venenosas, mas apenas duas famílias são consideradas peçonhentas, dado sua capacidade de inocular o veneno: Elapidae e Viperidae.[2]

À família Elapidae pertencem dois gêneros Micrurus e Leptomicrurus, conhecidas popularmente por corais-verdadeiras.[2] A dentição dessas serpentes se caracteriza por ser do tipo proteróglifa, com presas pequenas localizadas anterioramente na maxila e de tamanho relativamente pequeno e imóveis.[2] Já à família Viperidae pertencem os gêneros Bothrocophias, Bothrops (conhecidos popularmente por jararacas, jararacuçus, urutus ou caissacas), Crotalus (conhecido popularmente por cascavéis) e Lachesis (a sururu ou pico-de-jaca).[2] A dentição é do tipo solenóglifa, com presas inoculadoras localizadas anteriormente na maxila, se projetando num ângulo de 90º no momento do bote.[2] Para identificar as serpentes peçonhentas brasileiras, pode-se utilizar as seguintes características:[2][3]

  • Família Elapidae (Micrurus e Leptomicrurus, corais-verdadeiras): medem de 20 cm a quase um metro e meio e possuem olhos pequenos com pupilas redondas, escamas do corpo lisas e padrão de coloração composto por anéis coloridos (preto, vermelho, branco ou amarelo, sendo que algumas espécies da Amazônia não apresentam esse padrão).[4] São de hábitos terrícolas e fossoriais, e pouco agressivas, não dando bote, sendo perigosas apenas quando manuseadas. Muitas espécies não venenosas mimetizam as corais-verdadeiras e a única forma de se identificar com precisão uma coral é pela dentição, que é do tipo proteróglifa;
  • Família Viperidae: todas possuem fosseta loreal (exclusiva dos viperídeos), pupila vertical, escamas quilhadas e dentição solenóglifa. Os gêneros que ocorrem no Brasil podem ser diferenciados da seguinte maneira;
    • Gêneros Bothrocophias e Bothrops (jararacas e urutus): ponta da cauda lisa, sem guizo (chocalho);
    • Gênero Crotalus (cascavel): possui chocalho na ponta da cauda;
    • Gênero Lachesis (surucucu): escama final da cauda em forma de espinho e escamas do corpo lembrando a casca de uma jaca.
A jiboia-verde (Corallus caninus) é uma cobra não venenosa confundida com a jararaca-verde (B. bilineatus), tendo o mesmo nome popular.

Essas famílias de serpentes são facilmente identificadas, apesar da confusão gerada por chaves de identificação baseadas em espécies do Velho Mundo e América do Norte. Características como cabeça triangular, cauda que afila abruptamente e pupilas verticais (também presentes nas jiboias, que não são venenosas); anéis que dão a volta completa ao redor do corpo em espécies com padrão de coral (tanto as corais-verdadeiras quanto as falsas-corais possuem esse padrão) tal como padrão de coloração (não é possível dar um padrão básico do arranjo de cores nas corais); desenhos em forma de triângulo na lateral do corpo (presentes em inúmeras espécies que mimetizam as jararacas); não são características seguras na identificação das serpentes peçonhentas no Brasil.[3]

Basicamente, a identificação do gênero já é de grande utilidade para o usuário leigo. Deve-se salientar que os nomes populares são problemáticos na identificação das espécies de serpentes, dado que muitas vezes eles se referem a inúmeras espécies não venenosas: como é o caso, por exemplo, do nome bico-de-papagaio ou papagaia, que pode se referir à jararaca-verde (Bothrops bilineatus) que é peçonhenta, ou à jiboia-verde (Corallus caninus), não peçonhenta.[5] Em alguns casos, como a surucucu (Lachesis muta) e a cascavel (Crotalus durissus) os nomes são bastante específicos, mas geralmente, principalmente por conta da aversão que as pessoas têm com cobras, nomes como jararaca ou surucucu são aplicados indiscriminadamente para qualquer espécie, mesmo quando não são peçonhentas.[3]

Acidentes ofídicos no Brasil[editar | editar código-fonte]

As peçonhas têm como função imobilizar a presa, assim como pré digeri-la, além de eventualmente serem utilizadas na defesa. Elas são misturas complexas de substâncias orgânicas e inorgânicas.[3] Entre os componentes orgânicos, destacam-se as proteínas, algumas das quais são enzimas, carboidratos, lipídios, nucleotídeos, aminoácidos e peptídeos.[3] E entre as substâncias inorgânicas, as mais freqüentemente encontradas são cálcio, cobre, ferro, potássio, magnésio, sódio, fósforo, cobalto e zinco.[3] Esses componentes químicos são os responsáveis pelas atividades biológicas dos venenos, destacando-se atividades neurotóxicas, miotóxicas, coagulantes e hemorrágicas.[3] Essas atividades são muitas vezes específicas dos gêneros e provocam sintomas típicos de cada acidente ofídico, permitindo a identificação de pelo menos qual o gênero da espécie que picou o acidentado. Vale dizer que as substâncias que compõe os venenos dessas espécies podem ser utilizadas pelos seres humanos, como é o caso do veneno da jararaca-comum (Bothrops jararaca) que deu origem a dois medicamentos anti-hipertensivos como o captopril e o evasin (sigla em inglês para endogenous vasopeptidase inhibitor) e do veneno da cascavel (Crotalus durissus) que deu origem ao enpak (sigla em inglês para endogenous pain killer), um poderoso analgésico.[6]

Identificação de acidentes ofídicos do Brasil[2]
Acidente Gênero (s) Imagem Atividade biológica Porcentagem dos acidentes Sintomas
Botrópico Bothrocophias, Bothrops Bothrops alternatus in Brazil.jpg Proteolítica, Coagulante, Hemorrágica 90,5% Dor, sangramento no local da picada, edema que pode evoluir para todo o membro atingido, hemorragias, equimose, abscesso, necrose. Vítima pode morrer por insuficiência renal. Letalidade de 0,7%.
Laquético Lachesis Lachesis muta muta.jpg Proteolítica, Coagulante, Hemorrágica, Neurotóxica 1,4% Semelhante ao acidente botrópico, diferindo por conta de sintomas neurotóxicos: bradicardia, hipotensão arterial, sudorese, vômitos, náuseas, cólicas abdominais e diarréia. Esses últimos sintomas servem como diferencial para identificar o gênero da serpente. Pode matar por insuficiência renal. Letalidade de até 0,9%.
Crotálico Crotalus Cobra cascavel 280707- 23 04 40s - 49 06 55w REFON (4)a.jpg Neurotóxica, Miotóxica, Coagulante 7,7% Dor e edema discretos, até mesmo ausentes, no local da picada, além de parestesia, ptose palpebral, diplopia, visão turva, urina avermelhada ou marrom. Insuficiência respiratória aguda em casos graves. Pode matar por insuficiência renal. Taxa de letalidade de 1,8%.
Elapídico Micrurus, Leptomicrurus Micrurus lemniscatus.jpg Neurotóxica 1% Dor local, parestesia, ptose palpebral, diplopia, sialorréia, dificuldade de deglutição e mastigação, dispnéia. Casos graves podem evoluir para insuficiência respiratória.

Deve-se salientar que outras famílias, principalmente de colubrídeos, podem causar acidentes com inoculação de veneno, e muitas vezes representam entre 20% e 30% dos casos atendidos nos hospitais.[2] Apenas espécies com dentição opistóglifa são capazes de inocular veneno, e frequentemente os sintomas são parecidos com o acidente botrópico.[2] Dentre as espécies que podem provocar esse tipo de acidente estão as muçuranas (Boiruna maculata e Clelia plumbea), a cobra-verde (Philodryas olfersii), a parelheira (Philodryas patagoniensis) e a corre-campo (Thamnodynastes pallidus).[2] Esses acidentes acontecem geralmente quando elas são pisoteadas e manuseadas, visto que elas geralmente fogem contato com seres humanos.[2]

Cobras que imitam serpentes peçonhentas[editar | editar código-fonte]

Existem espécies de outras famílias que mimetizam as serpentes das famílias Elapidae e Viperidae. As mais famosas são as falsas-corais, com 49 espécies pertencendo à família Dipsadidae, mimetizando a coloração aposemática das corais-verdadeiras.[7] Outras duas espécies, Simophis rhinostoma e Rhinobothryum lentiginosum, pertencem à família Colubridae e uma, Anilius scytale, à família Aniliidae.[7] Nem todas mimetizam de forma perfeita uma coral-verdadeira, apenas imitando alguns aspectos da coloração, mas outras podem ser facilmente confundidas com as corais-verdadeiras, sendo possível diferenciá-las apenas pela dentição, que é do tipo áglifa ou opistóglifa, diferente dos elapídeos que possuem dentição proteróglifa.[7]

Outros colubrídeos que imitam serpentes peçonhentas, são a boipeva ou falsa-jararaca (Xenodon merremii), Xenodon dorbignyi e Tomodon ocellatus, se assemelhando às jararacas.[8]

Espécies brasileiras que mimetizam cobras peçonhentas
Oxyrhopus trigeminus, falsa-coral da família Dipsadidae.
Erythrolamprus aesculapii, falsa-coral da família Dipsadidae
Anilius scytale, falsa-coral da família Aniliidae.
Oxyrhopus trigeminus, falsa-coral da família Dipsadidae
Xenodon dorbignyi, jararaca-da-praia.
Anilius scytale, falsa-coral da família Aniliidae
Boipeva (Xenodon merremii) ou falsa-jararaca.
Xenodon dorbignyi, jararaca-da-praia. 
Boipeva (Xenodon merremii) ou falsa-jararaca. 

Conservação das cobras peçonhentas brasileiras[editar | editar código-fonte]

Apesar de um número significativo de espécies de cobras peçonhentas no Brasil, não existem muitas espécies consideradas como ameaçadas de extinção. A IUCN não avaliou muito das espécies que ocorrem no Brasil e só considera três espécies de jararacas em algum grau de ameaça. Isso não ocorre porque elas estão em uma situação de baixo risco, mas porque ainda pouco se conhece sobre a biologia e estado de conservação das serpentes brasileiras.[6] As corais são as serpentes menos estudadas, principalmente por serem difíceis de serem encontradas no campo. Entretanto, se não perseguidas, as serpentes brasileiras geralmente tendem a se adaptar aos ambientes modificados pelo homem. As espécies consideradas com maior risco de extinção são aquelas endêmicas de ilhas do litoral de São Paulo, e apresentam população pequena e restrita.[6][9]

A lista brasileira oficial atual considera apenas 5 espécies de jararacas em algum grau de ameaça: a jararaca-de-alcatrazes (B. alcatraz), a jararaca-ilhoa (B. insularis), e a B. otavioi como criticamente em perigo (essas são serpentes endêmicas de ilhas do litoral paulista),[6] a jararacuçu-tapete (B. pirajai) e a B. muriciensis como em perigo.[9] Além das já citadas espécies, listas estaduais já consideraram a subespécie da surucucu (Lachesis muta rhombeata) que ocorre na Mata Atlântica (Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo), a urutu-cruzeiro (B. alternatus) (São Paulo), a jararaca-verde (B. bilineatus) (Rio de Janeiro), a cotiara (B. cotiara) (São Paulo), a B. fonsecai (São Paulo), a B. itapetiningae (São Paulo) e a jararacuçu (B. jararacussu) como ameaçadas de extinção.[6]

Lista de cobras peçonhentas do Brasil[editar | editar código-fonte]

Nome científico Nome científico da espécie
Nome vernáculo Nome vernáculo da espécie em português, que pode ser um termo genérico a outras espécies do mesmo gênero
Estado IUCN Estado de conservação segundo a IUCN
Ocorrência Estados em que a espécie ocorre no Brasil
Descrição Breve descrição da espécie
Urutu-cruzeiro (Bothrops alternatus)
Jararaca-do-norte (Bothrops atrox)
Jararaca-verde (Bothrops bilineatus)
Jararaca (Bothrops brazili)


Jararaca (Bothrops jararaca)
Malha-de-sapo (Bothrops leucurus)
Caiçaca (Bothrops moojeni)
Jararaca-pintada (Bothrops neuwiedi)
Jararaca-cinza (Bothrops taeniatus)
Cascavel (Crotalus durissus)
Surucucu (Lachesis muta)
Serpentes da família Viperidae (Oppel, 1811), subfamília Crotalinae (Oppel, 1811): 30 espécies[1]
Nome científico Nome vernáculo Estado IUCN Ocorrência Descrição
Bothrocophias hyoprora (Amaral, 1935) Jararaca-nariguda Não avaliada Rondônia, Acre, Amazonas, Pará Serpente de pequeno porte, com no máximo 80 cm de comprimento. Tem como característica mais marcante uma protuberância na ponta do focinho, que conferiu o nome popular. Ocorre no bioma Amazônico.[10][4]
Bothrocophias microphthalmus (Cope, 1875) Jararaquinha Não avaliada Rondônia Ocorre no Peru e Colômbia, sendo encontrada no Brasil apenas em Rondônia. É uma serpente de pequeno porte, dificilmente ultrapassando 60 cm de comprimento, sendo que as fêmeas são maiores que os machos, como em B. hyoprora.[10]
Bothrops alcatraz (Marques, Martins e Sazima, 2002) Jararaca-de-alcatraz Status iucn3.1 CR.svg
Criticamente em perigo[11]
São Paulo Serpente encontrada apenas na ilha de Alcatrazes no estado de São Paulo.[12][13] Difere de outras jararacas pelo porte pequeno (cerca de 50 cm), coloração mais escura e menos escamas ventrais, além de apresentar um veneno extremamente coagulante com três proteínas específicas.[13] Interessantemente, apresenta pedomorfismo devido à dieta, se alimentando majoritariamente de centopéias e pequenos lagartos, dado a ausência de pequenos mamíferos na ilha.[13]
Bothrops alternatus (Duméril, Bibron e Duméril, 1854) Urutu-cruzeiro Não avaliada Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo Uma das serpentes mais temidas e conhecidas do sudeste brasileiro, tem hábitos terrícolas e um porte grande (podendo ter até 2 m de comprimento).[12] Fêmeas tendem a ser maiores e mais pesadas que machos.[12] Seu nome deriva do desenho em forma de cruz na cabeça.[4] Habita áreas abertas, banhados e matas ciliares.[12]
Bothrops atrox (Linnaeus, 1758) Jararaca-do-norte Não avaliada Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Roraima, Tocantins É a serpente mais abundante e a que causa mais acidentes na Amazônia.[4] Apresenta grande porte, com as fêmeas podendo medir até 1,72 m de comprimento.[12] Padrão de coloração varia consideravelmente, indo desde ao oliva, até o marrom ou amarelo.[12] Os desenhos do corpo se localizam de forma dorso-lateral, com formato trapezoide ou retangular.[12]
Bothrops bilineatus (Wied, 1821) Jararaca-verde Não avaliada Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Espírito Santo, Rondônia, Roraima Arborícola, apresenta intensa cor verde com duas linhas amarelas ventrolaterais que percorrem o corpo, e geralmente tem 70 cm de comprimento, dificilmente ultrapassando 1 m. Não costuma ser abundante nos locais em que habita, apesar de serem relativamente fáceis de serem encontradas em alguns locais do Acre.[12][4]
Bothrops brazili (Hoge, 1954) Jararaca Não avaliada Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso Seu nome foi dado em homenagem ao médico brasileiro Vital Brazil.[12] Tem ampla distribuição geográfica pela Amazônia.[12] Apresenta porte médio, medindo em média 70-90 cm de comprimento, com o maior indivíduo registrado tendo até 1,5 m.[12]O corpo apresenta, de forma geral, coloração rósea ou avermelhada, com a ponta da cauda mais escura.[12]
Bothrops cotiara Gomes, 1913 Cotiara Não avaliada São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul Serpente de porte médio semelhante à urutu, tendo em média, 1 m de comprimento. Seu principal habitat é a Mata de Araucárias.[14]
Bothrops diporus Cope, 1862 Jararaca-pintada Não avaliada Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops erythromelas (Amaral, 1923) Jararaca-da-seca Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[16]
Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão, Piauí Única espécie de jararaca da Caatinga.[17] Não apresenta grande porte, tendo em média 54 cm de comprimento. Dorso amarronzado com desenhos triangulares e ventre amarelado.[12]
Bothrops fonsecai (Hoge e Belluomini, 1959) Jararaca Não avaliada Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo Endêmica da região sudeste, habita a Mata de Araucárias da Serra da Mantiqueira, sendo comum na região de Campos do Jordão.[17] Seu nome foi dado em homenagem a Flávio da Fonseca, antigo diretor do Laboratório de Parasitologia do Instituto Butantã.[14] É uma espécie semelhante a Bothrops cotiara, com mesmas adaptações a regiões mais frias, apesar de apresentar coloração mais clara.[14]
Bothrops insularis (Amaral, 1922) Jararaca-ilhoa Status iucn3.1 CR.svg
Criticamente em perigo[18]
São Paulo Endêmica da ilha de Queimada Grande, do litoral do estado de São Paulo, e com uma população de no máximo 2000 animais, sendo ameaçada de extinção.[4] Tem em média, 70 cm de comprimento, com as fêmeas podendo medir até 1,1 m.[4] Assim como B. alcatraz, é especialista em predar artrópodes e aves.[17]
Bothrops itapetiningae (Boulenger, 1907) Cotiarinha Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[19]
Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná Endêmica de do Cerrado e zonas de transição com a Mata Atlântica, apresenta porte pequeno, não ultrapassando 60 cm de comprimento.[20] Fêmeas são maiores com a cabeça maior, enquanto machos são menores com caudas mais longas.[20]
Bothrops jararaca (Wied, 1824) Jararaca Não avaliada Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul Serpente peçonhenta mais comum do sul e sudeste do Brasil, apresenta hábitos terrícolas, eventualmente se aventurando em arbustos.[17] De porte médio, tem em média 1,2 m de comprimento, podendo atingir 1,6 m.[4]
Bothrops jararacussu (Lacerda, 1884) Jararacuçu Não avaliada Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul É a segunda maior serpente peçonhenta do Brasil, com até 2,2 m de comprimento, e também com maior capacidade de inoculação de veneno.[4] Os dentes podem ter até 2,5 cm de comprimento, expelindo até 6,7 ml de veneno.[4]
Bothrops leucurus (Wagler in Spix, 1824) Malha-de-sapo Não avaliada Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Ceará É a serpente peçonhenta mais comum da Mata Atlântica do Nordeste.[4] Atinge 1,2 m de comprimento em média, mas há registros de até 1,5 m.[4] O desmatamento tem favorecido sua expansão territorial.[17]
Bothrops lutzi (Miranda-Ribeiro, 1915) Jararaca-pintada Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[21]
Piauí, Ceará, Bahia, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, possivelmente São Paulo Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops marajoensis (Hoge, 1966) Jararaca Não avaliada Pará Encontrada nas savanas da ilha do Marajó, provavelmente pode ser encontrada nas planícies da foz do rio Amazonas. É um espécie semelhante a B. atrox.[22]
Bothrops marmoratus (Silva e Rodrigues, 2008) Jararaca-pintada Não avaliada Goiás Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops mattogrossensis (Amaral, 1925) Boca-de-sapo Não avaliada Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Rondônia É uma das serpentes peçonhentas mais comuns do Pantanal.[4] De porte médio, atinge em média entre 70 e 80 cm de comprimento, podendo atingir 1,2 m.[4] Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops moojeni (Hoge, 1966) Caiçaca Não avaliada Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Maranhão, Piauí É uma das principais serpentes peçonhentas do Cerrado, sendo de grande porte, atingindo até 1,6 m de comprimento.[4] Apresenta a peculiaridade de dar o bote em posição vertical, diferente das outras jararacas, sendo considerada a espécie mais agressiva.[17]
Bothrops muriciensis (Ferrarezzi & Freire, 2001) Jararaca Não avaliada Alagoas Espécie endêmica da Mata Atlântica nordestina, descrita em 2001.[23]
Bothrops neuwiedi (Wagler, 1824) Jararaca-pintada Não avaliada Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Goiás, Tocantins, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Ceará Originalmente, era considerada uma espécie com ampla distribuição geográfica, com 12 subespécies.[15] Uma revisão taxonômica em 2008 desmembrou esse "complexo específico", reconhecendo 7 espécies novas a partir desse complexo.[15] Não é uma espécie de grande porte, medindo em média entre 60 e 70 cm de comprimento.
Bothrops otavioi (Barbo, Grazziotin, Sazima, Martins & Sawaya, 2012) Jararaca Não avaliada São Paulo Espécie descrita em 2012, sendo mais umas das espécies de jararacas endêmicas de ilhas do litoral paulista, ocorrendo na ilha Vitória, próximo a Ilhabela.[24] Provavelmente encontra-se ameaçada de extinção.[24]
Bothrops pauloensis (Amaral, 1925) Jararaca-pintada Não avaliada Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops pirajai (Amaral, 1923) Jararaca-tapete Status iucn3.1 VU.svg
Vulnerável[25]
Bahia, Minas Gerais Serpente ameaçada de extinção endêmica do Brasil.[12] Hábitos terrícolas, com porte relativamente grande, podendo atingir 137 cm de comprimento.[12]
Bothrops pubescens (Cope, 1870) Jararaca-pintada Não avaliada Rio Grande do Sul Espécie reconhecida em 2008 a partir do complexo específico de Bothrops neuwiedi.[15]
Bothrops taeniatus (Wagler, 1824) Jararaca-cinza Não avaliada Norte do Brasil Serpente de hábitos arborícolas da Amazônia, geralmente apresenta menos de 1 m de comprimento, mas o maior animal registrado tinha 1,75 m. Corpo esguio com coloração variável e complexo, indo do cinza ao amarelo-esverdeado.[12]
Crotalus durissus (Linnaeus, 1758) Cascavel Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[26]
Todo o Brasil ( exceto o Acre) Conhecida pelo chocalho na ponta da cauda (guizo), tendo no máximo 1,9 m de comprimento, sendo uma das serpentes venenosas mais temidas do mundo. É encontrada em todo o Brasil, ocorrendo preferencialmente em áreas abertas.[4] O desmatamento aumentou consideravelmente sua distribuição geográfica.[4]
Lachesis muta (Linnaeus, 1766) Surucucu Não avaliada Amazônia e Mata Atlântica (Paraíba ao Rio de Janeiro) É a maior serpente peçonhenta das Américas, podendo ultrapassar 3 m de comprimento.[4] Suas escamas apresentam um formato cônico, lembrando a casca de uma jaca, de onde provém outro nome popular: pico-de-jaca.[4] Pode ser confunfida com a cascavel, mas ela não apresenta o guizo.[4]
Coral-verdadeira (Micrurus altirostris)
Coral-verdadeira (Micrurus annellatus)
Coral-verdadeira (Micrurus corallinus)
Coral-verdadeira (Micrurus hemprichii)
Coral-verdadeira (Micrurus frontalis)
Coral-verdadeira (Micrurus ibiboboca)
Coral-verdadeira (Micrurus lemniscatus)
Coral-verdadeira (Micrurus mipartitus)
Coral-verdadeira (Micrurus paraensis)
Coral-verdadeira (Micrurus pyrrhocryptus)
Coral-verdadeira (Micrurus spixii)
Coral-verdadeira (Micrurus surinamensis)
Serpentes da família Elapidae (Boie, 1827), subfamília Elapinae (Boie, 1827): 33 espécies[1]
Nome científico Nome vernáculo Estado IUCN Ocorrência Descrição
Leptomicrurus collaris (Schlegel, 1837) Coral-verdadeira Não avaliada Roraima, Amapá, Amazonas, Pará Mede no máximo 45,6 cm de comprimento, apresentando cor escura (marrom à preta), com manchas amarelas, brancas, ou laranjas ao longo do corpo (entre 35 e 50 manchas de forma oval).[27]
Leptomicrurus narduccii (Jan, 1863) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas, Acre Serpente de cor escura, podendo medir até 1,1 m de comprimento. Corpo varia do marrom ao preto, com apenas um anel amarelo na cabeça, e manchas amarelas no restante do corpo.[28]
Leptomicrurus scutiventris (Cope, 1870)) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas Serpente de cor escura, medindo entre 30 e 40 cm de comprimento. Corpo e cabeça de marrom escuro a preto, com um anel amarelo no focinho, e manchas amarelas e vermelhas na cauda.[29]
Micrurus albicinctus (Amaral, 1926) Coral-verdadeira Não avaliada Acre, Amazonas, Mato Grosso, Rondônia Serpente de pequeno porte, medindo no máximo 57,3 cm de comprimento, de coloração preta. Os anéis são brancos, mas não formam bandas contínuas, sendo formados pintas brancas.[30]
Micrurus altirostris (Cope, 1859) Coral-verdadeira Não avaliada Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina Coral que ocorre em regiões de clima mais ameno do sul do Brasil, pode medir até 1,3 m de comprimento. É uma coral tricolor, com 11 a 18 tríades de anéis preto e branco com anéis vermelhos adjacentes a essa tríade.[31] É uma espécie incluída no "complexo específico" de Micrurus frontalis.[32]
Micrurus annellatus (Peters, 1871) Coral-verdadeira Não avaliada Mato Grosso Medindo em média entre 20 e 30 cm de comprimento, apresenta três cores, com alguns indivíduos apresentando duas. Geralmente é preta ou azul-escuro, com finos anéis de cor branca, amarela, azul-claro ou vermelhos.[33]
Micrurus averyi (Schmidt, 1939) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas, Pará, Rondônia Mede no máximo 70 cm de comprimento, é uma coral tricolor com 8 a 13 anéis pretos limitados por estreitos anéis brancos separados por anéis vermelhos e cauda preta.[34]
Micrurus brasiliensis (Roze, 1967) Coral-verdadeira Não avaliada Bahia, Minas Gerais, Goiás, Tocantins Coral tricolor de médio porte medindo entre 65 e 81 cm, até 1,5 m de comprimento. Corpo vermelho com 11 a 14 tríades de anéis pretos, com cabeça banda vermelha e focinho branco.[35] É uma espécie incluída no "complexo específico" de Micrurus frontalis.[32]
Micrurus corallinus (Merrem, 1820) Coral-verdadeira Não avaliada Rio Grande do norte, Bahia, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul É a coral brasileira mais estudada, sendo a espécie que geralmente é encontrada na região Sudeste.[17] É de médio porte, podendo medir até 1 m de comprimento, apresentando cabeça preta com uma banda branca ou amarela na nuca, bandas amplas de cor vermelha separadas por anéis pretos (entre 15 e 27) limitados por finas linhas brancas.[36]
Micrurus decoratus (Jan, 1858) Coral-verdadeira Não avaliada São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná Coral tricolor que pode medir até 67 cm. Corpo com amplas bandas vermelhas separadas por tríades de anéis pretos (entre 13 e 19), ponta do focinho branca com banda preta na cabeça.[37]
Micrurus diana (Roze, 1983) Coral-verdadeira Não avaliada Mato Grosso Coral tricolor de médio porte, medindo entre 60 e 80 cm de comprimento. Apresenta de 9 a 11 tríades de anéis pretos delimitados por linhas brancas, alternados por anéis vermelhos.[38] É uma espécie incluída no "complexo específico" de Micrurus frontalis.[32]
Micrurus filiformis (Günther, 1859) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas, Pará, Maranhão, Amapá Coral tricolor de pequeno porte, medindo entre 30 e 55 cm de comprimento em média. Frente da cabeça é preta, com uma banda branca em frente aos olhos, nuca e pescoço de cor vermelhos.[39] Amplos anéis vermelhos separados por tríades de anéis pretos (12 a 20 tríades) separados entre si por linhas brancas.[39]
Micrurus frontalis (Duméril, Bibron e Duméril, 1854) Coral-verdadeira Não avaliada Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul Uma das cobras-corais mais conhecidas, também com maior distribuição geográfica entre as corais brasileiras.[17] Outrora, englobava inúmeras subespécies que foram elevadas a espécies no fim da década de 90.[32] É uma coral tricolor de grande porte, medindo entre 70 e 100 cm de comprimento (máximo de 1,4 m), com 10 a 15 tríades de anéis pretos separados por linhas brancas.[40]
Micrurus hemprichii (Jan, 1858) Coral-verdadeira Não avaliada Pará, Rondônia, Aazonas, Maranhão Coral bicolor de médio porte, medindo entre 50 e 60 cm de comprimento (máximo de 91 cm). Frente da cabeça de cor preta, seguida por um anel amplo de cor amarelo-alaranjado e pescoço preto. Padrão único de cor para o gênero, com anéis de cor amarelo-alaranjado separados por tríades de anéis pretos separados por finas linhas brancas.[41]
Micrurus ibiboboca (Merrem, 1820) Coral-verdadeira Não avaliada Piauí, Pernambuco, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Bahia Nativa da Caatinga, é uma coral tricolor de grande porte, medindo entre 75 e 85 cm, até 133 cm, de comprimento. Fronte da cabeça preta e branca, seguida por um anel preto e nuca de cor vermelha. Os anéis vermelhos são separados entre si por tríades de anéis pretos (entre 7 e 13 tríades) que são divididos entre si por dois anéis brancos.[42]
Micrurus isozonus (Cope, 1860) Coral-verdadeira Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[43]
Roraima Coral tricolor de grande porte, medindo entre 50 a 70 cm de comprimento, podendo chegar a 1,5 m. A cor do focinho varia de branco-cinza até toltamente preto, com resto da cabeça de cor vermelha e resto do corpo com anéis vermelhos separados por tríades de anéis pretos (entre 10 e 14) separados entre si por anéis brancos.[44]
Micrurus langsdorffi (Wagler in Spix, 1824) Coral-verdadeira Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[45]
Rondônia, Amazonas, Mato Grosso, Acre Coral tricolor (alguns indivíduos são bicolores) de médio porte, medindo entre 45 e 65 cm (máximo de 70 cm). Apresentar de 18 a 47 anéis vermelhos alternando com 36 a 91 anéis brancos, amarelos, ou vinho, com cada anéis separado por linhas formadas por pontos brancos.[46]
Micrurus lemniscatus (Linnaeus, 1758) Coral-verdadeira Não avaliada Amapá, Pará, Amazonas, Roraima, Acre, Maranhão, Tocantins, Rondônia, Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso Coral tricolor de grande porte, porém com forma esguia, medindo entre 60 e 90 cm (máximo de 1,45 m). A frente da cabeça apresenta um anel branco rostralmente aos olhos, com a nuca de cor vermelha. Padrão geral do corpo se caracteriza por anéis vermelhos separados por tríades de anéis pretos (entre 7 e 17) separados entre si por anéis brancos.[47]
Micrurus mipartitus (Duméril, Bibron e Duméril, 1854) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas, Roraima Coral bicolor de grande porte, medindo entre 60 e 80 cm (máximo de 1,2 m). A frente da cabeça é preta com a nuca laranja. Padrão geral do corpo se caracteriza por anéis pretos (enrte 34 e 84) alternados por anéis brancos, apresentando de 2 a 8 anéis vermelhos na cauda.[48]
Micrurus nattereri (Schmidt, 1952) Coral-verdadeira Não avaliada Mato Grosso, Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão, Acre, Roraima, Amapá, Tocantins Coral tricolor outrora considerada subespécie de Micrurus surinamensis.[49]
Micrurus ornatissimus (Jan, 1858) Coral-verdadeira Não avaliada Rondônia Coral tricolor de pequeno porte, medindo entre 50 e 70 cm (máximo de 84 m). A cabeça apresenta um "capuz"preto que pode se estender à nuca. Padrão geral do corpo se caracteriza por 38 a 67 anéis pretos, alternados com anéis vermelhos limitados por linhas brancas.[50]
Micrurus pacaraimae (Carvalho, 2002) Coral-verdadeira Não avaliada Rondônia Coral bicolor descrita em 2002 e endêmica de Roraima, apresenta cerca de 23 anéis pretos simples e anéis vermelhos amplos.[51]
Micrurus paraensis (Cunha e Nascimento, 1973) Coral-verdadeira Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[52]
Rondônia, Mato Grosso, Pará, Maranhão Coral tricolor de pequeno porte, medindo entre 35 e 45 cm (máximo de 54 m). Corpo com 10 a 20 anéis pretos simples, separados por anéis vermelhos largos, sendo limitados por linhas brancas.[53]
Micrurus potyguara (Pires, Silva, Feitosa, Prudente, Pereira Filho e Zaher, 2014) Coral-verdadeira Não avaliada Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte Coral tricolor descrita em 2014 e endêmica da Mata Atlântica do Nordeste Brasileiro. A cabeça tende a ser mais marcada em relação ao corpo, diferente das outras corais, anel branco entre o focinho e os olhos, além de nuca de cor vermelha. Anéis vermelhos separados por tríades de anéis pretos.[54]
Micrurus psyches (Daudin, 1803) Coral-verdadeira Não avaliada Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão Coral de coloração extremamente variável de médio porte, medindo entre 55 e 70 cm (máximo de 91 cm). Alguns indivíduos podem parecer totalmente pretos com finos anéis amarelos, outros podem ser tricolores com anéis vermelhos separados por tríades de anéis preto.[55]
Micrurus putumayensis (Lancini, 1962) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas Coral bicolor de porte médio, medindo entre 60 e 70 cm (máximo de 80 cm). Cabeça de cor preta com anel amarelo próximo ao pescoço e amplos anéis amarelos separados por anéis pretos.[56]
Micrurus pyrrhocryptus (Cope, 1862) Coral-verdadeira Status iucn3.1 LC.svg
Pouco preocupante[57]
Mato Grosso, Mato Grosso do Sul Coral tricolor de grande porte,medindo entre 70 e 90 cm (máximo de 1,25 m). Focinho e topo da cabeça pretos, 6 a 12 tríades de anéis pretos no corpo e anéis vermelhos amplos.[58]
Micrurus remotus (Roze, 1987) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas, Rondônia Coral tricolor de pequeno porte, medindo entre 45 a 55 cm. Apresenta entre 25 a 40 anéis pretos simples e anéis vermelhos que são cerca de 2 vezes maiores que os pretos e são delimitados por finas linhas amarelas.[59]
Micrurus silviae (Di-Bernardo, Borges-Martins e Silva, 2007) Coral-verdadeira Não avaliada Rio Grande do Sul Coral tricolor descrita em 2007 e que ocorre nas regiões de clima mais ameno do Sul do Brasil. Cabeça totalmente preta e tríades de anéis pretos com o anel central duas vezes maior que os outros dois: esses caracteres são utilizados para diferenciá-la de outras corais do sul do Brasil, que são muito semelhantes.[60]
Micrurus spixii (Wagler in Spix, 1824) Coral-verdadeira Não avaliada Amapá, Pará, Tocantins, Mato Grosso, Rondônia, Maranhão, Goiás, Acre Coral tricolor de grande porte, medindo entre 80 e 110 cm. M. spixii é a maior cobra-coral do mundo, com 1,6 m de comprimento.[4] Cabeça com topo vermelho e focinho de cor branca e preta. Corpo com anéis vermelhos amplos separados por tríades de anéis pretos (entre 4 e 9) que podem ser unir.[61]
Micrurus surinamensis (Cuvier, 1817) Coral-verdadeira Não avaliada Mato Grosso, Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão, Acre, Roraima, Amapá, Tocantins Uma das maiores corais (entre 80 e 100 cm de comprimento em média) e se destaca por ter hábitos aquáticos, e por isso, apresenta narinas e olhos dispostos mais dorsalmente e o focinho é achatado. É uma coral tricolor, com a cabeça quase que completamente vermelha e corpo com anéis vermelhos separados por tríades de anéis pretos (entre 5 a 8), sendo que o anel central é amplo, enquanto que os laterais são mais finos.[62]
Micrurus tikuna (Feitosa, Da Silva, Pires,Zaher, & Prudente, 2015) Coral-verdadeira Não avaliada Amazonas Coral tricolor descrita a partir de indivíduos encontrados da região de Tabatinga e Leticia, na fronteira entre o Brasil, Colômbia e Peru. Não apresenta anel branco na cabeça e o corpo tem de 27 a 31 anéis pretos limitados por finos anéis brancos e 27 a 31 anéis vermelhos.[63]
Micrurus tricolor (Hoge, 1956) Coral-verdadeira Não avaliada Mato Grosso, Mato Grosso do Sul Espécie outrora classificada dentro de Micrurus frontalis.[32]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Bérnils, R.S.; Costa, H.C.. (2015). "Répteis brasileiros: Lista de espécies". Herpetologia Brasileira 4 (3): 75-93.
  2. a b c d e f g h i j k Bernarde, P.S. «Acidentes ofídicos» (PDF). Herpetofauna. Consultado em 16 de fevereiro de 2016. 
  3. a b c d e f g dos Santos, M.C.; Martins, M.; Boechat, A.L.; Neto, R.; Oliveira, M.E. (1995). Serpentes de interesse médico da Amazônia (PDF) (Manaus, AM: Universidade do Amazonas). p. 70. ISBN 85-85482-34-6. 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u Bernarde, P.S. (2014). Serpentes peçonhentas e acidentes ofídicos no Brasil 1 ed. (São Paulo, SP: Anolis Books). p. 223. ISBN 978-85-65622-04-2. 
  5. Bernarde, P. «Acidentes Ofídicos». Herpetologia. Consultado em 21 de fevereiro de 2016. 
  6. a b c d e Martins, M.; Molina, F.B. (2008). «Répteis». In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M.; Paglia, A.P. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção - Volume 2 (PDF) (Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente). pp. 327–373. ISBN 978-85-7738-102-9. 
  7. a b c Bernarde, P. «CORAIS (FALSAS & VERDADEIRAS) DO BRASIL». Herpetofauna. Consultado em 20 de fevereiro de 2016. 
  8. Yanosky, A.; Chani, J.M.. (1988). "Possible dual mimicry of Bothrops and Micrurus by the colubrid, Lystrophis dorbignyi". Journal of Herpetology 22 (2): 222-224. DOI:10.2307/1564001.
  9. a b PORTARIA No - 444, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014
  10. a b Cisneros-Heredia, Diego F., et al.. (2006)). "Distribution and natural history of the Ecuadorian Toad-headed Pitvipers of the genus Bothrocophias". Herpetozoa 19: 17-26.
  11. Marques, O.A.V., Martins, M. & Sazima, I. . Bothrops alcatraz (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 21 de fevereiro de 2016.
  12. a b c d e f g h i j k l m n o p Campbell JA, Lamar WW. (2004). The Venomous Reptiles of the Western Hemisphere (Ithaca and London: Comstock Publishing Associates). pp. 870 pp. ISBN 0-8014-4141-2. 
  13. a b c Marques, O. A., Martins, M., & Sazima, I.. (2002). "A new insular species of pitviper from Brazil, with comments on evolutionary biology and conservation of the Bothrops jararaca group (Serpentes, Viperidae)". Herpetologica 58 (3): 303-312.. DOI:[0303:ANISOP2.0.CO;2 10.1655/0018-0831(2002)058[0303:ANISOP]2.0.CO;2].
  14. a b c Tashima, A. K., Sanz, L., Camargo, A. C., Serrano, S. M., & Calvete, J. J.. (2008). "Snake venomics of the Brazilian pitvipers Bothrops cotiara and Bothrops fonsecai. Identification of taxonomy markers". Journal of Proteomics 71 (4): 473-485. DOI:10.1016/j.jprot.2008.07.007.
  15. a b c d e f g h da Silva, V. X., & Rodrigues, M. T.. (2008). "Taxonomic revision of the Bothrops neuwiedi complex (Serpentes, Viperidae) with description of a new species". Phyllomedusa 7 (1): 45-90.
  16. Martins, M . Bothrops erythromelas (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 22 de fevereiro de 2016.
  17. a b c d e f g h Museu Butantã. «Serpentes Peçonhentas» (pdf). Sapiesn Cursos. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  18. Marques, O.A.V., Martins, M. & Sazima, I. . Bothrops insularis (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 21 de fevereiro de 2016.
  19. Martins, M. & Nogueira, C . Bothrops itapetiningae (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 21 de fevereiro de 2016.
  20. a b Leão, S. M., Pelegrin, N., de Campos Nogueira, C., & Brandão, R. A.. (2014). "Natural History of Bothrops itapetiningae Boulenger, 1907 (Serpentes: Viperidae: Crotalinae), an Endemic Species of the Brazilian Cerrado". Journal of Herpetology 48 (3): 324-331. DOI:10.1670/12-191.
  21. Costa, G.C . Bothrops itapetiningae (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 22 de fevereiro de 2016.
  22. Cavalcante, W. et al. (2011). "Biological characterization of Bothrops marajoensis snake venom". Journal of Venom Research 2: 37-41.
  23. Ferrarezzi, H., & Freire, E. M. X. (2001). "New species of Bothrops Wagler, 1824 from the atlantic forest of northeastern Brazil (Serpentes, Viperidae, Crotalinae)". Boletim do Museu Nacional 440: 1-10.
  24. a b Barbo, F. E., Grazziotin, F. G., Sazima, I., Martins, M., & Sawaya, R. J. (2012). "A new and threatened insular species of lancehead from Southeastern Brazil". Herpetologica 68 (3): 418-429. DOI:10.1655/HERPETOLOGICA-D-12-00059.1.
  25. Argolo, A.J.S . Bothrops pirajai (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 22 de fevereiro de 2016.
  26. Martins, M. & Lamar, W.W. . Crotalus durissus (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 16 de fevereiro de 2016.
  27. «Guyana Blackpack Coral snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  28. «Andean Blackpack Coral snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  29. «Pygmy Black Coralsnake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  30. «White-Ringed Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  31. «Uruguayan Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  32. a b c d e da Silva Jr, N. J., & Sites Jr, J. W.. (1999). "Revision of the Micrurus frontalis complex (Serpentes: Elapidae)". Herpetological Monographs 13: 142-194. DOI:10.2307/1467062.
  33. «Annellated Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  34. «Black-Headed Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  35. «Brazilian Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  36. «Painted Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  37. «Decorated Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  38. «Diana's Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 24 de fevereiro de 2016. 
  39. a b «Slender Coral Snake». CoralSnake.net. 
  40. «Cerrado Coral Snake». CoralSnake.net. Consultado em 24 de fevereiro de 2016. 
  41. «Hemprichii's Coral Snake». Consultado em 24 de fevereiro de 2016. 
  42. «Caatinga Coral Snake». Consultado em 24 de fevereiro de 2016. 
  43. Böhm, M. & Richman, N . Micrurus isozonus (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 24 de fevereiro de 2016.
  44. «Venezuelan Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  45. Martins, M . Micrurus langsdorffi (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 24 de fevereiro de 2016.
  46. «Langsdorff`s Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  47. «South American Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  48. «Red-Tailed Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  49. Passos, P., & Fernandes, D. S. (2005). "Variation and taxonomic status of the aquatic coral snake Micrurus surinamensis (Cuvier, 1817)(Serpentes: Elapidae)". Zootaxa 953: 1-14.
  50. «Ornate Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  51. Carvalho, C. M. D. (2002). "Descrição de uma nova espécie de Micrurus do Estado de Roraima, Brasil (Serpentes, Elapidae)". Papéis Avulsos de Zoologia (São Paulo) 42 (8): 183-192.
  52. Nogueira, C . Micrurus paraensis (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 24 de fevereiro de 2016.
  53. «Para Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  54. Pires, M. G., Da Silva Jr, N. J., Feitosa, D. T., & Prudente, A. L. (2014). "A new species of triadal coral snake of the genus Micrurus Wagler, 1824 (Serpentes: Elapidae) from northeastern Brazil". Zootaxa 3811 (4): 569-584..
  55. «Carib Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  56. «Putumayo Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  57. Embert, D. & Nogueira, C . Micrurus pyrrhocryptus (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 4. Página visitada em 24 de fevereiro de 2016.
  58. «Argentinian Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  59. «Neblina Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  60. Di-Bernardo, M., Borges-Martins, M., & Silva Jr, N. J. (2007). "A new species of coralsnake (Micrurus: Elapidae) from southern Brazil". Zootaxa 1447: 1-26.
  61. «Amazonian Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  62. «Aquatic Coral Snake». Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  63. Feitosa, D. T., Da Silva, N. J., Pires, M. G., Zaher, H., & Prudente, A. L.. (2015). "A new species of monadal coral snake of the genus Micrurus (Serpentes, Elapidae) from western Amazon". Zootaxa 3974 (4): 538-554. DOI:10.11646/zootaxa.3974.4.5. PMID 26249923.

Bibliografia recomendada[editar | editar código-fonte]

  • Bernarde, P.S. (2014). Serpentes peçonhentas e acidentes ofídicos no Brasil 1 ed. (São Paulo, SP: Anolis Books). p. 223. ISBN 978-85-65622-04-2. 
  • Campbell JA, Lamar WW. (2004). The Venomous Reptiles of the Western Hemisphere (Ithaca and London: Comstock Publishing Associates). pp. 870 pp. ISBN 0-8014-4141-2. 
  • Grantsau, R. (2013). As Serpentes Peçonhentas do Brasil 1 ed. (São Carlos, SP: Vento Verde). p. 320. ISBN 978-85-64060-02-9. 
  • Roze, J.A. (1996). Coral Snakes of the Americas: Biology, Identification, and Venoms (Malabar, Florida: Krieger). p. 340. ISBN 978-08-9464847-2. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]