Casas da Banha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Casas da Banha foi uma rede de supermercados fundada em 1955, cuja sede ficava na cidade do Rio de Janeiro.[1]

Operação[editar | editar código-fonte]

Na sua melhor época, em meados dos anos 80, contava com 230 lojas no país, em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Volta Redonda, Cabo Frio, Niterói, Duque de Caxias, Queimados, Nilópolis,entre outras, onde trabalhavam 18 mil empregados. O seu faturamento anual ultrapassava US$ 700 milhões. Entre suas filiais destacava-se o hipermercado Porcão no Rio de Janeiro, que tinha como ponto de referência uma torre com um relógio de 4 faces. Tornou-se um importante ponto de referência na Avenida Brasil, no bairro da Penha, utilizado até os dias atuais apesar de encontrar-se fora de operação desde a década de 1990. Em 1992 suas lojas começaram a encerrar suas operações.

Depois de um longo processo de decadência, a empresa acabou por ter sua falência decretada em 1999.[2]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

As Casas da Banha patrocinavam o programa Cassino do Chacrinha, onde o velho guerreiro jogava para o público alimentos, como bacalhau e pepinos.[3]

A empresa foi mencionada na canção "Tu És o MDC da Minha Vida", do cantor e compositor baiano Raul Seixas,[4] bem como na música homônima do cantor carioca Rogério Skylab. Os Titãs também citam as Casas da Banha na canção "Flat-Cemitério-Apartamento", no trecho "e Se as Casas da Banha abatessem alguns gordos para o seu abastecimento?".

A churrascaria Porcão, segundo algumas fontes, teria seu nome devido a um letreiro das Casas da Banha com uma grande figura de um porco em sua fachada, que ficava ao lado da então Churrascaria Riograndense.[5]

Jingle Publicitário[editar | editar código-fonte]

O jingle mais famoso dessa época, composto pelo radialista e publicitário Borelli Filho, era com o casal de porquinhos e foi gravado originalmente pelo falecido palhaço Carequinha:

Vou dançar o chá-chá-chá

Casas da Banha

Alegria vem de lá

Casas da Banha

Também vou aproveitar

Casas da Banha

É lá que eu quero comprar!

É lá que eu quero comprar!

CB muito mais você, tchá-tchá-tchá

Referências

  1. Jovem Pan. http://jovempan.uol.com.br/videos/noticias/comunicacao-marketing/70927-comercial-com-porquinhos-animados-marca-a-decada-de-80.html. Consultado em 23 de janeiro de 2016.  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. Diário do Grande ABC (28 de abril de 1999). «Juiz decreta falência das Casas da Banha». Consultado em 23 de janeiro de 2016. 
  3. radioculturasd.com.br (6 de março de 2011). «Alô Alô Terezinha, no carnaval 2011 Aquele abraço da Biquinha». Consultado em 23 de janeiro de 2016. 
  4. samba-choro.com.br. «Casas da Banha». Consultado em 23/018/2016.. … não posso sentir cheiro de lasanha, me lembro logo das Casas da Banha, onde íamos nos divertir (divertir)…  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. Porcão Barra - Guia Rio Show
Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.