Daphne Caruana Galizia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Daphne Caruana Galizia
Nascimento Daphne Anne Vella
26 de agosto de 1964
Sliema (Crown Colony of Malta)
Morte 16 de outubro de 2017 (53 anos)
Bidnija (Malta)
Residência Bidnija
Cidadania Malta
Alma mater
Ocupação jornalista investigativo, blogueiro, ativista, cronista, jornalista
Empregador Times of Malta, The Malta Independent
Obras destacadas Panama Papers
Causa da morte carro-bomba
Página oficial
https://daphnecaruanagalizia.com

Daphne Anne Caruana Galizia (nascida Vella; Sliema, 26 de agosto de 1964 - Bidnija, 16 de outubro de 2017) foi uma escritora, bloguer e ativista anticorrupção maltesa que escreveu sobre os acontecimentos políticos em Malta. Ela dedicou-se ao  jornalismo de investigação, fazendo reportagens sobre a corrupção governamental, nepotismo, clientelismo, alegações de lavagem de dinheiro, ligações entre a indústria de jogos de azar online de Malta e o crime organizado, o esquema de obtenção da cidadania em troca investimento em Malta e pagamentos do governo do Azerbaijão.[1][2]

Construiu a sua reputação nacional e internacional ao denunciar regularmente a má conduta de políticos malteses e pessoas politicamente expostas.[3][4]

Apesar da intimidação e ameaças, processos por difamação e outros processos judiciais, Caruana Galizia não deixou de publicar artigos. Ela foi presa pela policia de Malta duas vezes.[4][5]

As suas reportagens foram publicadas no seu blog Running Commentary, que criou em 2008.[6] Ela foi colunista regular do The Sunday Times of Malta e mais tarde do The Malta Independent. O seu blog consistia em reportagens de investigação e em comentários seus sobre a actualidade, alguns dos quais foram considerados como ataques pessoais por determinados indivíduos, o que levou-a a uma série de batalhas legais. Em 2016 e 2017, ela revelou uma série informações e alegações controversas e delicadas sobre  vários políticos malteses e o escândalo dos Panama Papers.[7]

No dia 16 de Outubro de 2017, Caruana Galizia foi assassinada perto da sua casa quando uma bomba que tinha sido colocada no seu carro rebentou. Este acto foi condenado nacionalmente e internacionalmente. Em Dezembro de 2017, três homens foram presos pelo atentado. A polícia prendeu Yorgen Fenech, o dono da empresa 17 Black, sedeada no Dubai, no seu iate no dia 20 de Novembro de 2019 por estar associado ao assassinato.[8][9][10]

Em Abril de 2018, um consórcio internacional com 45 jornalistas, publicou o Projecto Daphne (The Daphne Project), um trabalho colaborativo que visou completar o seu trabalho de investigação. O prémio GUE/NGL para Jornalistas, denunciantes & Defensores do Direito à Informação, foi criado em 2018, em homenagem a Galizia.[5][6]

Educação e inicio de vida[editar | editar código-fonte]

Daphne Anne Vella nasceu no dia 26 de Agosto de 1964, em Sliema. Era a mais velha de quatro irmãs, filhas do empresário Michael Alfred Vella e da sua esposa Rose Marie Vella (nascida Mamo). Estudou no Convento de Santa Doroteia em Mdina e na St Aloysius' College, em Birkirkara. Frequentou Arqueologia na University of Malta Archaeology, especializando-se em Anthropologia em 1997.

Caruana Galizia entrou em contacto com a política no final da adolescência, tendo sido presa aos 18 anos por ter participado em protestos contra o governo. Em 1985, casou com o advogado Peter Caruana Galizia, neto de John Caruana e bisneto de E.L. Galizia e A.A. Caruana. O casal teve 3 filhos, Matthew, Andrew and Paul. Matthew foi membro do International Consortium of Investigative Journalists. A família deixou Sliema em 1990, mudando-se para Bidnija, uma aldeia nos arredores de Mosta.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Caruana Galizia trabalhou como jornalista no The Sunday Times of Malta em 1987, tornando-se numa colunista regular de 1990 a 1992 e novamente de 1993 a 1996.[1] Foi editora associada do The Malta Independent , em 1992,[2] manteve-se como colunista nos dois jornais durante toda a sua carreira. Para além disto, trabalhou como consultora noutros meios de comunicação e como relações públicas.[3]

Foi também a editora fundadora da revista Taste and Flair, que era distribuída mensalmente com o The Malta Independent on Sunday. As duas publicações foram unidas numa única revista chamada Taste&Flair em Julho de 2014, Caruana Galizia permaneceu como editora até à sua morte. Taste&Flair é agora publicada pela Fundação Daphne Caruana Galizia.[4][7]

Em Março de 2008, ela criou o blog intitulado Running Commentary, onde colocava reportagens resultantes das suas investigações e comentava sobre assuntos da actualidade e figuras públicas. O blog era um dos sites mais populares de Malta, com mais de 400.000 visualizações - mais do que a circulação combinada dos jornais do país.[9][11]

Devido ao seu trabalho e às suas opiniões Caruana Galizia recebeu ameaças. A porta da frente da sua casa foi incendiada em 1996. Cortaram a garganta ao cão da família e colocaram-no na entrada da casa. Anos mais tarde o carro do vizinho ardeu e pensa-se que terá sido por engano e que o alvo era ela. Em 2006 houve outro incidente, pegaram fogo à casa enquanto a família dormia lá dentro. Depois de Caruana ter criado o blog, o seu terrier Zulu foi envenenado e o seu collie Rufus foi morto a tiro.De acordo com o seu filho Matthew, as ameaças eram diárias, desde telefonemas, recados colados na porta de casa, mensagens de texto, emails e comentários no blog dela.[4][8]

Foi presa no dia 8 de Março de 2013 por quebrar o silêncio político na véspera da eleição geral de 2013, após postar vídeos a zombar com Joseph Muscat. Foi questionada pela policia durante várias horas antes de ser libertada.[10][12]

Em Novembro de 2010, após ter comentado sobre a conservação da Villa Guardamangia (a casa onde moraram a Princess Elizabeth e o Prince Philip da Grã-Bretanha no início do seu casamento), Caruana Galizia foi descrita pelo The Daily Telegraph como a principal comentadora de Malta.[12]

Outras grandes histórias e controvérsias em torno das revelações dos Panama Papers e as alegações de que Chris Cardona visitara um bordel durante uma visita oficial à Alemanha em Janeiro de 2017, colocaram-na na ribalta.[6]

Em 2016, Caruana Galizia questionou a forma de como o milionário britânico Paul Golding adquiriu o Palazzo Nasciaro em Naxxar, e em meados de 2017, ela tornou-se numa fervorosa critica do novo líder nacionalista da oposição Adrian Delia,[13] afirmando que ele lavara dinheiro para uma empresa envolvida numa rede de prostituição no Soho.[2][5]

Panama Papers[editar | editar código-fonte]

A 22 de Fevereiro de 2016, Caruana Galizia's Running Commentary blog reportou que o ministro maltês Konrad Mizzi tinha ligações ao Panamá e à Nova Zelândia.[14] Isto obrigou o ministro a revelar a existência de um fundo fideicomisso registado na Nova Zelândia dois dias depois, alegando que este tinha sido criado para administrar os bens da sua família.[15] No dia 25 de Fevereiro, Caruana Galizia revelou que o chefe de gabinete do primeiro-ministro Joseph Muscat, Keith Schembri, possuía um fundo semelhante na Nova Zelândia, que por sua vez tinha uma empresa do Panamá.[16]

A divulgação pública dos Panama Papers em Abril de 2016 confirmou que Mizzi era dono da empresa Panama Hearnville Inc., e que Mizzi e Schembri também tinham fundado a empresa Tillgate Inc. As empresas pertenciam à Orion Trust New Zealand Limited, os mesmos fiduciários da Mizzi e dos fundos de Schembri na Nova Zelândia, Rotorua e Haast, respectivamente.[17]

Como a primeira pessoa a divulgar o envolvimento de Mizzi e Schembri's nos Panama Papers,[13] ela foi nomeada pelo Politico como uma das "28 pessoas que estão a moldar, abanar e a fazer tremer a Europa."[13][18] A publicação descreveu-a como "uma WikiLeaks feminina, numa cruzada com a falta de transparência e corrupção em Malta." [19]

Em 2017, ela alegou que Egrant, outra empresa do Panamá, pertencia a Michelle Muscat, mulher do primeiro ministro Joseph Muscat. Muscat declarou que estas alegações fora a razão pela qual ele antecipou as eleições gerais para 2017, que reconduziram ao poder o seu partido. Caruana chamou a atenção que uma eleição antecipada já estava planeada.[13][20]

O título do seu último post no blog, antes de ser morta dizia: "Aquele vigarista do Schembri estava hoje no tribunal, alegando que não é um vigarista", terminava com a linha "Agora há bandidos por toda parte para onde quer que olhes. A situação é desesperante."[21][22]

Em 20 de Novembro de 2019, a polícia prendeu Yorgen Fenech, proprietário da empresa 17 Black sedeada no Dubai, no seu iate.[23] Essa empresa constava no trabalho de investigação efectuado por ela sobre os Panama Papers e o envolvimento de Keith Schembri e Konrad Mizzi neles, este último renunciou a seus cargos no governo no dia 26 de Novembro.[23][24][25]

Schembri foi preso, e libertado dois dias mais tarde, o que provocou uma onde protestos na ruas da capital, Valletta. A partir de 20 de Novembro, multidões começaram a pedir a resignação do Primeiro Ministro Joseph Muscat depois de ele ter dito que era capaz de perdoar o "intermediário" do assassinato.[26][27]

Calúnia e casos de difamação criminal[editar | editar código-fonte]

Em 2010, Caruana Galizia usou seu blog para criticar a magistrada Consuelo Scerri Herrera e esta apresentou uma queixa criminal na polícia. O caso foi retirado em Novembro de 2011.[28][29]

Em maio de 2017, o proprietário e presidente do Pilatus Bank, Ali Sadr Hasheminejad, processou-a num tribunal do Arizona, em seu próprio nome e em nome do Pilatus Bank.[30] Pedia US $ 40 milhões por danos. Caruana Galizia nunca recebeu uma notificação sobre isso e o processo foi retirado poucas horas após sua morte.[31]

Durante 2017, o Banco Pilatus, ameaçou por escrito todos os meios de comunicação não governamentais de Malta, mas só cumpriu a ameaça no caso de Daphne Caruana Galizia. Todos os outros meios de comunicação haviam concordado em fazer alterações ao seu conteúdo online. Um dos visados informou que cartas ameaçadoras foram enviadas 12 horas antes da morte de Daphne Caruana Galizia.[32]

Em Fevereiro de 2017, foi criado um fundo legal, financiado por crowdfunding, para cobrir quatro mandados de precaução - que congelaram os activos de Caruana Galizia no valor de 50.000€ - pelos danos máximos por difamação possíveis em lei. Estes mandados foram instituídos pelo vice-líder do Partido Trabalhista e Ministro da Economia, Chris Cardona, e pelo o seu representante na de política na presidência da UE, Joseph Gerada.[33]

No momento de sua morte, Daphne Caruana Galizia enfrentava 48 processos por difamação.[34]

Morte[editar | editar código-fonte]

O local da explosão fica no topo da estrada Bidnija, nos arrefores de Mosta.

Por volta das 15h do dia 16 de Outubro de 2017, Daphne Caruana Galizia estava a conduzir perto de da sua casa em Bidnija, quando uma bomba colocada no Peugeot que alugara explodiu, matando-a instantaneamente. A explosão ocorreu na Bidnija Road e o veículo ficou espalhado em vários pedaços nos campos mais próximos.[35]

Caruana Galizia ia no banco do condutor, mas os seus restos mortais foram encontrados pelo o seu filho Matthew, a 80 metros do local da explosão.[36][36] Ele escreveu no Facebook: “Eu olhei para baixo e havia partes do corpo da minha mãe à minha volta”. Foi o sexto atentado com uma bomba colocado num carro, em Malta desde o início de 2016 e a quarta fatalidade.[37] A casa de Caruana Galizia não estava sob vigilância policial desde 2010, excepto durante as eleições. Segundo fontes policiais, ficou ainda mais desprotegida quando o Partido Trabalhista voltou ao poder em 2013.[38]

A abertura de um inquérito público sobre se o assassinato de Daphne Caruana Galizia podia ter sido evitado, estava nas mãos do então primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat. Este, não abriu de imediato um inquérito público, por isso os herdeiros de Caruana Galizia, pediram-lhe formalmente por carta que fosse aberto um, no dia 9 de Agosto de 2018, com base na opinião legal de Doughty Street Chambers e Bhatt Murphy Solicitors.[39]

Reacções[editar | editar código-fonte]

Flores, velas e tributos a to Daphne Caruana Galizia deixados nos pés do Great Siege Monument, que fica no lado oposto ao tribunal em Valletta.

A família acusou as autoridades maltesas por nada fazerem contra uma crescente "cultura de impunidade" em Malta, dizendo que Joseph Muscat, Keith Schembri, Chris Cardona, Konrad Mizzi, o procurador-geral Peter Grech e uma longa lista de comissários de polícia ao não agirem, foram politicamente responsáveis ​​por sua morte.[37] A família dela recusou-se a apoiar publicamente a proposta de o governo oferecer uma recompensa no valor de um milhão de euros a quem desse informações sobre o caso, e apesar da pressão do primeiro-ministro e do presidente, insistiu que o primeiro-ministro deveria renunciar.[40]

Uma das irmãs de Caruana Galizia afirmou que "o presidente e o primeiro-ministro "minimizavam o assassinato e que estavam a preparar-se para a transformar numa mártir da sua causa ", e que os seus apelos à unidade nacional eram uma farsa e que "pedir unidade é abusar do seu legado. Nunca deve haver unidade com o criminoso e o corrupto." [41]

O ataque com carro-bomba foi condenado pelo primeiro-ministro Joseph Muscat, que afirmou que "não vou descansar antes que a justiça seja feita", apesar dela o ter criticado. A presidente Marie Louise Coleiro Preca, o arcebispo Charles Scicluna e vários políticos também expressaram suas condolências ou condenaram o ataque com carro-bomba.[42] O líder da oposição Adrian Delia chamou sua morte de "o colapso da democracia e da liberdade de expressão"e afirmou que "as instituições (do país) decepcionaram-nos".[43][44]

O colega bloguer, Manuel Delia, ex-funcionário do Partido Nacionalista, chamou-a de "a única voz ética que restou. Ela foi a única a falar sobre o certo e o errado".[21]

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker e a Comissão Europeia condenou o ataque nos termos mais fortes possíveis.[45]

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, classificou o incidente como "um exemplo trágico de uma jornalista que sacrificou sua vida em busca da verdade".[44] Gerard Ryle, director do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigadores, afirmou que a organização está "chocada" com o assassinato de Caruana Galizia e "profundamente preocupada com a liberdade de imprensa em Malta".[46]

Na sessão plenária do Parlamento Europeu que teve lugar a 24 de Outubro, os deputados fizeram um minuto de silêncio. Vários membros da família de Caruana Galizia participaram da sessão no hemiciclo em Estrasburgo. A sala de imprensa no edifício do Parlamento Europeu foi rebaptizada em sua homenagem. Também teve lugar um debate sobre a liberdade de imprensa e a protecção de jornalistas em Malta.[47] Na sequência desta visita e do debate seguinte, será enviada uma delegação pelo Parlamento Europeu para investigar o Estado de direito, os casos de branqueamento de capitais e a corrupção em Malta.[48]

Papa Francisco enviou uma carta de condolências, dizendo que rezava pela família da jornalista e pelo povo maltês.[49]

O atentado foi noticiado na mídia local e internacional. O nome de Caruana Galizia começou a ser tendência mundial no Twitter, e vários malteses expressaram seu luto ocultando suas fotos de perfil no Facebook. A hashtag #JeSuisDaphne, ecoando o termo #Je suis Charlie, foi tendência local.[44][50]

The Malta Independent escreveu que "para muitas pessoas, consultar o seu blogue era a primeira coisa que faziam todos os dias, e a última coisa também. Agora existe apenas o vazio. Um silêncio que fala por si."[36][36] A versão diária e semanal da sua coluna foram publicadas como páginas em branco nos dias que se seguiram à sua morte.[51]

Milhares de pessoas participaram numa vigília em Sliema, cidade natal de Caruana Galizia, na noite de 16 de Outubro.[50] Outra vigília foi realizada no Alto Comissariado de Malta em Londres.[52]

O fundador da WikiLeaks, Julian Assange, ofereceu uma recompensa de 20.000€ "por informações que levassem à condenação dos assassinos de Caruana Galizia".[53] Foi iniciada uma campanha de crowdfunding com o objectivo de angariar 1 milhão de euros para recompensar quem desse informações que conduzissem "ao processo judicial contra o assassino e contra a pessoa ou pessoas que ordenaram o assassinato". Isto foi seguido por outra recompensa sancionada pelo estado de € 1 milhão.[54]

Alunos, ex-alunos, professores, pais e membros da comunidade de San Anton realizaram uma vigília pacífica das portas da cidade ao Monumento do Grande Cerco em Valletta, em apoio à família Caruana Galizia. Os três filhos de Daphne Caruana Galizia eram todos alunos da Escola San Anton.[55]

A 22 de Outubro de 2017, a Rede da Sociedade Civil organizou um protesto exigindo justiça em Valletta. Milhares de manifestantes exigiram justiça após o ataque e pediram a demissão imediata do Comissário de Polícia e do Procurador-Geral.[56]

Vários dos manifestantes que participaram namanifestação, foram à delegacia de Floriana pedir a demissão do comissário. Depois de protestarem sentados, à frente da porta principal, colocaram um banner com uma foto do chefe de polícia, Lawrence Cutajar, acompanhada pelas as palavras "Sem mudança, sem justiça - irrizenja (renúncia)!" foi colocado no portão da sede.[57]

Em 17 de Abril de 2018, um consórcio de 45 jornalistas de 18 organizações de notícias, incluindo The Guardian, The New York Times, Le Monde e The Times of Malta, publicou The Daphne Project, um esforço colaborativo para concluir o trabalho de investigação de Caruana Galizia.[58]

Após sua morte, multidões reuniram-se em frente ao Tribunal de Justiça, para lamentar e expressar solidariedade à família Caruana Galizia e para exigir justiça. O Monumento do Grande Cerco tornou-se um ponto central dos protestos e apelos por justiça, com homenagens, memoriais e vigílias realizadas lá com frequência.[59] A escolha deste monumento como local de protesto, embora estrategicamente localizado em frente aos tribunais, foi espontânea, dando sequência às flores que ali foram colocadas pela primeira vez pelos alunos da Escola San Anton.[60]

O Prêmio GUE / NGL para Jornalistas, Denunciantes e Defensores do Direito à Informação foi nomeado em homenagem a Caruana Galizia em 2018 e novamente em 2019.[61] É patrocinado pelo Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia / Esquerda Nórdica Verde, membros da ala esquerda do Parlamento Europeu. O prémio é "dedicado a indivíduos ou grupos que foram intimidados e / ou perseguidos por descobrir a verdade e expô-la ao público".[62]

Parlamento Europeu[editar | editar código-fonte]

O Parlamento Europeu fez um minuto de silêncio em homenagem a Caruana Galizia. A sala de imprensa do Parlamento Europeu em Estrasburgo foi nomeada em sua memória em Novembro de 2017.[63][64]

Um retrato dela, pintado por Marie Louise Kold, agora está pendurado do lado de fora da sala de imprensa.[65]

Investigação das circunstâncias do ataque com carro-bomba[editar | editar código-fonte]

Memorial improvisado

Equipas forenses e investigadores da polícia chegaram à cena do crime logo após a explosão. O chefe do inquérito, inicialmente estava previsto que o inquérito fosse liderado pela a magistrada Consuelo Scerri Herrera, que no passado havia processado Caruana Galizia por difamação. A família de Caruana Galizia questionou com o papel de Scerri Herrera na investigação, alegando um conflito de interesses. Herrera retirou-se da investigação 17 horas depois e foi substituída pelo magistrado Anthony Vella, que foi retirado do processo após ser nomeado juiz.[66]

Joseph Muscat declarou que o Federal Bureau of Investigation (FBI) dos Estados Unidos foi convidado a ajudar a polícia na investigação do ataque com carro-bomba.[43] Uma equipa de investigação forense da polícia holandesa também foi para ajudar.[67] Aos investigadores também se juntaram três funcionários da Europol. As equipes estrangeiras forneceram suporte técnico.[68][69]

A 4 de Dezembro de 2017, Joseph Muscat anunciou a prisão de dez homens ligados à investigação, três dos quais foram posteriormente acusados ​​de executar o ataque.[70][71]

Os suspeitos foram identificados como George Degiorgio, o seu irmão Alfred Degiorgio e o amigo Vince Muscat (nenhuma relação com Joseph Muscat, o ex-primeiro-ministro). Nenhum deles foi levado a julgamento nem os intermediários e mandantes foram identificado.[72]

O proeminente empresário maltês Yorgen Fenech foi preso no dia 20 de Novembro de 2017, pelo o ataque à bomba em Caruana Galizia. O chefe do Estado-Maior Keith Schembri renunciou ao cargo no governo, no dia 26 de Novembro de 2019 e foi posteriormente preso pela polícia para interrogatório.[24][27] Posteriormente, foi anunciado que Fenech, não teria imunidade para revelar o que sabia sobre o caso.[73][74]

Foram realizados inúmeros protestos a pedir que o primeiro-ministro Joseph Muscat renunciasse ao cargo, em parte por causa da sua suposta ligação ao assassinato de Daphne.[75]

Muscat anunciou em 1 de Dezembro de 2019 que devido à crise política ia renunciar, e que permaneceria no cargo até que um novo líder do Partido Trabalhista fosse eleito em Janeiro, renunciando formalmente como primeiro-ministro alguns dias depois de 12 de Janeiro de 2020.[76]

Funeral[editar | editar código-fonte]

O corpo de Caruana Galizia foi entregue à família no dia 27 de Outubro de 2017, e o funeral público teve lugar no dia 3 de Novembro de 2017 no Rotunda of Mosta.[77][78] Milhares compareceram no funeral.[79] Foi declarado luto nacional nesse dia em Malta.[80] A missa foi conduzida pelo arcebispo de Malta Charles Scicluna, que na homilia disse aos jornalistas: "para nunca se cansarem da sua missão de serem os olhos, os ouvidos e a boca do povo." [81]

A Presidente Marie-Louise Coleiro Preca e O Primeio Ministro Joseph Muscat não estiveram presentes no funeral, disseram que a família de Caruana Galizia tornara claro que não seriam bem vindos.[82] O líder da oposição, Adrian Delia, foi "notável por sua ausência".[83]

Entre as pessoas no funeral estavam vários altos funcionários: Silvio Camilleri, Chief Justice of Malta; Antonio Tajani, Presidente do Parlamento Europeu; Harlem Désir, OSCE Representante da Liberdade nos Media; Eddie Fenech Adami, ex Presidente de Malta e antigo líder do Nationalist Party; Lawrence Gonzi, ex Primeiro Ministro de Malta e antigo líder do Nationalist Party; e Simon Busuttil, antigo líder do Nationalist Party.[83]

Prémios e homenagens póstumas[editar | editar código-fonte]

Homenagens póstumas[editar | editar código-fonte]

  • 2017 - Salle Daphne Caruana Galizia - inauguração da sala de imprensa, no Edifício do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, França.[84]
  • 2017 - Personalidade do ano, La Repubblica, Itália [85]
  • 2018 -Título Honorário do Dia da Diferença, Brussels University Alliance, Bruxelas, Bélgica [86]
  • 2018 - Comemoração, Themis & Metis, Camera dei Deputati, Roma, Itália [87]
  • 2018 - Comemoração do War Reporters Memorial, Reporters Without Borders, Bayeux, França [88]

Prémios criados em sua homenagem[editar | editar código-fonte]

  • 2017 - Prémio Leali delle Notizie - prémio dedicado a Daphne Caruana Galizia, Ronchi dei Legionari, Itália [89]
  • 2018 - Libera Ragusa Presidio dedicado à memória de Daphne Caruana Galizia [90]
  • 2018 - Prémio para jornalistas, denunciantes e defensores do direito à informação, dedicado a Daphne Caruana Galizia, GUE / NGL, Estrasburgo, França [91]
  • 2018 - Memorial do Newseum - re-dedicado, Newseum, Washington DC, EUA [92]

Prémios Póstumos[editar | editar código-fonte]

  • 2017 - Prémio Holme [93]
  • 2017 - Reporter Preis, Reporter Forum, Berlim, Alemanha [94]
  • 2017 - Pegaso d'Argento, Conselho Regional da Toscana, Itália [95]
  • 2017 - Premio Giornalisti, Associação de Jornalistas da Toscana, Itália [96]
  • 2018 - Nothing But The Truth, Fundação Giuseppe Fava, Catania, Itália [97]
  • 2018 - Tully Award for Free Speech, Tully Center for Free Speech, Newhouse School, Syracuse University, EUA [98]
  • 2018 - Prémio Civitas, Associazione Nazionale Donne Elettrici (ANDE), Nocera, Itália [99]
  • 2018 - The Astor Award, Commonwealth Press Union Media Trust, Londres, Reino Unido [100]
  • 2018 - Prémio Anna Politkovskaya, Clube Nacional de Imprensa Sueco, Estocolmo, Suécia [101]
  • 2018 - Prémio Mario Francese, Ordem dos Jornalistas da Sicília, Palermo, Itália [102]
  • 2018 - Prémio Conscience in Media, American Society of Journalists and Authors, New York City [103]
  • 2018 - Prémio Contribution to Society, European Leadership Awards, Bruxelas, Bélgica [104]
  • 2018 - PEC 2018, Press Emblem Campaign, Genebra, Suíça [105]
  • 2018 - Prémio Luca Colletti, Roma, Itália [106]
  • 2018 - MCCV Annual Award, Maltse Community Council of Victoria, Austrália [107]
  • 2018 - Prémio Anticorrupção, Transparency International [108]
  • 2018 - Prémio Europeo Giornalismo Giudiziario e Investigativo, Taormina, Itália [67]
  • 2018 - Prémio Martin Adler, Rory Peck Trust, Londres, Reino Unido [109]
  • 2018 - Golden Victoria for Press Freedom, German Free Press & VDZ, Berlim, Alemanha.[110]
  • 2020 - Guardian Award, Association of Certified Fraud Examiners, Austin, Texas, EUA [111]

Bibliografia seleccionada[editar | editar código-fonte]

  • Debono; Muscat, eds. (2017), Invicta: The Life and Work of Daphne Caruana Galizia. Pertinent Press. [S.l.: s.n.] [112][113]
  • Bonini, Carlo; Delia, Manuel; Sweeney, John (2019), Murder on the Malta Express: Who Killed Daphne Caruana Galizia?, Midsea Press [114]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Daphne Caruana Galizia» (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  2. a b c «When hell broke loose». MaltaToday.com.mt (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  3. a b Schiavone, Michael J. (2009). Dictionary of Maltese Biographies Vol. 1 A-F. Pubblikazzjonijiet Indipendenza. [S.l.: s.n.] pp. 503–04. ISBN 9789993291329 
  4. a b c d «Editorial». Taste&Flair. Proximus Publishing 
  5. a b c Caruana Galizia, Daphne (4 de setembro de 2016). «British millionaire author puts Naxxar house on the international market for €10 million». Running Commentary: Daphne Caruana Galizia's notebook 
  6. a b c Ganado, Philip Leone. «Caruana Galizia: her biggest stories and the controversies». Times of Malta. Times of Malta 
  7. a b Caruana, Claire (22 de outubro de 2017). «Daphne's last magazine to go ahead». The Times of Malta. The Times of Malta. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2017 
  8. a b Grey, Stephen (12 de setembro de 2020). «The Silencing of Daphne». Reuters. Reuters. Consultado em 12 de setembro de 2020 
  9. a b «Malta journalist Caruana Galizia: Anti-corruption warrior». BBC News. 17 de outubro de 2017. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2017 
  10. a b «Caruana Galizia questioned by police for breaching 'political silence'». The Times of Malta. The Times of Malta. 8 de março de 2013. Cópia arquivada em 22 de abril de 2017 
  11. «Daphne Caruana Galizia... Malta's most controversial journalist». Times of Malta (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  12. a b «Row in Malta over Queen's crumbling former home». The Daily Telegraph. 30 de abril de 2015. Consultado em 29 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2015 
  13. a b c d Ganado, Philip Leone. «Daphne Caruana Galizia... Malta's most controversial journalist». Times Malta. Times Malta  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "times2017-10-16" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  14. «Konrad Mizzi's and Sai Mizzi Liang's Easter lunch – Daphne Caruana Galizia's Notebook | Running Commentary». Daphne Caruana Galizia's Notebook | Running Commentary. 22 de fevereiro de 2016. Consultado em 12 de setembro de 2020 
  15. «New Zealand: Konrad Mizzi has lied to parliament, to the press and to his party – Daphne Caruana Galizia's Notebook | Running Commentary». Daphne Caruana Galizia's Notebook | Running Commentary. 2016. Consultado em 12 de setembro de 2020 
  16. Xuereb, Matthew (28 de fevereiro de 2016). «Konrad Mizzi has no regrets over acquisition of company in Panama; PM's chief also has Panama company, say reports». The Times of Malta. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  17. Vella, Matthew (4 de abril de 2016). «EXPLAINER – From Panamagate to Panama Papers». Malta Today. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  18. «Daphne Caruana Galizia named by 'Politico' as among 28 people 'shaping Europe'». The Malta Independent. 7 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de abril de 2017 
  19. «Daphne Caruana Galizia». Politico. Cópia arquivada em 22 de abril de 2017 
  20. «Christian Kalin of Henley & Partners knew back in March that the general election was imminent». Daphne Caruana Galizia's Notebook. Running Commentary. 12 de maio de 2017. Consultado em 9 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  21. a b «The death of a crusading journalist rocks Malta». The Economist. 21 de outubro de 2017. ISSN 0013-0613. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  22. «That crook Schembri was in court today, pleading that he is not a crook». Daphne Caruana Galizia. 16 de outubro de 2017. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 11 de junho de 2019 
  23. a b «Malta businessman held on yacht in journalist murder probe». BBC News (em inglês). 20 de novembro de 2019. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  24. a b «Malta Caruana murder: Resignations spark government crisis». BBC. 26 de novembro de 2019. Consultado em 26 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2019 
  25. Raphael Vassallo (26 de novembro de 2019). «Malta's Muscat feels the heat over journalist's murder case». Politico. The power station deal has been mired in controversy since 2016, when the Panama Papers leak revealed that Schembri and Mizzi (who was energy minister and later tourism minister) had opened offshore companies that received cash from a mysterious company called 17 Black. 
  26. Carabott, Sarah (2 de dezembro de 2019). «'Tell the world Muscat is not Malta': thousand march as protests continue». Times of Malta. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  27. a b «Keith Schembri under arrest, along with Yorgen Fenech's doctor». The Times of Malta. 27 de novembro de 2019. Consultado em 15 de setembro de 2020. 'I don't think we know exactly whether he is being questioned or what he is being questioned about, so let's take it one step at a time', [the PM] said" 
  28. «Magistrate Scerri Herrera withdraws court case against Caruana Galizia». The Times of Malta. 23 de novembro de 2011. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  29. Johnston, Waylon (12 de fevereiro de 2010). «Daphne Caruana Galizia expected to face charges of defamation». The Time of Malta. Cópia arquivada em 22 de abril de 2017 
  30. Kirchgaessner, Stephanie (2 de fevereiro de 2018). «Bank criticised by Daphne Caruana Galizia under scrutiny in Brussels». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2019 
  31. «Pilatus filed lawsuit in the USA against Daphne Caruana Galizia. She never knew.». Truth Be Told. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  32. «Pilatus Bank sent legal threats to newspapers 12 hours before Caruana Galizia's murder». lovinmalta.com. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2019 
  33. «Caruana Galizia's accounts frozen as Cardona sues; 'terrible implications for press freedom'». The Malta Independent. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 22 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  34. Bonnici, Julian (21 de outubro de 2017). «Daphne Caruana Galizia's libel suits can still continue – lawyer Joseph Zammit Maempel». The Malta Independent. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  35. Garside, Juliette (16 de outubro de 2017). «Malta car bomb kills Panama Papers journalist». The Guardian. London, UK. Consultado em 16 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  36. a b c d «The death of a crusading journalist rocks Malta». The Economist. 18 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2017 
  37. a b Bonnici, Julian (22 de outubro de 2017). «Daphne Caruana Galizia assassination: A week and a crime like no other». The Malta Independent. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  38. Camilleri, Ivan (21 de outubro de 2017). «Caruana Galizia's police protection 'relaxed' after 2013 election». The Times of Malta. Malta. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  39. «Public inquiry into the assassination of Daphne Caruana Galizia» (PDF). Bhatt Murphy Solicitors. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 21 de janeiro de 2019 
  40. Sansone, Kurt (19 de outubro de 2017). «Caruana Galizia family refuse to endorse state reward for Daphne's murder». Malta Today. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  41. «Daphne's sister says President, PM 'downplaying assassination'». The Malta Independent. 22 de outubro de 2017. Consultado em 23 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2017 
  42. «Daphne Caruana Galizia killed in Bidnija car blast». The Times of Malta. 16 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  43. a b «FBI asked to help investigate Caruana Galizia murder – Muscat». The Times of Malta. 16 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  44. a b c «Shock, outrage and concern: reactions to Caruana Galizia's murder pour in». The Times of Malta. 16 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  45. Bonnici, Julian (17 de outubro de 2017). «EC condemns 'horrific' murder of Caruana Galizia; EPP calls for full inquiry». The Malta Independent. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2017 
  46. «ICIJ condemns car bomb death of Maltese investigative journalist». International Consortium of Investigative Journalists. 16 de outubro de 2017. Consultado em 17 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  47. «European Parliament press room named after Daphne Caruana Galizia». The Brussels Times. 25 de outubro de 2017. Consultado em 25 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2017 
  48. «EU Parliament to debate Malta's rule of law: Delegation being sent to Malta». The Times. Malta. 26 de outubro de 2017. Consultado em 26 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2017 
  49. Henley, Jon (20 de outubro de 2017). «Pope writes rare letter of condolence after murder of Daphne Caruana Galizia». The Guardian. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2017 
  50. a b «Thousands mourn Caruana Galizia at Sliema vigil». The Times of Malta. 16 de outubro de 2017. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  51. «TMIS, like TMI on Thursday, honours Daphne with empty page instead of her article». The Malta Independent. 27 de outubro de 2017. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2017 
  52. «Velja f'Londra wara l-qtil ta' Daphne Caruana Galizia». NET News (em maltês). 16 de outubro de 2017. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  53. «Julian Assange offers €20k reward for information on Caruana Galizia murder». Malta Today. 16 de outubro de 2017. Consultado em 18 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2017 
  54. «Malta offers 1 million-euro reward to find journalist's killers». Reuters. 21 de outubro de 2017. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2017 
  55. «San Anton students remember Caruana Galizia in peaceful vigil». The Times. Malta. 22 de outubro de 2017. Consultado em 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2017 
  56. «Thousands demand resignation of Police Commissioner, Attorney General». The Times. Malta. 22 de outubro de 2017. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2017 
  57. «Protesters sit down on road in front of police HQ to demand commissioner's resignation». The Malta Independent. 22 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2017 
  58. «Breathing new life into a murdered journalist's work». Columbia Journalism Review (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  59. «Caruana Galizia memorial swept away hours after protest». The Times of Malta. Malta. 17 de dezembro de 2018. Consultado em 17 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2018 
  60. Brincat, Edwina (14 de janeiro de 2019). «Activist says she visits Daphne memorial twice a day». The Times of Malta. Malta. Consultado em 14 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2019 
  61. «Shortlist unveiled for 'Journalists, Whistleblowers and Defenders of the Right to Information' award». GUENGL. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  62. «GUE/NGL The Group». GUENGL. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 6 de abril de 2019 
  63. «Inauguration of the Daphne Caruana Galizia Press room: extracts from the ceremony». European Parliament. 14 de novembro de 2017. Consultado em 4 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de junho de 2018 
  64. «Media advisory official: naming of the Daphne Caruana Galizia press conference room in Strasbourg». European Parliament. 10 de novembro de 2017. Consultado em 4 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2019 
  65. «Portrait of Daphne Caruana Galizia unveiled in European Parliament». The Shift News. 23 de outubro de 2018. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2019 
  66. «Magistrate Scerri Herrera abstains from Caruana Galizia inquiry – Magistrate Anthony Vella to take over». The Times of Malta. Malta. 17 de outubro de 2017. Consultado em 26 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2017 
  67. a b «Un anno fa a Malta l'assassinio di Daphne Caruana Galizia. Il 28 ottobre a Taormina sarà consegnato ai suoi familiari il "Premio Europeo di Giornalismo giudiziario e investigativo"». La Notizia Giornale. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  68. Amaira, Ruth (26 de outubro de 2017). «Europol to help Maltese Police in their investigations into Daphne Caruana Galizia murder». TVM News. Consultado em 26 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2017 
  69. «Malta blogger Daphne Caruana Galizia dies in car bomb attack». BBC News. 16 de outubro de 2017 
  70. Jon Stone (2017). «Daphne Caruana Galizia murder: Three charged over killing of Maltese journalist who exposed Panama Papers corruption». The Independent 
  71. «Malta arrests 10 over blogger murder». BBC News. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2018 
  72. «Malta criticised over journalist murder probe». BBC News. 29 de maio de 2019. Consultado em 6 de junho de 2019. Cópia arquivada em 6 de junho de 2019 
  73. «Daphne Caruana Galizia: Malta suspect will not get immunity». BBC News. 30 de novembro de 2019. Consultado em 4 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2019 
  74. Garside, Juliette (2 de novembro de 2019). «Maltese PM's aide accused of being mastermind of Caruana Galizia killing». The Guardian. Consultado em 4 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2019 
  75. Cvorak, Monika; Chulani, Nikhita (6 de dezembro de 2019). «Why Malta is in crisis over the murder of Daphne Caruana Galizia – video explainer». The Guardian. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  76. Garside, Juliette (1 de dezembro de 2019). «Malta's PM quits in crisis over Daphne Caruana Galizia murder». The Guardian. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  77. «Last farewell for Daphne Caruana Galizia». TVM News. 3 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  78. Demicoli, Keith (27 de outubro de 2017). «Daphne Caruana Galizia's remains released for burial». TVM News. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  79. «Thousands attend funeral of murdered Maltese journalist». Euronews. 3 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  80. «National day of mourning on Friday to mark Caruana Galizia funeral». The Times of Malta. Malta: The Times of Malta. 1 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  81. «Daphne's funeral: We need unshackled journalists – Archbishop Scicluna». The Malta Independent. 3 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  82. «Muscat, Coleiro Preca not welcome for Caruana Galizia's funeral». Malta: The Times of Malta. 2 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  83. a b «Hundreds flock to Mosta to bid Daphne Caruana Galizia farewell». Malta: The Times of Malta. 3 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  84. «European Parliament Agenda» (PDF). Parlamento Europeu. 13 de novembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  85. «Perché Daphne è la persona dell'anno 2017». La Repubblica. 21 de dezembro de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  86. «DIFFERENCE DAY HONORARY TITLE 2018: Daphne Caruana Galizia and her family». Difference Day - World Press Freedom Day. 5 de maio de 2018. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  87. «CONVEGNO – Giornalismo d'inchiesta pilastro di democrazia». Camera dei Deputati, Italia - Parlamento Italiano. 4 de outubro de 2018. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  88. «Memorial of the reporters: "We see the steles filled with names and we realize"». Tellerreport. 12 de outubro de 2018. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  89. «Premio Daphne Caruana Galizia». Leali delle Notizie. Leali del Notizie (Festival del Giornalismo di Ronchi dei Legionari). 7 de fevereiro de 2018. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  90. «Il Presidio LIBERA di Ragusa intitolato a Daphne Caruana Galizia». Ragusa Libera (em italiano). 1 de maio de 2019. Consultado em 2 de maio de 2019 
  91. «Kuciak and Halet win GUE/NGL prize for 'Journalists, Whistleblowers and Defenders of Right to Info'». Confederal Group of the European United Left/Nordic Green Left (GUE/NGL). Consultado em 15 de setembro de 2020 
  92. «NEWSEUM TO ADD 18 JOURNALISTS TO JOURNALISTS MEMORIAL ON JUNE 4». Newseum. Consultado em 19 de junho de 2019 
  93. «Holme Award given posthumously to Daphne Caruana Galizia – The Malta Independent». Malta Independent. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  94. «Reporter-Forum: 2017». reporter-forum.de. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  95. «Consiglio: Giani, Daphne Caruana Galizia esempio di giornalismo libero». Tuscan Regional Council 
  96. «Premio 'Giornalisti Toscani 2017' a Daphne Caruana Galizia, uccisa a Malta». Associazione Stampa Toscana. 15 de dezembro de 2017. Consultado em 19 de junho de 2019 
  97. «Nothing But The Truth award». Fondazione Giuseppe Fava. Consultado em 19 de junho de 2019 
  98. «2017 Tully Award for Free Speech Daphne Caruana Galizia». The Tully Center for Free Speech. Consultado em 19 de junho de 2019 
  99. «Daphne Caruana Galizia awarded Premio Civitas 2018». The Times of Malta. Malta. 14 de abril de 2018. Consultado em 19 de junho de 2019 
  100. «The Astor Award». Commonwealth Press Union Media Trust. 17 de abril de 2018. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  101. «Swedish National Press Club honours Daphne Caruana Galizia». The Times of Malta. Malta. 25 de abril de 2018. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  102. «Premio Mario Francese». Mario Giuseppe Francese. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  103. «American Society of Journalists and Authors Honors Courageous Journalist: Daphne Caruana Galizia Named ASJA's Conscience In Media Award Recipient». American Society of Journalists and Authors. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  104. «Winners of the European Leadership Awards 2018 announced at the European Business Summit». European Business Review. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 7 de maio de 2019 
  105. «PEC Award 2018». Press Emblem Campaign. Consultado em 19 de junho de 2019 
  106. «Premio Lucio Colletti: vince l'informazione». Giornalisti Italia. 16 de junho de 2018. Consultado em 19 de junho de 2019 
  107. «MCCV posthumously honours Daphne Caruana Galizia for contribution to democracy in Malta». Maltese Community Council of Victoria. 1 de agosto de 2018. Consultado em 19 de junho de 2019 
  108. «Anti- Corruption Award winner – Daphne Caruana Galizia (Posthumous)». Transparency International. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  109. «Martin Adler Prize 2018: Daphne Caruana Galizia». Rory Peck Trust. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  110. «Golden Victoria award for Daphne Caruana Galizia and Ján Kuciak». The Shift News. 2018. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 2019 
  111. «Daphne's message lives on». Fraud Magazine. Association of Certified Fraud Examiners. 2020. Consultado em 23 de junho de 2020 
  112. Muscat, Caroline (2017). Invicta: The Life and Work of Daphne Caruana Galizia (em inglês). [S.l.]: Pertinent Press 
  113. «Invicta The Life and Work of Daphne Caruana Galiza». www.goodreads.com. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  114. «Murder on the Malta Express». www.goodreads.com. Consultado em 15 de setembro de 2020 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]