Egan Bernal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Egan Bernal
Nascimento 13 de janeiro de 1997 (22 anos)
Bogotá
Cidadania Colômbia
Estatura 175 centímetros
Ocupação ciclista

Egan Arley Bernal Gómez (Bogotá, 13 de janeiro de 1997[1]) é um ciclista de estrada colombiano. Proveniente de uma família residente no município cundinamarquês de Zipaquirá em onde se criou e iniciou no ciclismo, iniciou sua carreira desde muito jovem no ciclismo de montanha competindo em categorias inferiores, onde conseguiu algumas medalhas de prata e bronze nos mundiais de 2014 e 2015 em categoria júnior.

Em 2016, fez a transição ao ciclismo de estrada ao ser contratado pela equipa italiana Androni Giocattoli-Sidermec de categoria Profissional Continental. Durante as temporadas 2016 e 2017 cumpriu com actuações destacadas ganhando a t-shirt do melhor jovem em várias concorrências e alguns triunfos na geral de corridas continentais e o Tour do Porvenir 2017 o que lhe valeu para ser contratado pela equipa Sky britânico de categoria UCI WorldTeam a partir da temporada 2018.

Entre suas conquistas, estão o Campeonato da Colômbia de Ciclismo Contrarrelógio e a Colômbia Oro e Paz ante os melhores ciclistas de seu país. Em 2019, Bernal tornou-se o primeiro latino-americano a ganhar o Tour de France.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos e início no ciclismo[editar | editar código-fonte]

Bernal nasceu em Bogotá no seio de uma família residente na localidade de Zipaquirá, departamento de Cundinamarca, constituída por seu pai Alemão, quem foi ciclista de estrada em sua juventude, sua mãe Luz Marinha e dois irmãos, o maior deles Egan. Foi precisamente seu pai quem o iniciou desde os cinco anos no caminho da bicicleta; aos oito anos participou em sua primeira corrida, ganhou-a e o prêmio consistia numa bolsa de formação numa escola de ciclismo onde permaneceu por mais de um ano. Posteriormente centrou-se no ciclo montanhismo baixo a direcção do ex ciclista de rota Fabio Rodríguez iniciando sua trajectória em categorias inferiores baixo a tutela de Rodríguez e a Fundação Mezuena.[3]

Trajectória em ciclomontanhismo[editar | editar código-fonte]

Em 2011 iniciou sua corrida no ciclismo de montanha (MTB), correndo em várias equipas amateur e profissionais, conseguindo triunfos em categorias júnior e cadete.[4]

2013[editar | editar código-fonte]

Em abril ganhou o Campeonato Panamericano na categoria cadete de MTB em Tucumán, Argentina, foi campeão latino americano cadete em Catamarca, Argentina, campeão nacional prejuvenil B em Colômbia e campeão nacional juvenil em Bacia, Equador.[5]

2014[editar | editar código-fonte]

Obteve uma destacada medalha de prata no Campeonato Mundial de Ciclismo de Montanha em categoria júnior em Hafjell, Noruega, secundando ao dinamarquês Simon Andreassen constituindo na surpresa da jornada por sua escassa experiência a nível internacional; também obteve medalha de bronze no Campeonato Panamericano de Ciclismo de Montanha em Brasil, depois foi medalha de ouro na Copa Nacional AMPM em Cartago, Costa Rica e ocupou o terceiro lugar na Junior Séries realizada em Vermont, USA.[6]

2015[editar | editar código-fonte]

Em março coroou-se campeão pan-americano júnior em Cota, Colômbia, sobrepondose a uma fractura de clavicula que requereu tratamento quirúrgico duas semanas dantes.[7] Foi campeão nas World Junior Séries realizadas em San Dimas, Califórnia, e obteve medalha de bronze no Campeonato Mundial de Ciclismo de Montanha em categoria júnior em Vallnord (Andorra) competição à que chegou desta vez como primeiro no ranking mundial da categoria, escoltando no pódio novamente a Simon Andreassen e ao alemão Maximilian Brandl.[8]

Trajectória em ciclismo de estrada[editar | editar código-fonte]

2016[editar | editar código-fonte]

No final de 2015 permaneceu um tempo em Europa com a intenção de enrolar-se numa equipa de rota, foi apresentado a Gianni Savio proprietário da esquadra italiana Androni Giocattoli-Sidermec, de categoria profissional continental que o pôs a prova numa competição de categoria júnior, a Sognando Il Giro delle Fiandre, a ganhou, e imediatamente Savio o contratou por 4 temporadas sem ter cumprido 19 anos e sem ter nenhuma experiência em ciclismo em rota.[9] Alguns meses depois revelou que as provas realizadas no centro de estudos fisiológicos dirigido por Michele Bartoli arrojaram uns valores excepcionais nas provas de consumo máximo de oxigénio (VO2Max) o que confirmava o talento e potencial de seu novo pupilo.[10]

Em fevereiro estreia no ciclismo de estrada na prova francesa por etapas A Méditerranéenne a qual conseguiu terminar e inclusive assinar um top 10 numa das etapas.[11] Tempo depois confessou que adaptar à estrada não lhe foi tão fácil como pareceu, e nesta concorrência em particular na primeira etapa com chuva e baixas temperaturas pensou em abandonar a concorrência.[12] No entanto, os resultados começaram a chegar rapidamente, em março, na Settimana Internazionale Coppi e Bartali ganhou sua primeiro classificação dos jovens, lucro que voltar-se-ia habitual nas carreiras por etapas que correria daí em adiante.[13] Durante a temporada obteve a primeira posição na classificação dos jovens em 4 carreiras, uma delas o prestigioso Giro do Trentino, onde foi capaz de seguir o ritmo dos melhores escaladores e ficar dentro dos 10 melhores na etapa reina.[14] Ademais conquistou a classificação geral do Tour de Bihor em Rumania e uma quarta posição no Tour de Eslovénia e o Tour do Porvenir. Sua equipa ténia a expectativa de participar com Egan no Giro de Itália 2017; no entanto, ao não poder ganhar a Copa de Itália dependia de um convite que finalmente não se deu.[15]

2017[editar | editar código-fonte]

Iniciou a temporada com pé direito ganhando a classificação do melhor jovem na Volta a San Juan, mas foram suas sucessivas actuações na Tirreno Adriático, sua primeiro carreira WorldTour onde lutou pela classificação dos jovens com Bob Jungels, a Settimana Coppi e Bartali e o Tour dos Alpes nas que ganhou a classificação dos jovens se mostrando muito activo nas etapas de montanha, o que acordou o lance por ficharlo entre vários das melhores equipas do WorldTour; isto apesar de se encontrar em seu segundo ano de contrato dos quatro assinados com sua actual equipa e ter que pagar um prêmio dei valorizzazione por conceito de formação ciclística, para poder aceder a seus serviços. Das equipas interessadas era o Team Sky o mais opcionado em ficharlo para a próxima temporada.[16] Na segunda parte da temporada ganhou de maneira categórica o Tour de Saboya e o Tour de Sibiu por ampla margem, mostrando-se igual de intratable no Tour do Porvenir onde bateu claramente a seus rivais ganhando ademais duas etapas.[17] Imediatamente após obtido o título o Team Sky faz oficial seu contrato por esta equipa UCI WorldTeam a partir de 2018; confirmando com isso o que já se fala-va para vários meses.[18] Um dia dantes da confirmação oficial Chris Froome tinha manifestado sua satisfação pela chegada deste jovem escalador a sua equipa.[19] Para final de temporada cumpriu novamente uma actuação destacada como melhor jovem no Giro de Toscana e um 13° lugar em sua primeira clássica no WorldTour, o Giro da Lombardia e a sua vez a última concorrência com sua primeira equipa Androni Giocattoli, para o qual, graças aos pontos obtidos ao longo da temporada na Copa de Itália, lhe permitiu a ganhar e assegurar uma cota para participar no Giro de Itália de 2018.[20]

2018[editar | editar código-fonte]

Seu início de temporada e primeira corrida com sua nova equipa Team Sky foi na Austrália na competição Tour Down Under de categoria WorldTour, indo desta vez como chefe de equipa de uma escuadra muito jovem cumprindo com o objectivo de fazer com a maillot de melhor jovem e ocupando o 6° lugar na classificação geral.[21] Posteriormente regressou ao seu país com a finalidade de participar no os Campeonatos da Colômbia de Ciclismo na cidade de Medellín ganhando a medalha de ouro na modalidade de contrarrelógio e sendo peça finque para sua que colega de equipa Sergio Henao ganhasse a medalha de ouro na prova de estrada.[22] Foi seleccionado pela sua equipa para participar na primeira edição da Colômbia Ouro e Paz de categoria Continental 2.1 como gregário de Sergio Henao, nas etapas de montanha não perdeu tempo e começou a se mostrar mais forte do que o seu chefe de equipa chegando à última etapa com chegada em alto a Manizales com uma desvantagem de poucos segundos com respeito ao líder Nairo Quintana. A faltar quase três quilómetros para a meta lançou um ataque que tomou por surpresa ao grupo dos líderes conseguindo recuperar em meta a sua desvantagem fazendo com o título da prova conformando um pódio de luxo por adiante de seus compatriotas Nairo Quintana e Rigoberto Urán.[23] Em março foi incluído na equipa que devia suportar a seu compatriota Sergio Henao na disputa da sua primeiro prova com a equipa na Europa, a Volta a Catalunha; mostrando-se novamente muito consistente e como o principal rival na classificação geral de Alejandro Valverde ao que secundou na quarta etapa com chegada à Molina.[24] Para a última fracção chegava como segundo na geral e como o melhor dos jovens; no entanto, a má sorte privou-lhe do seu primeiro pódio no World Tour por uma queda perto de meta que lhe ocasionou uma dupla fractura na clavícula e a escápula que obrigá-lo-ia a ausentar-se das estradas por um tempo indeterminado.[25] Por fortuna as fracturas não foram extensas, pelo qual não requereu cirúrgia e foi capaz de retomar cedo os treinamentos para se apresentar ao Tour da Romandia com a equipa, desta vez liderado por Geraint Thomas; foi na terceira etapa, uma crono escalada de 9,8 km, que de maneira surpreendente e ante grandes nomes do pelotão como Steven Kruijswijk, Richie Porte e Primoz Roglic conseguiu o seu primeiro triunfo no World Tour.[26] Ao dia seguinte na etapa reina atacou na ascensão final ao líder Roglic que se mostrou sólido e não cedeu tempo; depois da etapa final Bernal ocupou o segundo lugar no pódio desde a sua queda na Volta a Catalunh e fez-se à classificação de melhor jovem.[27]

2019[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Palmarés[editar | editar código-fonte]

2016

  • Tour de Bihor, mais 1 etapa

2017

  • Tour de Saboya, mais 2 etapas
  • Tour de Sibiu, mais 2 etapas
  • Tour do Porvenir, mais 2 etapas

2018


2019

Equipas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Egan Bernal, un campeón desde antes de nacer». El Espectador.com (em espanhol) 
  2. «Egan Bernal se torna o 1º colombiano a vencer a Volta da França». Metrópoles. 28 de julho de 2019. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  3. Franco Videla. «Egan Bernal, del MTB al Androni-Sidermec: "La ruta siempre ha sido mi pasión"» (em espanhol) 
  4. Jiří Svoboda, Michael Šimek. «Egan Arley Bernal Gomez». MTB Croos Country (em inglês) 
  5. «El ciclista, oriundo de Zipaquirá, se coronó campeón Panamericano de Mountain Bike en la categoría cadete.» (em espanhol) 
  6. Jhon Fredy Valencia. «Campeonato Mundial XC: Egan Bernal otro nuevo medallista colombiano». Nuestro Ciclismo (em espanhol) 
  7. «Egan Bernal campeón Panamericano júnior - USA, oro en femenino». mtbcolombia.com 
  8. Prensa Federación Colombiana de Ciclismo. «Campeonato Mundial XC: Egan Bernal otro nuevo medallista colombiano». Nuestro Ciclismo (em espanhol) 
  9. «"Sognando Il Giro delle Fiandre" parla colombiano» (em italiano) 
  10. Fernando Llamas. «La 'bestia' que viene» 
  11. «La Méditerranéenne: Egan Bernal, en Top 10 de la etapa. Jan Bakelants el ganador en Bordiguera. Andriy Grivko, nuevo campeón» (em espanhol) 
  12. Fernando Llamas. «Egan Bernal: "Me daba miedo ir al Sky"» 
  13. Inserito Lunedì. «Pavullo Nel Frignano – Il Colombiano Egan Bernal "Campeon" Dei Giovani Alla Settimana Internazionale Di Coppi E Bartali» (em italiano) 
  14. Paolo Marabini. «Bernal, dalla penna alla strada ispirato da Nibali» 
  15. Fernando Llamas. «Egan Bernal: "Quería y quiero ir al Giro, pero no es la única carrera"» (em espanhol) 
  16. Stephen Farrand. «Bernal shows why Team Sky and Movistar want to sign him for 2018» (em inglês) 
  17. «El colombiano Egan Bernal gana el Tour del Porvenir» (em espanhol) 
  18. «Team Sky contrata Egan Bernal - Team Sky are delighted to announce that Tour de l'Avenir winner Egan Bernal will ride for the team from next season». teamsky.com (em espanhol) 
  19. Philippe Tremblay. «eam Sky have signed Colombian climber Egan Bernal according to Chris Froome» (em espanhol) 
  20. Stephen Farrand. «Bernal ready to step up to WorldTour level with Team Sky» (em espanhol) 
  21. Zeb Woodpower. «Tour Down Under: Bernal passes Willunga Hill test» (em espanhol) 
  22. Andrés Piedrahita. «Egan Bernal es el nuevo campeón de la contrarreloj en Colombia» (em espanhol) 
  23. «El juvenil Bernal, del Sky, es el campeón de la Colombia Oro y Paz» 
  24. Franco Videla. «Valverde vence en La Molina ante un espectacular Bernal y recupera el liderato» (em espanhol) 
  25. «Bernal diagnosed with shoulder fractures after Catalunya crash» (em espanhol) 
  26. «Tour de Romandía: Egan Bernal maravilla de nuevo» (em espanhol) 
  27. «Tour de Romandía: Egan Bernal título de los jóvenes y segundo en general. Winner Anacona en fuga del día. Primoz Roglic, campeón» (em espanhol) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]