Ensino médio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ensino Médio)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O ensino médio é um nível ou subsistema de ensino com características diferentes conforme o país. Em muitos países, corresponde à totalidade ou a parte do ensino secundário ministrado a adolescentes com idades compreendidas entre os 10 e os 19 anos. Em outros países, contudo, pode corresponder a um nível de ensino pré-secundário ou pós-secundário.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Até 1967, o ensino médio era dividido em três cursos e compreendia o curso científico, o curso normal e o curso clássico. Na sequência, resolveu-se mudá-lo e passar a chamá-lo de curso "colegial", também dividido, sendo que os três primeiros anos eram iguais para todos e, posteriormente, quem quisesse fazer o antigo Normal e o Clássico tinha de fazer mais um ano.

Desde 1996, no Brasil, corresponde, ao ensino médio (antigamente chamado de segundo grau), a etapa do sistema de ensino equivalente à última fase da educação básica, cuja finalidade é o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, bem como a formação do cidadão para etapas posteriores da vida.[1]

A Lei n.º 9 394, de 31 de dezembro de 1996, denominada Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), estabelece sua regulamentação específica e uma composição curricular mínima obrigatória.

O ensino médio dura três anos. O mínimo é de 2 400 horas de aula ao longo de três anos. Os estudantes devem ter concluído o ensino fundamental antes de serem autorizados a inscrever-se no ensino médio. A grade curricular do ensino médio compreende as disciplinas de português (incluindo o idioma Português e as literaturas portuguesa e brasileira), língua estrangeira (Inglês geralmente. Também espanhol e, hoje muito raramente, francês.), história, geografia, arte, matemática, física, química, educação física e biologia. Recentemente, filosofia e sociologia, que foram proibidos durante a ditadura militar (1964-1985), tornaram-se obrigatórios novamente.

Segundo o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)[2] de 2013, cujo resultado foi divulgado em setembro de 2014, o ensino médio no Brasil atingiu nota 3,7, abaixo da meta do Governo do Brasil e da média dos países desenvolvidos (6,0). A taxa de reprovação e abandono beira os 30% no 1º ano. 1,7 milhão de jovens entre 15 a 17 anos – correspondente à faixa etária regular do ensino médio – estão fora da escola.[3][4][5]

É possível ter a formação técnica, através de cursos em diversas áreas. Esses cursos normalmente são iniciados durante o 2º e 3º anos do ensino médio, ou iniciados após o termino desses anos. Essas instituições têm, geralmente, uma maior quantidade de horas por semana. A instrução do curso técnico tem duração normalmente de um ano e meio a dois anos.[6]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, o ensino médio constituía o nível superior do ensino técnico-profissional, constituindo um dos antecessores do atual ensino politécnico. Entrou em extinção em meados da década de 1970, quando da progressiva transformação dos seus estabelecimentos de ensino em escolas de ensino superior

Dividia-se em ensino médio industrial, em ensino médio comercial e em ensino médio agrícola. O primeiro era ministrado em institutos industriais e destiva-se a formar auxiliares de engenharia nas áreas de eletrotecnia e máquinas, construções civis e minas e química industrial. O ensino comercial destinava-se a formar auxiliares de administração e contabilistas, sendo ministrado em institutos comerciais. O terceiro destinava-se a preparar regentes agrícolas. Existiram também institutos industriais e comerciais que ministravam tanto o ensino industrial como o comercial.

Este tipo de ensino entrou em extinção, a seguir ao 25 de abril de 1974, com a sucessiva transformação das suas escolas em estabelecimentos de ensino superior. As dificuldades surgidas com o desaparecimento do ensino médio levaram à criação do ensino politécnico onde acabaram por ser integradas as antigas escolas de ensino médio. O ensino médio foi definitivamente extinto em Portugal com a entrada em vigor da Lei de Bases do Sistema Educativo publicada em 1986.

Outros países[editar | editar código-fonte]

Na maioria dos países, onde o ensino médio existe com esta designação, o mesmo corresponde a um nível de ensino pré-secundário, aproximadamente correspondente aos 2º e 3º ciclos do ensino básico de Portugal ou aos cinco anos finais do ensino fundamental do Brasil. Normalmente, é ministrado a jovens com idades entre os 10 e os 16 anos. O ensino médio com estas caraterísticas existe em países como a Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, Itália, Lituânia, Países Baixos, Reino Unido e Turquia.

Em outros países contudo, o ensino médio corresponde a outros níveis de ensino. Em países como o Chile e a Hungria, o ensino médio corresponde aproximadamente ao ensino médio brasileiro ou ao ensino secundário português. Já na Islândia, o ensino médio tem caraterísticas semelhantes ao antigo ensino médio de Portugal, consistindo numa formação intermediária entre o ensino secundário e o ensino superior.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Como lidar com a etapa final da formação: http://educarparacrescer.abril.com.br/listas/ensino-medio-691727.shtml
  2. «Site Oficial do Ideb (Inep/Mec)». 
  3. JÔNATAS DIAS LIMA (05/09/2014). «Ideb 2013: Ensino médio piora em 16 estados e fica abaixo da meta prevista pelo governo». Jornal Gazeta do Povo. Consultado em 24/09/2014. 
  4. MAURI KÖNIG E BRUNA KOMARCHESQUI (01/07/2014). «Educação: Exclusão na pré-escola afeta também o ensino médio». Jornal Gazeta do Povo. Consultado em 24/09/2014. 
  5. JACIR J. VENTURI (11/09/2014). «O ensino médio continua ruim, mas pode melhorar». Jornal Gazeta do Povo. Consultado em 24/09/2014. 
  6. «Cursos técnicos são o caminho mais rápido para o mercado de trabalho». Jornal Hoje. G1. 17 de maio de 2010. Consultado em 1 de junho de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]