Espada e feitiçaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Espada & Feitiçaria)
Ir para: navegação, pesquisa
Capa da revista Weird Tales (1934) com o conto Devil in Iron, um conto de Conan, original de Robert E. Howard

Numa tradução literal espada e feitiçaria,[1] ou espada e magia, (sword and sorcery, no original)[2] é um sub-gênero da fantasia e da fantasia histórica, geralmente caracterizado por heróis espadachins envolvidos em conflitos emocionantes e violentos. Um elemento de romance está sempre presente, como um elemento de magia e do sobrenatural. Ao contrário de obras de alta fantasia, os contos, embora dramático, concentrar-se principalmente em batalhas pessoais, em vez de questões mundialmente pondo em perigo. Um gênero de filme tangencialmente relacionado com espada e feitiçaria, pelo menos no nome, é a Espada e sandália, embora seus temas são geralmente orientados para os tempos bíblicos e da Antiguidade, em vez de fantasia.[3] [4]

Origem[editar | editar código-fonte]

O termo " espada e feitiçaria " foi cunhado pela primeira vez em 1961, quando o autor britânico Michael Moorcock publicou uma carta no fanzine Amra, exigindo um nome para o tipo de história de fantasia e aventura escrito por Robert E. Howard. Ele havia proposto inicialmente o termo "fantasia épica". No entanto, o célebre escritor americano Fritz Leiber respondeu na revista Ancalagon (6 de abril de 1961), sugerindo , espada e feitiçaria como um bom slogan popular para o campo".[5]

Apesar de não ser mencionado explicitamente na carta de Leiber, o gênero de filmes "espada e sandália", surgido na Itália, que descreve as aventuras heroicas nas configurações derivadas da Bíblia ou da mitologia grega, estava no auge de sua popularidade nos Estados Unidos no momento em que a carta foi escrita.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Siegfried matando o dragão Fafner, ilustração pelo artista inglês Arthur Rackham.
Siegfried matando o dragão Fafner, ilustração pelo artista inglês Arthur Rackham.
Oriental Stories (Fevereiro-Março de 1932, vol. 1, no. 3), trazendo a história Red Blades de Black Cathay por Tevis Clyde Smith e Robert E. Howard
Oriental Stories (Fevereiro-Março de 1932, vol. 1, no. 3), trazendo a história Red Blades de Black Cathay por Tevis Clyde Smith e Robert E. Howard

O subgênero tem raízes antigas. Em última análise, Como de mitologia e épicos clássicos como A Odisséia de Homero e as sagas nórdicas.

Ele também é influenciado pela ficção histórica, iniciada por Sir Walter Scott, sob a influência da coleção romântica de folclore e baladas.[6] No entanto, muito poucos dos seus trabalhos contêm elementos fantásticos.; na maior parte, o aparecimento de tais é explicado,[7] mas em seus temas de aventura em uma sociedade estranha, isso levou a as aventuras estabelecidos em terras estrangeiras por H. Rider Haggard e Edgar Rice Burroughs.[8] As obras de Haggard incluído muitos elementos fantásticos.[9]

No entanto, os progenitores imediatos de espada e de feitiçaria são os contos capa e espada de Alexandre Dumas, père (Os Três Mosqueteiros (1844), etc.), Rafael Sabatini (Scaramouche (1921), etc.) e seus imitadores publicados em revistas pulp, como Talbot Mundy, Harold Lamb, e H. Bedford-Jones, todos influenciaram Robert E. Howard.[10] No entanto, estas romances históricas não possuíam o elemento verdadeiramente sobrenatural (embora a ficção Dumas 'continha muitas tropos de fantasia).[11] Outra influência era início da ficção fantástica como "The Fortress Unvanquishable, Save for Sacnoth" de Lord Dunsany (1910), The Ship of Ishtar de A. Merritt (1924). Todos esses autores influenciaram as tramas, personagens e paisagens usadas em espada e feitiçaria .


Além disso, muitos espada e feitiçaria primeiros escritores, como Robert E. Howard e Clark Ashton Smith, foram fortemente influenciados pelos contos orientais das Mil e Uma Noites cujas histórias de monstros mágicos e feiticeiros malignos foram uma grande influência sobre o gênero.

Também pode-se notar que, nas suas representações frequentes de tabernas esfumaçados e becos malcheirosos, por exemplo, a cidade Lankhmar de Fritz Leiber tem semelhança considerável com a Sevilha do século 16 como descrita no conto Rinconete y Cortadillo de Miguel de Cervantes.

Espada e feitiçaria adequada só é verdadeiramente começou nas revistas defantasia pulp, onde surgiram a partir do gênero "weird fiction." Particularmente importante foi a Weird Tales revista, que publicou histórias de Conan de Howard e Jirel of Joiry de C. L. Moore, bem como tal influências importantes para influências como H. P. Lovecraft e Clark Ashton Smith.

Obras seminais[editar | editar código-fonte]

Capa da Weird Tales, outubro de 1934, trazendo "The Black God's Kiss" de Moore, arte de Margaret Brundage
Capa da Weird Tales, outubro de 1934, trazendo "The Black God's Kiss" de Moore, arte de Margaret Brundage
Capa do romance The Chessmen of Mars, da série literária Barsoom de Edgar Rice Burroughs, 1922, arte J. Allen St. John
Capa do romance The Chessmen of Mars, da série literária Barsoom de Edgar Rice Burroughs, 1922, arte J. Allen St. John

O gênero foi definido, fortemente, pela obra de Robert E. Howard, em particular seus contos de Conan, o Bárbaro e Kull da Atlântida, a maioria publicada na Weird Tales de 1932 e 1929, respectivamente.[12] [13]

Outros livros e séries que definem o gênero de espada e feitiçaria incluem:

  • As séries de contos Zothique e Hyperborean de Clark Ashton Smith, começando com "The Empire of the Necromancers" e 'The Tale of Satampra Zeiros
  • A série de contos Jirel of Joiry de C. L. Moore, começando com "Black God's Kiss" (1934), que introduziu a primeira notável heroína de espada e feitiçaria. [14]
  • Fafhrd and the Gray Mouser de Fritz Leiber, começando com "Two Sought Adventure" (1939)
  • Elric de Michael Moorcock, começando com The Dreaming City (publicada em 1961 na revista Science Fantasy), notável por sua adesão ao contraestereótipo.
  • Swords and Sorcery de L. Sprague de Camp, a primeira antologia de espada e feitiçaria, Pyramid Books, Dezembro de 1963.
  • Kane de Karl Edward Wagner, começando com Darkness Weaves (1970), creditado com a revitalização do gênero.[15]
  • Thieves World de Robert Lynn Asprin, uma série de antologias de universo compartilhado criado em 1978.
  • Return to Nevèrÿon de Samuel R. Delany, uma série de três coleções de histórias e um romance influenciado pela teoria crítica, publicado de 1979 a 1987.
  • Imaro de Charles Saunders, começando com Imaro (1981), uma coleção de histórias curtas publicadas pela primeira vez na década de setenta no fanzine Dark Fantasy, que introduziu o primeiro protagonista negro de espada e feitiçaria.

Outras de histórias de fantasia pulp, tais como Barsoom de Edgar Rice Burroughs Sea Kings of Mars de Leigh Brackett se assemelham à espada e feitiçaria, mas, ciência alienígena substitui o sobrenatural, e geralmente são descritos como romance planetário ou espada e planeta, gêneros mais ligados a ficção científica.[16]


Apesar disso, romance planetário está estreitamente alinhada com espada e feitiçaria,[17] , o trabalho de Burroughs, Brackett, e outros foram significativos na criação e difusão de espada e feitiçaria. Otis Adelbert Kline, que foi agente literário de Robert E. Howard, também escreveu histórias similares,[18] em 1939, após quase três anos do falecimento de Howard, foi publicado nas páginas da revista Weird Tales, o romance Almuric, cuja autoria é atribuída a Howard.[19]

Revival[editar | editar código-fonte]

Da década de 1960 até a década de 1980, sob a orientação de Lin Carter, um seleto grupo de escritores formaram a Swordsmen and Sorcerers Guild of America (SAGA) para promover e ampliar o gênero espada e feitiçaria. De 1973 a 1981, cinco antologias de contos de membros SAGA foram publicados: editadas por Carter, estas foram conhecidas coletivamente como Flashing Swords !. Devido a estas e outras antologias (como a série Ballantine Adult Fantasy), a sua própria obra, e sua crítica, Carter é considerado um dos mais importantes divulgadores do gênero de fantasia em geral, e espada e feitiçaria em particular.[20]

Outra espada série de antologia notável que decorreu de 1977 a 1979 foiSwords Against Darkness (Zebra Books), editada por Andrew J. Offutt. Esta série teve cinco volumes e contou histórias de autores como Poul Anderson, David Drake, Ramsey Campbell, Andre Norton, e Manly Wade Wellman.

Na década de 1980, espada e feitiçaria foi usado como um termo depreciativo para os filmes baratos de fantasia que surgiram na época como um resultado do sucesso da adaptação cinematográfica de Conan, o Bárbaro (1982), figura emblemática do gênero.[21] O termo também é usado depreciativamente por escritores e leitores de fantasia épica. Revistas como Black Gate e os e-zines Flashing Swords (não confundir com as antologias Lin Carter) e Beneath Ceaseless Skies publicam contos do gênero.

Autoras e personagens femininas[editar | editar código-fonte]

Apesar da importância do C. L. Moore, Leigh Brackett, Andre Norton, e outras autoras, bem como a primeira heroín,a Jirel of Joiryl de C. L. Moore, espada e feitiçaria tem sido caracterizada como tendo um viés fortemente masculino. Personagens femininas eram donzelas geralmente em dificuldades para ser resgatado ou protegidas, ou de outra forma serviam como um incentivo ou recompensa para as aventuras de um herói masculino. As mulheres que tiveram sua próprias aventuras muitas vezes para combater a ameaça de estupro, ou por motivo de vingança.[22]

Sword and Sorceress série de antologia de Marion Zimmer Bradley (1984 em diante) tentou o inverso. Bradley encorajou escritoras e a criação de protagonistas femininas: as histórias apresentam espadachins hábeis e feiticeiras poderosas. A série foi imensamente popular e Bradley estava editando seu volume final, no momento da sua morte (a série continuou com outros editores). [23]

Introduzida como uma personagem menor em uma história histórica não-fantástica de Howard, "The Shadow of the Vulture", Red Sonya of Rogatino viria a inspirar uma heroína chamado Red Sonja, que apareceu pela primeira vez na série de quadrinhos da Marvel Comics, Conan, o Bárbaro escrita por Roy Thomas e ilustrada por Barry Windsor-Smith.[24] Red Sonja ganhou seu próprio título, eventualmente, uma série de romances por David C. Smith e Richard L. Tierney, bem como a adaptação para o cinema de Richard Fleischer lançada em 1985.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. lexandre Callari,Alexandre Callari, Bruno Zago, Daniel Lopes,. Quadrinhos no Cinema (em português). [S.l.]: Editora Évora, 2011. 38 p. ISBN 978-85-63993-18-2
  2. Rafael Braz (10/05/2013). Sucesso de 'Game of Thrones' reascende interesse pela literatura de 'espada e magia' A Gazeta.
  3. Isabela Boscov (17/5/2000). O império renasce Revista Veja.
  4. Outras Páscoas noutros tempos audiovisuais. Por Eurico de Barros. Diário de Notícias, 22 março 2008
  5. Lin Carter. Imaginary worlds: the art of fantasy. [S.l.]: Ballantine Books, 1973.
  6. Michael Moorcock, Wizardry & Wild Romance: A Study of Epic Fantasy, 79 p. ISBN 1-932265-07-4.
  7. John Clute and John Grant (ed.), The Encyclopedia of Fantasy, "Scott, (Sir) Walter", 845 p. ISBN 0-312-19869-8.
  8. Moorcock, Wizardry & Wild Romance: A Study of Epic Fantasy, 80–1 p.
  9. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Haggard, H. Rider ", 444–5 p.
  10. The Ultimate Encyclopedia of Fantasy,by David Pringle. London, Carlton 34 p.
  11. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Dumas, Alexandre père", 300 p.
  12. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Dumas, Alexandre père", 300 p.
  13. Steve Tompkins, Kull: Exile of Atlantis, xix p., ISBN 0-345-49017-7.
  14. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Moore, C(atherine) L(ucille)", 661 p. ISBN 0-312-19869-8.
  15. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Wagner, Karl Edward", 990 p. ISBN 0-312-19869-8.
  16. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Burroughs, Edgar Rice", 152 p. ISBN 0-312-19869-8.
  17. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Sword and Sorcery", 915 p.
  18. Gardner Dozois. Return to Venusport in Old Venus. [S.l.]: Titan Books, 2015. 9781783297887
  19. Don Herron. The Dark Barbarian: The Writings of Robert E Howard, a Critical Anthology. [S.l.]: Wildside Press LLC, 1984. 9781587152030
  20. Clute and Grant, The Encyclopedia of Fantasy, "Carter, Lin", 171 p.
  21. Nigel Andrews. True Myths: Arnold Schwarzenegger. [S.l.]: Bloomsbury Publishing, 2004. 113 p. 9780747573685
  22. Bradley, Marion Zimmer (1984). Sword and Sorceress. New York: DAW Books. 11 p.ISBN 0-87997-928-3.
  23. Bradley, Sword and Sorceress, 9–13
  24. Posfácio por Roy Thomas, em The Chronicles of Conan Volume 4: The Song of Red Sonja and Other Stories (Dark Horse, 2004)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ficção científica e fantasia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.