Estação Ferroviária de Juncal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Juncal IPcomboio2.jpg
IPestacao.jpg
Inauguração 15 de Setembro de 1878
Linha(s) Linha do Douro (PK 64,910)
Coordenadas 41° 08′ 26,34″ N, 8° 07′ 10″ O
Concelho Marco de Canaveses
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgR
Horários em tempo real
Serviços Sala de espera Telefones públicos
Lavabos Acesso para pessoas de mobilidade reduzida


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon HST grey.svgPala (Sentido Pocinho)
BSicon BHF grey.svgJuncal
BSicon BHF grey.svgMarco (Sentido Ermesinde)
BSicon CONTf grey.svg

A Estação Ferroviária de Juncal é uma interface da Linha do Douro, que serve as localidades de Paredes de Viadores, e Manhuncelos, no concelho de Marco de Canaveses, Distrito do Porto, Portugal. Foi inaugurada em 15 de Setembro de 1878.[1]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Localização e acessos[editar | editar código-fonte]

Situa-se junto à localidade de Paredes de Viadores, com acesso pela Rua do Juncal.[2]

Descrição física[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011, apresentava duas vias de circulação, ambas com 362 metros de comprimento; só detinha uma gare, com 115 metros de comprimento, e uma altura de 30 centímetros.[3]

Serviços[editar | editar código-fonte]

A estação só é utilizada por serviços Regionais da operadora Comboios de Portugal.[4]

Estação de Juncal, nos primeiros anos.

História[editar | editar código-fonte]

Esta estação entrou ao serviço em 15 de Setembro de 1878, como terminal provisório da Linha do Douro; o troço seguinte, até Régua, abriu à exploração em 15 de Julho de 1879.[5]

Em 1933, a Comissão Administrativa do Fundo Especial da Caminhos de Ferro autorizou as obras de calcetamento do acesso ao cais desta estação[6]; em 23 de Abril do ano seguinte, aprovou a construção de uma rampa de acesso ao cais, e a pavimentação do pátio de mercadorias[7], tendo estas obras sido lançadas em concurso pela Direcção-Geral de Caminhos de Ferro.[8] Um diploma do Ministério das Obras Públicas e Comunicações, publicado no Diário do Governo n.º 192, II Série, de 18 de Agosto de 1937, aprovou o auto de recepção definitiva da empreitada n.º 7, relativa àquelas duas obras, que tinham sido adjudicadas a Justino Teixeira.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. NONO, Carlos (1 de Setembro de 1949). «Efemérides ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1481). pp. 582–583. Consultado em 16 de Janeiro de 2017 
  2. «Juncal - Linha do Douro». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 16 de Janeiro de 2017 
  3. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. pp. 71–85 
  4. «Porto/Régua-Pocinho» (PDF). Comboios de Portugal. 22 de Maio de 2011. Consultado em 6 de Junho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 2 de julho de 2011 
  5. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. pp. 528–530. Consultado em 24 de Abril de 2013 
  6. «Direcção Geral de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1089). 1 de Maio de 1933. 277 páginas. Consultado em 24 de Abril de 2013 
  7. «Conselho Superior de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1113). 1 de Maio de 1934. 248 páginas. Consultado em 24 de Abril de 2013 
  8. «Concursos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1111). 1 de Abril de 1934. pp. 193–196. Consultado em 24 de Abril de 2013 
  9. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1193). 1 de Setembro de 1937. pp. 436–437. Consultado em 16 de Janeiro de 2017 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a estação de Juncal

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.