Gosto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O gosto define a sensação percebida pelas papilas gustativas, estruturas localizadas na língua, quando estimuladas por substâncias gustativas. Muitas pessoas utilizam a palavra gosto para designar sabor. Porém, em seu significado estrito, o gosto é aplicado somente para definir as sensações produzidas por células especializadas, localizadas na língua, enquanto que o sabor é percebido através dos neurônios olfatórios presentes nas cavidades nasais.

Os gostos primários ou básicos[editar | editar código-fonte]

  1. Gosto doce: gosto produzido por soluções aquosas de substâncias adoçantes (ex. solução de sacarose);
  2. Gosto ácido: gosto produzido por soluções aquosas de substâncias ácidas (ex. solução de ácido cítrico);
  3. Gosto amargo: gosto produzido por soluções aquosas de substâncias amargas (ex. solução de cafeína);
  4. Gosto salgado: gosto produzido por soluções aquosas de sais (ex. solução de cloreto de sódio, o sal de cozinha);
  5. Gosto umami: gosto produzido por soluções aquosas de glutamatos (ex. solução de glutamato monossódico);

Vias do gosto[editar | editar código-fonte]

O suprimento sensorial da língua é composto por ramos dos nervos lingual (V), facial (VII) e glossofaríngeo (IX). O nervo lingual contém fibras que inervam os receptores do tato, temperatura e dor. As fibras gustativas dos botões terminais fungiformes inicialmente caminham com o nervo lingual, mas separam-se para formar a corda do tímpano que caminha através do ouvido médio para unir-se ao nervo facial. O nervo glossofaríngeo leva a sensação do gosto dos botões gustativos das papilas circunvaladas e foliadas. A inervação dos botões gustativos que não estão situados na língua é feita através dos nervos facial e vago (X).

As fibras gustativas dos nervos VII, IX e X realizam a sua primeira sinapse com neurônios de segunda ordem no núcleo do trato solitário na medula. A projeção aferente do trato solitário do bulbo é disposta numa direção rostro-caudal, o VII nervo termina em uma posição rostral, o IX nervo intermediária do núcleo e o X nervo na zona caudal do núcleo. Aferentes gustatórios de segunda ordem projetados do núcleo do trato solitário irradiam-se no núcleo caudal parabranquial (transmissor pontino). Registros na área pontina gustativa mostram que a língua posterior (IX nervo) projeta-se para a área dorsomedial, e a língua anterior (VII nervo) para uma parte mais ventrolateral do transmissor pontino. Existe alguma sobreposição entre as duas posições, mas elas estão por outro lado separadas. Na área pontina do gosto existe uma bifurcação das vias ascendentes. Um ramo vai para a área do gosto no tálamo, situada na ponta medial do complexo ventro-basal. O outro ramo continua através do lemenisco medial para dentro do subtálamo e hipotálamo. Outras fibras desta segunda projeção terminam eventualmente no núcleo central da amígdala. Até o presente, a projeção da via gestatória do tálamo para o córtex parece ser complexa; foram encontradas duas projeções. Uma posição está na área somatossensatória da face e da boca, enquanto a outra no córtex opercular.

Acredita-se que a projeção cortical é concernente primariamente com aspectos discriminativos da percepção gustativa. As projeções hipotalâmicas e límbicas são de interesse, porque as vias olfatórias também se projetam para estas áreas, sugerindo uma interação entre os dois sentidos químicos importantes na ingestão de alimentos. A terminação hipotalâmica tem um significado especial a este respeito.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete gosto.
Ícone de esboço Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.