Grande Prêmio de San Marino de 1987

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio de San Marino
de Fórmula 1 de 1987
Circuit Imola 1992.png
Sétimo GP de San Marino realizado em Imola
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 3 de maio de 1987
Nome oficial VII Gran Premio di San Marino
Local Autódromo Enzo e Dino Ferrari, Ímola, Emília-Romanha, Itália
Total 59 voltas / 297.360 km
Condições do tempo Ensolarado, ameno
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna Lotus-Honda
Tempo 1:25.826
Volta mais rápida
Piloto
Itália Teo Fabi Benetton-Ford
Tempo 1:29.246 (na volta 51)
Pódio
Primeiro
Reino Unido Nigel Mansell Williams-Honda
Segundo
Brasil Ayrton Senna Lotus-Honda
Terceiro
Itália Michele Alboreto Ferrari

Resultados do Grande Prêmio de San Marino de Fórmula 1 realizado em Ímola em 3 de maio de 1987. Foi a segunda etapa da temporada e também a sétima edição da corrida, marcada pelo acidente de Nelson Piquet, piloto da Williams-Honda, nos treinos de sexta-feira.[1][2][nota 1]

A corrida foi vencida pelo piloto britânico Nigel Mansell pilotando uma Williams FW11B. Foi a oitava vitória do "leão" em sua carreira e também a primeira (de duas) no circuito de Ímola. Mansell terminou vinte e sete segundos à frente do brasileiro Ayrton Senna dirigindo uma Lotus 99T e o terceiro foi o italiano Michele Alboreto a bordo duma Ferrari F1/87. A vitória deu Mansell um ponto de vantagem sobre o francês Alain Prost, da McLaren, na disputa pelo título.[3]

Resumo da prova[editar | editar código-fonte]

Nos treinos de sexta-feira o bicampeão mundial Nelson Piquet foi eliminado da corrida depois de um acidente na curva Tamburello. Um pneu da sua Williams FW11B estourou resultando um violento impacto contra o muro (quando o carro foi devolvido aos boxes, o engenheiro da Williams, Patrick Head, não pôde confirmar se o acidente foi causado por falha mecânica muito embora tanto ele quanto Nigel Mansell observassem os destroços do bólido de Piquet tão minuciosamente quanto possível). Candidato ao título, o brasileiro, mesmo grogue após a batida, afirmava ter sofrido apenas uma lesão no tornozelo. Levado para o hospital Bellaria em Bolonha, a 40 km do circuito, recebeu o diagnóstico de traumatismo craniano e uma entorse no joelho esquerdo. Embora o quadro geral não apresentasse gravidade, ele foi proibido de correr pelo diretor médico da FIA, Sid Watkins.[4] Durante o fim de semana, Piquet trabalhou como comentarista convidado na televisão italiana. Anos depois, ele revelou que sentia dores de cabeça, dificuldade para dormir, falhas na visão em profundidade e, às vezes, visão dupla como sequelas do acidente e, pelo resto da temporada de 1987, fez tratamento médico às escondidas, pois temia a cassação de sua superlicença por requisição da Williams ou sugestão de Watkins.[5]

Avaliando as imagens de seu acidente, Piquet chegou a apostar numa falha mecânica, entretanto a hipótese de um pneu estourado tornou-se recorrente e as queixas dos pilotos quanto à fragilidade dos compostos Goodyear levaram a empresa a recolher o material à disposição dos times por pneus trazidos do Reino Unido e de Maranello, sede da Ferrari, afinal os compostos originais levados a Ímola eram diferentes daqueles fornecidos para um teste programado no circuito na semana anterior à corrida.[6] No sábado a pole position ficou nas mãos de Ayrton Senna que posicionou sua Lotus com suspensão ativa à frente da Williams de Nigel Mansell, com Alain Prost, líder do campeonato, à frente de Teo Fabi num duelo entre McLaren e Benetton enquanto a Ferrari ocupou a terceira fila com Gerhard Berger e Michele Alboreto.[7]

No momento da largada falharam os carros de Stefan Johansson (McLaren) Andrea de Cesaris (Brabham) e Martin Brundle (Zakspeed) e com isso autorizaram um novo giro de apresentação, encurtando para 59 as voltas a serem percorridas. Ao apagar das luzes eis que Ayrton Senna conservou a liderança por menos de duas voltas quando Nigel Mansell tomou-lhe o primeiro lugar e três passagens depois Alain Prost derrubou o brasileiro para o terceiro lugar expondo-o ao assédio da Ferrari. Superado por Michele Alboreto, Senna ficou entre o italiano e Gerhard Berger enquanto Prost parou por falha no alternador após reduzir a vantagem de Mansell e quase no mesmo instante o carro de Berger foi superado por Riccardo Patrese, Stefan Johansson e Teo Fabi antes de abandonar.

Na vigésima segunda volta Nigel Mansell foi para os boxes e pouco depois é seguido por Michele Alboreto e Ayrton Senna. Quando os então líderes retornam à pista o piloto da Williams retomou o primeiro lugar à frente de um surpreendente Riccardo Patrese, o qual abandonaria a contenda por falha no alternador. Tranquilo em relação aos rivais, Mansell venceu a prova enquanto a definição de quem subiria com ele ao pódio após o infortúnio de Patrese foi mais instigante: na 42ª volta Alboreto superou Senna na chicane Acqua Minerale, mas sete giros mais tarde o brasileiro recuperou o segundo lugar e cruzou a linha de chegada quase vinte e oito segundos atrás de Mansell e oito adiante de Michele Alboreto. Completaram a zona de pontuação os pilotos Stefan Johansson, da McLaren, Martin Brundle, que marcou os únicos pontos da equipe Zakspeed na categoria[8] e Satoru Nakajima, da Lotus, o primeiro japonês a marcar pontos na categoria,[9] algo notável pois ele largou dos boxes e ficou sem combustível duas voltas antes de encerrada a prova.[3]

Classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 5 Reino Unido Nigel Mansell Williams-Honda 59 1:31'24"076 2 9
2 12 Brasil Ayrton Senna Lotus-Honda 59 + 27"545 1 6
3 27 Itália Michele Alboreto Ferrari 59 + 39"144 6 4
4 2 Suécia Stefan Johansson McLaren-TAG/Porsche 59 + 1'00"588 8 3
5 9 Reino Unido Martin Brundle Zakspeed 57 + 2 voltas 15 2
6 11 Japão Satoru Nakajima Lotus-Honda 57 Pane seca 12 1
7 10 Alemanha Ocidental Christian Danner Zakspeed 57 + 2 voltas 18
8 4 França Philippe Streiff Tyrrell-Ford 57 + 2 voltas 22
9 7 Itália Riccardo Patrese Brabham-BMW 57 + 2 voltas 7
10 30 França Philippe Alliot Lola-Ford 56 + 3 voltas 22
11 17 Reino Unido Derek Warwick Arrows-Megatron 55 Pane seca 10
12 21 Itália Alex Caffi Osella-Alfa Romeo 54 Pane seca 20
13 14 França Pascal Fabre AGS-Ford 53 + 6 voltas 25
Ret 19 Itália Teo Fabi Benetton-Ford 51 Turbo 4
Ret 20 Bélgica Thierry Boutsen Benetton-Ford 48 Motor 11
Ret 18 Estados Unidos Eddie Cheever Arrows-Megatron 48 Embreagem 9
Ret 3 Reino Unido Jonathan Palmer Tyrrell-Ford 48 Embreagem 24
Ret 8 Itália Andrea de Cesaris Brabham-BMW 39 Rodada 14
Ret 23 Espanha Adrian Campos Minardi-Motori Moderni 30 Câmbio 17
Ret 22 Itália Gabriele Tarquini Osella-Alfa Romeo 26 Câmbio 26
Ret 24 Itália Alessandro Nannini Minardi-Motori Moderni 25 Turbo 16
Ret 16 Itália Ivan Capelli March-Ford 18 Motor 23
Ret 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 16 Pane elétrica 5
Ret 1 França Alain Prost McLaren-TAG/Porsche 14 Pane elétrica 3
Ret 26 Itália Piercarlo Ghinzani Ligier-Megatron 7 Direção 19
DNS 25 França René Arnoux Ligier-Megatron Acidente 13 [nota 2]
DNS 6 Brasil Nelson Piquet Williams-Honda Acidente nos treinos

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: Nelson Piquet 11 voltas (1-7; 17-20), Ayrton Senna 5 voltas (8-12), Alain Prost 45 voltas (13-16; 21-61).
  2. Um defeito na suspensão impediu a participação de René Arnoux no momento da relargada.

Referências

  1. «1987 San Marino Grand Prix - race result». Consultado em 23 de agosto de 2018 
  2. Fred Sabino (28 de abril de 2019). «Famoso pela morte de Ayrton Senna, autódromo de Imola era dos mais rápidos e desafiadores». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de abril de 2019 
  3. a b Vitória de Mansell comprova força da Williams (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 04/05/1987. Esportes, p. 04. Página visitada em 23 de agosto de 2018.
  4. Piquet bate a 300 km/h mas não corre perigo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 02/05/1987. Esportes, p. 17. Página visitada em 23 de agosto de 2018.
  5. Nélson (sic) Piquet: Uma obstinada luta para correr. Mas o médico proibiu (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/05/1987. Esportes, p. 44. Página visitada em 23 de agosto de 2018.
  6. Pela TV, uma constatação: pneu estourou (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/05/1987. Esportes, p. 44. Página visitada em 23 de agosto de 2018.
  7. Senna larga na pole. Piquet fora (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 03/05/1987. Geral, p. 37. Página visitada em 23 de agosto de 2018.
  8. Fred Sabino (3 de maio de 2019). «Zakspeed pintou como equipe promissora mas nunca vingou e só marcou dois pontos na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de maio de 2019 
  9. Fred Sabino (23 de fevereiro de 2019). «Satoru Nakajima foi primeiro japonês a pontuar na F1 mas ficou lembrado pelas trapalhadas». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de março de 2019 


Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1987
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1987
Sucedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 1987
Precedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1986
Grande Prêmio de San Marino
7ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1988