Hip hop tuga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hip hop Tuga)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Hip hop tuga

Hip Hop Tuga, ou Hip Hop português é a variante portuguesa do hip hop, tendo nascido nos anos 80 e popularizado na década seguinte.

História[editar | editar código-fonte]

O hip hop chegou a Portugal na década de 1980. Primeiro invadiu os guetos mas depressa se generalizou. Desenvolvido nos Estados Unidos por Afro-Americanos na década de 1970(1976) , o hip hop chegou ao país e infiltrou-se nos subúrbios da cidade de Lisboa e do Porto. Zonas como Amadora, Cacém, Vila Nova de Gaia, Maia e Margem Sul do Tejo foram consideradas o berço deste movimento.

Dos Estados Unidos, o hip hop trouxe a moda da streetwear, usada em Portugal pelos mais novos e os quatro elementos fundamentais: o MC'ing, o DJ'ing, breakdance e o graffiti.

O primeiro divulgador a nível nacional do movimento foi José Mariño, com seu programa de rádio "Novo Rap Jovem" na extinta Rádio Energia. Em 1994, quando a RDP decidiu criar a terceira rádio, o mesmo se mudou para a Antena 3 onde passou a apresentar o Repto, o programa de rádio que mais divulgou o rap nacional, onde passava muitas das maquetes de artistas que mais tarde se viriam a afirmar no panorama nacional.

Foi com a compilação Rapública lançada em 1994 que o hip hop se afirmou de vez entre os portugueses. O refrão “Não sabe nadar, yo” chegou às bocas do povo rapidamente. Até mesmo o Presidente da República na época, Mário Soares, o usou num dos seus discursos polémicos: “As gravuras não sabem nadar, yo!”. Apesar do boom, o hip hop acabou em desuso entre a população jovem, perdendo o compasso do estrangeiro, embora continuasse a se sentir nos arredores da capital.

Começaram a despertar álbuns marginais, mais alternativos e caseiros, sem quaisquer preocupações comerciais. Como referiu Sam the Kid, uma das referências do hip hop tuga,[1] numa entrevista, “as pessoas quando começam a fazer música não pensam no negócio, pensam só em criar”.

Depois de 10 anos do movimento, surgiram grandes álbuns, pelas grandes gravadoras, que uniram o útil ao agradável. Apostaram, assim, na fusão entre o rap e vários estilos musicais para atingir um público alvo bastante seletivo - os jovens.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]