Ilhas Virgens Americanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde julho de 2011). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
United States Virgin Islands
Ilhas Virgens dos Estados Unidos
Bandeira
Brasão de armas
Bandeira Selo
Lema: United in Pride and Hope
(Inglês: "Unidas no Orgulho e na Esperança")
Hino nacional: Marcha das Ilhas Virgens
Gentílico: Virginense

Localização  Ilhas Virgens dos Estados Unidos

Localização
Capital Charlotte Amalie
Cidade mais populosa Charlotte Amalie
Língua oficial Inglês
Governo Território organizado, sem personalidade jurídica, dos Estados Unidos
 - Presidente Donald Trump
 - Governador Kenneth Mapp
 - Vice-governador Osbert Potter
História  
História
Tratado das Índias Ocidentais Dinamarquesas
31 de Março de 1917
 - Revisão da Lei Orgânica 22 de Julho de 1954 
Área  
 - Total 346,36 km² (202.º)
 - Água (%) 1,0
População  
 - Estimativa para 2007 108 448 hab. (191.º)
 - Censo 2000 108 612 hab. 
 - Urbana  (n/a.º)
 - Densidade 354 hab./km² (34.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2004
 - Total US$ 1 577 000 000 de dólares (193.º)
 - Per capita US$ 14,500 (87.º)
Moeda Dólar dos Estados Unidos (USD)
Fuso horário UTC-4 (UTC-4)
 - Verão (DST) UTC-4 (UTC-4)
Cód. ISO US-VI
Cód. Internet .vi e .us
Cód. telef. +1
Website governamental http://www.vi.gov/

As Ilhas Virgens Americanas (oficialmente Ilhas Virgens dos Estados Unidos; em inglês: United States Virgin Islands) são dependências norte-americanas nas Caraíbas que compreendem a metade ocidental das ilhas Virgens e a ilha de Santa Cruz, a sul.

História[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Virgens dos EUA foram originalmente habitadas pelas tribos ciboneis, caraíbas e arauaques. As ilhas foram nomeadas por Cristóvão Colombo em sua segunda viagem em 1493 em homenagem à Santa Úrsula e seus seguidores virgens. Durante os próximos duzentos anos, as ilhas foram ocupadas por muitas potências europeias, incluindo Espanha, Grã-Bretanha, Holanda, França e o Reino da Dinamarca e Noruega.

A empresa dinamarquesa das Índias Ocidentais estabeleceu-se em São Tomé em 1672, instalou-se em São João em 1694 e comprou a Santa Cruz (Saint Croix) da França em 1733.[1] As ilhas tornaram-se colônias reais da Dinamarca em 1754, chamadas Ilhas do Índico das Ilhas Ocidentais (em dinamarquês: De dansk-vestindiske øer). A cana-de-açúcar, produzida pelo trabalho escravo, conduziu a economia das ilhas nos séculos XVIII e início do século XIX até a abolição da escravidão pelo governador Peter von Scholten em 3 de julho de 1848.

À Companhia das Índias Dinamarquesas e da Guiné também são creditadas com a nomeação da ilha de São João (dinamarquês: Sankt Jan). A coroa dinamarquesa assumiu o controle total de São João em 1754, juntamente com St. Thomas e St. Croix. As plantações de cana-de-açúcar, como a famosa Plantação de Açúcar Annaberg, foram estabelecidas em grande número em St. John devido ao calor intenso e ao terreno fértil que proporcionou condições de crescimento ideais. O estabelecimento de plantações de cana-de-açúcar também levou à compra de mais escravos da África. Em 1733, São João foi o local de uma das primeiras rebeliões de escravos no Novo Mundo, quando os escravos de Akwamu da Gold Coast assumiram a ilha por seis meses.

Os dinamarqueses conseguiram derrotar os africanos escravizados com a ajuda dos franceses da Martinica. Ao invés de se permitirem serem recapturados mais de uma dúzia de líderes atiraram em sui mesmos antes que as forças francesas pudessem capturá-los e chamá-los a explicar suas atividades durante o período de controle dos rebeldes. Estima-se que, em 1775, os escravos superassem em número os colonos dinamarqueses numa proporção de 5 para 1. Os caraíbas e arauaques indígenas também foram usados ​​como trabalho escravo até o ponto em que toda a população nativa era absorvida nos grupos maiores. A escravidão foi abolida nas Ilhas Virgens em 3 de julho de 1848.

Embora alguns proprietários de plantações se recusassem a aceitar a abolição, cerca de 5.000 negros foram libertados enquanto outros 17.000 permaneceram escravizados. Naquela época, os escravos trabalhavam principalmente nas plantações de açúcar. Outras culturas incluíam algodão e índigo. Ao longo dos anos seguintes, leis trabalhistas rigorosas foram implementadas várias vezes, levando os plantadores a abandonar suas propriedades, causando uma queda significativa na população e na economia das ilhas. No final dos anos 1800, inúmeros desastres naturais foram adicionados para piorar a situação.[2][precisa-se de fonte melhor?] Durante o período remanescente do domínio dinamarquês, as ilhas não eram economicamente viáveis ​​e transferências significativas eram efetuadas a partir dos orçamentos do Estado dinamarquês para as autoridades nas ilhas. Em 1867, um tratado para vender São Tomás e São João aos Estados Unidos foi acordado, mas a venda nunca era efetuada.[3] Uma série de reformas destinadas a revitalizar a economia das ilhas foram tentadas, mas nenhuma teve grande sucesso. Um segundo tratado preliminar para vender as ilhas para os Estados Unidos foi negociado em 1902, mas foi derrotado na câmara alta do parlamento dinamarquês em uma votação equilibrada (porque a oposição levou um membro de 97 anos de idade para a câmara).[3]

As conseqüências do furacão Marilyn na ilha de St. Thomas, 1995.

O início da Primeira Guerra Mundial aproximou as reformas e deixou as ilhas isoladas e expostas. Durante as fases de guerra submarina, os Estados Unidos, temendo que as ilhas pudessem ser apreendidas pela Alemanha como base submarina, voltou a se aproximar da Dinamarca para comprá-las. Depois de alguns meses de negociações, um preço de venda de US$ 25 milhões em moeda de ouro dos Estados Unidos foi acordado (isso equivale a pouco mais de US$ 550 milhões em dólares de 2016). Ao mesmo tempo, as economias da posse continuada pesava fortemente sobre as mentes dos tomadores de decisão dinamarquesas, e um consenso a favor da venda surgiu no parlamento.

O Tratado das Índias Ocidentais dinamarquesas foi assinado em agosto de 1916,[4] com um referendo dinamarquês realizado em dezembro de 1916 para confirmar a decisão. O acordo foi finalizado em 17 de janeiro de 1917, quando os Estados Unidos e a Dinamarca trocaram suas respectivas ratificações de tratados. Os EUA tomaram posse das ilhas em 31 de março de 1917 e o território foi renomeado pelas Ilhas Virgens dos Estados Unidos. Todos os anos, o Transfer Day é reconhecido como um feriado, para comemorar a aquisição das ilhas pelos Estados Unidos.[5] A cidadania dos EUA foi concedida aos habitantes das ilhas em 1927. O dólar americano foi adotado no território em 1934[6] e de 1935 a 1939 as ilhas eram uma parte da área aduaneira dos Estados Unidos.[7]

Water Island, uma pequena ilha ao sul de St. Thomas, foi inicialmente administrada pelo governo federal dos EUA e não se tornou parte do território das Ilhas Virgens dos EUA até 1996, quando 50 acres (200,000 m²) de terra foram transferidos para o governo territorial. Os restantes 200 acres (81 ha) da ilha foram comprados no Departamento do Interior dos EUA em maio de 2005 por US$ 10, uma transação que marcou a mudança oficial na jurisdição.[8]

O furacão Hugo atingiu as Ilhas Virgens dos EUA em 1989, causando danos físicos e econômicos catastróficos, particularmente na ilha de St. Croix. O território foi novamente atingido pelo furacão Marilyn em 1995, matando oito pessoas e causando mais de US$ 2 bilhões em danos. As ilhas foram novamente atingidas pelos furacões Bertha, Georges, Lenny e Omar em 1996, 1998, 1999 e 2008, respectivamente, mas os danos não foram tão graves nessas tempestades. Em 2017, o furacão Irma causou danos catastróficos a St. John e St. Thomas.


Mapa das ilhas

Política[editar | editar código-fonte]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Geografia[editar | editar código-fonte]

As ilhas Virgens Americanas ocupam a parte ocidental das Ilhas Virgens, a leste de Porto Rico. O território inclui três ilhas principais - São Tomás, São João e Santa Cruz - e cerca de cinquenta ilhotas desabitadas. O relevo de origem vulcânica é abrupto. O clima é tropical, mas chuvas irregulares tornam a agricultura difícil. Cultivam-se frutas e legumes em pequenas quantidades em Santa Cruz e em São Tomás.

Economia[editar | editar código-fonte]

O turismo é a principal atividade econômica. As ilhas normalmente hospedam 2 milhões de visitantes por ano, muitos dos quais visitam em navios de cruzeiro.

O setor industrial é composto por destilação,principalmente rum. O setor agrícola é pequeno, com a maioria dos alimentos sendo importado. Negócios internacionais e serviços financeiros são um componente pequeno, mas crescente da economia. A maior parte da energia também é gerada a partir do petróleo importado, levando a custos de eletricidade quatro a cinco vezes mais elevados do que o continente norte-americano. Água e Serviços de Energia também usam energia importada para operar suas instalações de dessalinização para fornecer água fresca.

Até fevereiro de 2012, a planta Hovensa localizado em St. Croix era uma das maiores refinarias de petróleo do mundo e contribuiu com cerca de 20% do PIB do território. Desde então, foi em grande parte desligado e agora está operando como não mais do que uma instalação de armazenamento de petróleo, provocando uma crise econômica local.

As Ilhas Virgens Americanas estão localizados na zona Hora Padrão do Atlântico e não participam do horário de verão. Quando o território dos Estados Unidos está na Hora Padrão, Ilhas Virgens dos EUA estão uma hora antes do horário da costa leste. Quando o território dos Estados Unidos está em horário de verão, Eastern Daylight Time é o mesmo que Atlantic Standard Time.

Para atrair mais empresas com foco em tecnologia e expandir esse segmento da economia, o governo fundou e lançou Universidade das Ilhas Virgens Research and Technology Park, em conjunto com empresas privadas e da Universidade das Ilhas Virgens.

As Ilhas Virgens são um território aduaneiro independente do território dos Estados Unidos e opera em grande parte como um porto livre. Cidadãos norte-americanos, portanto, não tem que passar pela alfândega ao chegar nas Ilhas Virgens dos EUA, mas fazer quando viajar para o continente. Os moradores locais não estão sujeitos a US impostos federais sobre Ilhas Virgens dos EUA rendimentos de origem; pagam impostos para o território igual ao que os seus impostos federais seria se eles viviam em um estado.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A maioria da população anglófona é de origem africana, mas há uma importante minoria de porto-riquenhos hispanófonos. De 35 a 40 por cento dos habitantes são originários de outras ilhas do Caribe e cerca de dez por cento são norte-americanos.

Religião: protestante e católica

Idiomas: inglês (oficial), castelhano e crioulo

Cultura[editar | editar código-fonte]

Baía Tronco, na ilha de São João (Saint John)

Esportes[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Virgens Americanas sempre demostraram fragilidade nas competições esportivas, porém em Jogos Olímpicos detêm uma medalha de prata conquistada na edição de Seul 1988, com Peter Holmberg, no iatismo.[9]

Referências

  1. «A Brief History of the Danish West Indies, 1666–1917». Danish National Archives. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  2. «Virgin Islands History». VI Now. VInow.com. 2015. Consultado em 15 de fevereiro de 2017. In the Danish West Indies slaves labored mainly on sugar plantations. Cotton, indigo and other crops were also grown. Sugar mills and plantations dotted the islands hilly landscapes. Each islands economy prospered through sugar plantations and slave trading. While St. John and St. Croix maintained a plantation economy, St. Thomas developed into a prosperous center of trade. Slave rebellion on St. John and St. Croix are well documented. Legitimate trade and business on St. Thomas influenced a different society where many more slaves were given freedom and an opportunity outside of plantation life. 
  3. a b A Brief History of the Danish West Indies, 1666–1917, Danish National Archives
  4. Convention between the United States and Denmark for cession of the Danish West Indies, Predefinição:USStat
  5. Transfer Day, Royal Danish Consulate, United States Virgin Islands
  6. United States Department of the Interior (1934). Annual Report of the Department of the Interior 1934. [S.l.]: U.S. Government Printing Office 
  7. various United States governmental bureaus (1950). Statistical Abstract of the United States. [S.l.]: U.S. Government Printing Office 
  8. Poinski, Megan. "Water Island appears frozen in time, but big plans run under the surface – V.I. says land acquired from the feds is about to undergo large-scale improvements". The Virgin Islands Daily News, November 18, 2005, online edition. Retrieved September 6, 2007.
  9. IOC (12 de julho de 2015). «Results by country: Virgins Islands, US». Consultado em 12 de julho de 2015 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Ilhas Virgens Americanas
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.