Ilhas oceânicas do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Anexo:Lista de territórios extracontinentais do Brasil deverá ser fundido aqui. (desde junho de 2013)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Vista aérea de Fernando de Noronha.

As ilhas oceânicas do Brasil são o arquipélago de Fernando de Noronha, as ilhas de Trindade e Martim Vaz, o rochedo de São Pedro e São Paulo e o atol das Rocas.[1] Há também as ilhas costeiras, que ficam próximas ao litoral, dentre as quais se destacam as ilhas de Itamaracá, em Pernambuco, Grande, no Rio de Janeiro, São Sebastião, em São Paulo e Santa Catarina, no estado de mesmo nome.

A ilha de Marajó, no litoral paraense, apesar de estar em contato com o oceano Atlântico, é uma ilha fluvial; é formada pela acumulação de sedimentos do rio Amazonas, ao lançar suas águas no oceano.[carece de fontes?]

Fernando de Noronha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fernando de Noronha
Baía do Sancho - Fernando de Noronha

Pertencente ao estado brasileiro de Pernambuco, o arquipélago de Fernando de Noronha, localizado a 545 km do Recife, é constituído por 21 ilhas[2] de origem vulcânica que, juntas, totalizam uma área de 26 km². O ponto mais alto do arquipélago é o Morro do Pico, com 323 metros de altura. Fernando de Noronha é a mais extensa e a única habitada, contando com 3.012 habitantes (IBGE, 2008), reunidos em Vila dos Remédios. Fernando de Noronha foi, por muito tempo (1942-1987), território federal ligado às Forças Armadas, mas com a Constituição de 1988, foi reincorporado ao estado de Pernambuco, como distrito estadual. Há alguns anos, vem sendo explorado mais intensamente no arquipélago o turismo, que, ao lado da pesca, é a principal atividade econômica[3] . Em Fernando de Noronha está um dos mais espetaculares pontos para a observação de golfinhos em todo o mundo, a enseada da Praia do Sancho.

Trindade e Martim Vaz[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Trindade e Martim Vaz
Mapa do arquipélago de Trindade e Martim Vaz.

Trindade e Martim Vaz, localizadas a 1.100 km da costa do Espírito Santo, constituem, na realidade, uma ilha maior, Trindade, com 8,2 km², e um grupo de cinco ilhotas de vegetação escassa, conhecidas como grupo Martim Vaz, a 50 km a leste de Trindade. A ilha maior é ocupada para observações meteorológicas, por situar-se em área de dispersão de massas de ar. São usadas como base da Marinha e estação meteorológica.

Penedos de São Pedro e São Paulo[editar | editar código-fonte]

Estação científica/militar localizada nos Penedos de São Pedro e São Paulo.

Pertencentes ao estado brasileiro de Pernambuco e situados a cerca de 1.000 km da costa do Rio Grande do Norte, os Penedos de São Pedro e São Paulo formam um pequeno arquipélago, no qual se destacam cinco rochedos maiores e uma dezena de outros menores. Sem água potável ou qualquer vegetação, são habitados apenas por aves marinhas, que lá procriam e deixam espessa camada de guano (aculumação de fosfato de cálcio resultante do excremento das aves marinhas).

Atol das Rocas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Atol das Rocas
Atol das Rocas, fotografado da Estação Espacial Internacional durante a Expedição 22

O Atol das Rocas é um pequeno recife elíptico, situado 145 km a oeste de Fernando de Noronha.[4] Com uma área de cerca de 7,5 km² e altitude média de apenas 3 m acima do nível oceânico, é o único atol no Atlântico Sul. Sem água potável e com uma rala cobertura vegetal, a ilha não é habitada, ainda que abrigue um farol automático para orientar a navegação. O local é um refúgio para uma enorme variedade de aves marinhas que povoam todos os espaços da ilha, o que fez com que, em 1979, o Atol das Rocas fosse transformado na primeira unidade de conservação marinha criada no Brasil.

Abrolhos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arquipélago de Abrolhos

A 80 km da Bahia localiza-se o arquipélago de Abrolhos, formado por cinco pequenas ilhas, que compõem o primeiro parque nacional marítimo. Possui grande quantidade e variedade de corais e é habitado por cabras selvagens e aves marinhas. Sua população — de menos de 20 pessoas — dedica-se à manutenção e funcionamento do farol, fundamental para a navegação aérea e marítima da região.

Notas e referências

  1. Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil (PDF) p. 9. IBGE. Visitado em 5 de agosto de 2012.
  2. [1]
  3. http://www.noronha.com.br/site/a_ilha.php
  4. KIKUCHI, R.K.P. Atol das Rocas. Visitado em 17 de outubro de 2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]