Inglingos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa de Yngling
Casa dos Inglingos
Ynglingaätten

País: Escandinávia, atual Noruega e Suécia
Fundador: Inguíno
Último soberano: Ingoldo, o Mal Governante
Etnia: Suíones, Suecos, Noruegueses
Inguíno, o primeiro rei da Casa dos Inglingos
A primeira página do poema Beovulfo, onde são referidos alguns reis da Dinastia dos Inglingos

Os Inglingos,[1] Ynglings ou Ynglingos - em sueco Ynglingaätten - foram uma dinastia lendária pré-histórica de reis escandinavos, alegadamente entre o século I e o VII, que reinou em parte da atual Suécia, com sede em Uppsala.[2][3][4]
Os sobreviventes desta dinastia teriam fugido para a Varmlândia, e daí passado à Noruega, onde teriam continuado a sua linha real.[5]
Os reis mais antigos são certamente de caráter lendário, com as fontes assumindo sua ascendência entre os deuses do panteão nórdico. Os reis mais recentes, porém, são mais "históricos" e aparecem referenciados em mais obras.[6][7]

A narrativa lendária da Dinastia dos Inglingos (Ynglingaätten) tem as sua fontes em antigos poemas, sagas e crónicas medievais escandinavas, especialmente na Saga dos Inglingos (Ynglingasagan), na Lista dos Inglingos (Ynglingatal), no Beovulfo, no Íslendingabók e na História da Noruega.

Lista dos reis Inglingos (Ynglingatal)[editar | editar código-fonte]

A fonte mais antiga é a Ynglingatal (Enumeração dos reis Yngling), um poema de finais do século IX escrito pelo escaldo (poeta) norueguês Tjodolfo de Hvinir que descreve a linhagem da dinastia dos reis noruegueses desde seus ancestrais divinos até o relativamente obscuro rei Ragnvaldo Olafsson, primo do rei norueguês Haroldo Cabelo Belo (c. 850 – c. 933).[8][9][10] A Ynglingatal, escrita na Noruega, conecta a dinastia real norueguesa não só aos deuses como também à célebre Dinastia dos Inglingos (Ynglingaätten) de Uppsala, tendo assim uma função propagandística.[11] Ynglingatal foi usada como modelo para o poema Háleygjatal, que comemora os ancestrais dos jarls de Lade desde Odin até Haquino Sigurdsson (m. 995), com fins propagandísticos similares.[11]

Saga dos Inglingos (Ynglingasagan)[editar | editar código-fonte]

Por sua vez, a Ynglingatal foi utilizada como fonte pelo escritor islandês Snorri Sturluson para a sua Saga dos Inglingos (Ynglingasagan), redatada como seção introdutória da crónica Heimskringla (História dos reis da Noruega) no início do século XIII.[12] A obra de Snorri descreve os Inglingos como sendo descendentes dos deuses nórdicos. De acordo com Snorri, os suecos foram inicialmente governados por Odin, seguido de Njord e finalmente Frei (ou Inguíno), o primeiro rei inglingo, que fez de Uppsala sua capital.[13] Seu filho, Fliolmo, é o primeiro rei que aparece no Ynglingatal, e a partir deste ponto a obra de Snorri segue fielmente a Ynglingatal.[13]

Beovulfo[editar | editar código-fonte]

Alguns dos reis Inglingos aparecem também no poema épico anglo-saxão Beovulfo. Assim, o rei Otaro escandinavo é Otere no poema anglo-saxão, e seu filho Adelo aparece como Eadgils.[10] Em ambas fontes, Adelo combate seu tio, o rei Alo (Onela em Beovulfo), na Batalha do Gelo, onde Alo é morto pelo sobrinho.[10]

Reis da lendária Dinastia dos Inglingos (Ynglingaätten)[editar | editar código-fonte]

A diversidade das fontes, aliada às suas diferenças e incongruências, resulta numa lista aproximada, que não coincide totalmente com as outras listagens existentes. Os primeiros onze reis são lendários, e os outros têm variados graus de historicidade. Apenas dois deles - Hugleik e Otaro Corvo de Madeira - são considerados personagens possivelmente históricas.[14][15][2]

Reis-deuses[editar | editar código-fonte]

Reis imaginários[editar | editar código-fonte]

Reis com alguma base histórica[editar | editar código-fonte]

Amundo e Ingoldo, o Mal Governante[editar | editar código-fonte]

Ramo norueguês[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Weber 1853, p. 351.
  2. a b Lagerqvist, Lars; Nils Åberg (2004). «Saga och sägen om våra förhistoriska kungar». Litet lexikon över Sveriges regenter (em sueco). Boda kyrkby: Vincent. p. 7. 63 páginas. ISBN 91-87064-43-X 
  3. «Ynglingaätten». Enciclopédia Nacional Sueca 
  4. Ohlmark, Åke (1975). «Ynglingarna». Fornnordisk ordbok (em sueco). Estocolmo: Tiden. p. 197. 202 páginas. ISBN 91-550-1914-5 
  5. Brink, Stefan (2012). Vikingarnas slavar (em sueco). Estocolmo: Atlantis. 326 páginas. ISBN 978-91-7353-466-6 
  6. Victor Alfred Nilsson. Sweden. Forgotten Books. 1899, 2011. ISBN 1440069123[1]
  7. Örjan Martinsson. «Ynglingaättens historia» (em sueco). Tacitus.nu. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  8. Daisy L. Neijmann. A History of Icelandic Literature. Volume 5 of History of Scandinavian literatures. University of Nebraska Press, 2007. ISBN 0803233469 [2]
  9. Jan de Vries. Altnordische Literaturgeschichte, Volume 1. Publisher Walter de Gruyter, 1942. ISBN 3110163306 [3]
  10. a b c T. D. Kendrick. A History of the Vikings. Courier Dover Publications, 2004. ISBN 048643396X [4]
  11. a b Margaret Clunies Ross. Old Icelandic literature and society. Volume 42 of Cambridge studies in medieval literature. Cambridge University Press, 2000. ISBN 0521631122 [5]
  12. Snorri Sturluson, Lee Milton Hollander. Heimskringla: history of the kings of Norway. Publisher University of Texas Press, 1991. ISBN 0292730616 [6]
  13. a b John Lindow. Handbook of Norse mythology. ABC-CLIO, 2001. ISBN 1576072177[7]
  14. «Sagokungar». Tacitus.nu 
  15. «Ynglingaättens historia». Tacitus.nu 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Weber, Georg (1853). Historia de la Edad Media (1853 - XL, 439 p.). [S.l.]: Imp. de Diaz y Compañía 
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.