João Rodrigues de Vasconcelos e Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Rodrigues de Vasconcelos e Sousa
Nascimento Reino de Portugal

João Rodrigues de Vasconcelos e Sousa, 2.° conde de Castelo Melhor[1], foi um militar e administrador colonial português. Era senhor de Valhelhas, Almendra, e Mouta Santa, e exerceu os cargos de alcaide-mor e comendador de Pombal, alcaide-mor de Penamacor, governador das armas e do Conselho de Guerra[2].

Distinguiu-se com patriotismo no período da Restauração da Independência de Portugal. Achava-se na Índia quando foi aclamado rei D. João IV de Portugal, onde empreendeu uma empresa, que ainda não conseguida, será eternamente gloriosa: intentou, junto com D. Rodrigo Lobo e outros fidalgos, trazer para o seu País, os galeões que estavam em Cartagena. Descoberto o seu intento foi preso com os seus companheiros, resistindo estoicamente aos sofrimentos que lhe foram impostos, para não denunciar os seus cúmplices. Quando regressava sob prisão a Castela, salvaram-no corsários holandeses que o raptaram a pedido de D. João IV, e o conduziram à Pátria[3].

Recebido com todas as honras pelo novo monarca, deu-lhe os cargos de Governador das Armas das províncias do Minho e Alentejo e foi Conselheiro de Guerra[4].

Depois partiu de Lisboa a 4 de novembro de 1649, no comando da primeira Armada da Companhia Geral do Comércio do Brasil, como Governador-Geral do Brasil nomeado, tendo como imediato o almirante Pedro Jacques de Magalhães, futuro Visconde de Fonte Arcada. Tomou posse na Bahia a 4 de janeiro de 1650.

Mal provida dos gêneros estancados, no ano seguinte registrou-se enorme escassez de gêneros no Brasil e os protestos contra a Companhia se multiplicaram. Em 1650 a Câmara Municipal do Rio de Janeiro estabeleceu um tabelamento de preços para a venda ao consumidor dos gêneros mais necessários.

Voltando ao reino governou pela segunda vez as Armas da província do Minho, acompanhado do seu filho, Luís de Vasconcelos e Sousa, ainda combateu na campanha de 1658 da Guerra da Restauração contra a finalização do domínio filipino sobre o Reino de Portugal[5].

Morreu em 1658[6].

Referências

Precedido por
António Teles de Meneses
Governador-geral do Brasil
1650 — 1654
Sucedido por
Jerónimo de Ataíde, 6.º Conde de Atouguia