Lista do Patrimônio Mundial no Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta é uma lista do Patrimônio Mundial no Egito, especificamente classificada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). A lista é elaborada de acordo com dez principais critérios e os pontos são julgados por especialistas na área.[1] O Egito, berço de uma das mais proeminentes civilizações da antiguidade, possui 8 sítios listados, sendo 7 locais de cultura e 1 local natural.

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

O Egito possui atualmente os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

All Gizah Pyramids.jpg Mênfis e a sua necrópole - Complexos de Pirâmides de Gizé a Dachur
Bem cultural inscrito em 1979.
Localização: Gizé
Ao redor da capital do Antigo Império egípcio subsistem extraordinários monumentos funerários: tumbas rupestres, mastabas delicadamente ornamentadas, templos e pirâmides. Mênfis era considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. (UNESCO/BPI)[2]
Ramses II in Luxor Temple.jpg Tebas Antiga e a sua Necrópole
Bem cultural inscrito em 1979.
Localização: Luxor
Tebas, a cidade do deus Amom, foi a capital do Egito nas eras do Médio e Novo Império. O sítio compreende os templos e palácios de Carnaque e Luxor, bem como as necrópoles do Vale dos Reis e do Vale das Rainhas. Todos estes monumentos são testemunho impressionante do apogeu da civilização egípcia. (UNESCO/BPI)[3]
Abu Simbel Main Temple (2346939149).jpg Monumentos Núbios de Abul-Simbel a Filas
Bem cultural inscrito em 1979.
Localização: Assuã
A Núbia é uma excepcional zona arqueológica, cravejada de admiráveis monumentos como os templos do faraó Ramessés II em Abul-Simbel e o santuário de Ísis em Filas, que foram salvos da inundação do Nilo provocada pela construção da Represa de Assuã, graças a uma campanha internacional liderada pela UNESCO entre 1960 e 1980. (UNESCO/BPI)[4]
Muizz Street - Egypt.jpg Cairo histórico
Bem cultural inscrito em 1979.
Localização: Cairo
Em meio a aglomeração urbana, a cidade islâmica do Cairo é uma das mais antigas do mundo, com suas renomadas mesquitas, palácios, termas e fontes. Fundada no século X, chegou a ser o centro do mundo islâmico, alcançando seu apogeu no século XIV. (UNESCO/BPI)[5]
Abu Mena Ancient Monastery 05.JPG Abu Mena
Bem cultural inscrito em 1979.
Localização: Alexandria
Cidade sagrada paleocristã, Abu Mena foi edificada sobre a tumba do mártir Menas de Alexandria, morto em 296. Conserva a igreja, o batistério, as basílicas, os edifícios públicos, as ruas, os monastérios, as casas e oficinas. (UNESCO/BPI)[6]
Saint Catherine's Monastery (Sinai-2005).jpg Área de Santa Catarina
Bem cultural inscrito em 2002.
Localização: Sinai do Sul
O monastério ortodoxo de Santa Catarina está situado aos pés do Monte Horeb, onde Moisés recebeu as Tábuas da Lei segundo o Antigo Testamento bíblico. Os muçulmanos também veneram esta montanha sob o nome de Jebel Musa. A região é sagrada para três grandes religiões mundiais: o cristianismo, o Islão e o judaísmo. O monastério foi fundado no século V de nossa era e é o mais antigo de toda a cristandade que mantém sua função primitiva. Abriga coleções extraordinários de manuscritos cristãos e ícones antigos. A escabrosa paisagem montanhosa do entorno, que cerca com perfeição o monastério, abriga numerosos sítios arqueológicos e religiosos. (UNESCO/BPI)[7]
The Rocky Mountains in whales valley.jpg Uádi Hitã (Vale das Baleias)
Bem natural inscrito em 2005.
Localização: Faium
O sítio de Uádi Hitã – o Vale das Baleias – está situado no deserto ocidental do Egito e possui inestimáveis achados fósseis de arqueocetos, cetáceos de uma ordem antiga específica, atualmente extintos. Os fósseis das baleias de Uádi Hitã são testemunhas de uma importante etapa da evolução das espécies: a passagem destes mamíferos – que viviam no meio terrestre – a uma vida oceânica. Este sítio é o mais importante do globo em seu gênero que compreende a etapa evolutiva dos cetáceos, já que os vestígios existentes são um vivo expoente de sua forma de vida durante a transição terra-mar. O número, a concentração e qualidade dos fósseis, assim como sua acessibilidade e localização em paisagem de grande beleza, fazem deste sítio um local excepcional por todos os aspectos. Os fósseis de baleias de Uádi Hitã pertencem ao grupo mais recente dos arqueocetos, ou seja, que se encontravam na fase conclusiva da evolução de seus membros inferiores. Outros fósseis do sítio permitem, além disso, reconstruir o meio ambiente e as condições ecológicas da época. (UNESCO/BPI)[8]

Referências

  1. «Critérios operacionais da Convenção para o Património Mundial» (PDF). UNESCO. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  2. «Menfis y su necrópolix- Zonas de las pirámides desde Guiza hasta Dahshur». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  3. «Antigua Tebas y sus necrópolis». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  4. «Monumentos núbios de Abul-Simbel a Filas». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  5. «El Cairo histórico». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  6. «Abu Mena». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  7. «Zona de Santa Catalina». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  8. «Wadi Al-Hitan (Valle de las Ballenas)». UNESCO. Consultado em 8 de janeiro de 2018