Música e álcool

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Capa do single Não Paro de Beber, canção de Gusttavo Lima, que em seu refrão diz "Eu vou morrer, eu vou morrer / Eu vou morrer mas eu não paro de beber".

A relação entre música e álcool é evidente no conteúdo lírico da música contemporânea. Um estudo realizado pela Liverpool John Moores University mostrou que, de cada cinco canções que entravam no top 10 da parada britânica UK Singles Chart, uma tinha temática etílica.[1] Outros exemplos claros incluem a música sertaneja e o funk carioca, no Brasil. Nas letras desses estilos, costuma-se relacionar o consumo de bebidas alcoólicas a uma vida luxuosa, de festas, baladas, sexo[2] ou como a melhor maneira de sanar as mágoas do fim de um relacionamento.[3]

A associação de bebidas alcoólicas à prosperidade ou à cura da tristeza é vista como preocupante, uma vez que uma divulgação tão ampla de seu consumo é citada como capaz de aumentá-lo em grande escala. Há estudos comprovando a relação entre o retrato de bebidas na televisão e em vídeos musicais e o crescimento das taxas de uso entre os adolescentes. Estes estudos concluem que deve haver um esforço dentre os governos para aumentar a propaganda contra a bebida em escolas, a fim de evitar sucessivas evoluções nos números.[4]

Pesquisas acadêmicas[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a relação entre as letras da música sertaneja e o consumo de álcool já foi tema de trabalhos acadêmicos em áreas distintas. No estudo de Mariana Lioto, pesquisadora na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, de 48 artistas famosos do gênero sertanejo estudados, apenas sete não possuíam nenhuma música abordando a temática, e 85% das duplas abordam o assunto em pelo menos uma canção.[3] A questão se torna relevante no país uma vez que há diversos registros de problemas devido ao consumo de álcool por estudantes universitários e, de acordo com o médico psiquiatra Ronaldo Laranjeira, citando dados oficiais do governo, 70% das mortes violentas ocorridas no Brasil estão ligadas diretamente com o uso de bebida alcoólica.[5] A letra de "Não Paro de Beber", do cantor Gusttavo Lima, por exemplo, afirma em seus versos "Eu vou morrer, eu vou morrer / Eu vou morrer mas eu não paro de beber".

Listagem[editar | editar código-fonte]

A dupla sertaneja Guilherme & Santiago, na canção "Triste e Alegre", diz em seus versos iniciais: "Eu fico triste, alegre / Sem beber eu fico triste / bebendo eu fico alegre".
O cantor Leonardo é um dos cantores sertanejos que tocam no assunto "bebida" nas canções, como por exemplo na música "Beber, Beber", a qual os versos do refrão dizem "Segunda-Feira eu vou pro bar, Terça-Feira eu vou também / beber, beber, beber, beber", e no meio da música ele brinca dizendo "Hoje eu não tô bom pra beber não, eu tô excelente!!".

Dentre as canções populares que exaltam o consumo de bebidas alcoólicas, pode-se citar:

Leitura adicionail[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]