Licor Beirão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Licor Beirão
Licor Beirão
Tipo licor
Origem Portugal Portugal
Website http://www.licorbeirao.com

O Licor Beirão é um licor típico de Portugal, em particular da região da Beira.

A sua produção teve início no século XIX, na vila da Lousã, com base em diversas plantas - entre as quais o eucalipto, a canela, o alecrim e a alfazema - e sementes aromáticas, submetidas a um processo de dupla destilação. O produto assim obtido apresenta uma tonalidade de topázio transparente, de sabor doce.

É normalmente consumido como digestivo, simples ou com gelo; além de poder ser utilizado no preparo de cocktails como o Morangão e o Caipirão, sendo este último uma variante da tradicional caipirinha.

História[editar | editar código-fonte]

Quinta do Meiral
Fábrica do Licor Beirão

A bebida, ainda sem o apelido que a caracterizaria, nasceu na vila da Lousã (à época escrito “Louzan”, como ainda aparece no rótulo) no século XIX.

De acordo com a tradição, um caixeiro-viajante do Porto, de passagem pela vila para a venda de vinho do Porto, apaixonou-se pela filha de um farmacêutico local, e com ela se casou, ali se estabelecendo. A farmácia de seu sogro vendia, além dos remédios habituais, licores preparados com ingredientes naturais, segundo receitas ancestrais e secretas.

Com a entrada em vigor, no país, de uma lei que proibia a atribuição de efeitos medicinais a bebidas alcoólicas, o jovem caixeiro decidiu montar uma fábrica em separado, onde veio a desenvolver os processos artesanais do sogro.

Em 1929 teve lugar em Castelo Branco, capital da Beira Baixa, o Congresso Beirão, e este licor foi assim batizado para celebrar esse evento. De notar que o próprio evento premiou o Licor com a medalha de ouro pela excelência e qualidade apresentadas.

Em 1940, devido às dificuldades impostas pela Segunda Guerra Mundial, a fábrica e a receita secreta foram adquiridas pelo jovem José Carranca Redondo, natural da Lousã, que nelas investiu as suas economias, passando a dedicar-se inteiramente ao negócio. A produção do licor passou a estar a cargo da esposa deste e, desde então, o licor tornou-se um dos mais populares do país, sendo hoje consumido por todas as gerações.

Processo de fabrico[editar | editar código-fonte]

É na Quinta do Meiral que o filho e dois netos do fundador fazem perdurar no tempo o sabor único do Licor Beirão. Produzido, segundo a formula secreta original, por uma dupla destilação de 13 sementes aromáticas, plantas e especiarias criteriosamente seleccionadas, o Licor Beirão de cor âmbar e sabor único, é ideal para ser bebido como digestivo, puro ou com gelo, mas também excelente para cocktails e doçarias.

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Nos anos 40, 50 e 60 uma campanha massiva nas estradas e cafés de Portugal deu a conhecer o Licor Beirão à maioria dos portugueses. Nas estradas, durante a década de 50, foram colocados painéis em diversas curvas perigosas, publicitando o licor[ref]. Estes painéis acabaram por ser proibidos, mas, de acordo com a imprensa à época, os desastres nesses trechos diminuíram, uma vez que os condutores; com curiosidade pelos cartazes, acabavam por abrandar a velocidade dos veículos. Está ainda na memória de todos o cartaz da tabuleta de madeira com um passarito pousado e a serra da Lousã como fundo, bem como o da “Majorette,” que escandalizou pela escassez de roupa.

Na década de 1960, o licor foi publicitado na imprensa com o slogan "Licor Beirão - O Beirão de quem se gosta"[1]. A frase referia-se, veladamente, a António de Oliveira Salazar. Diz-se que este já conhecia o anúncio mesmo antes de ser lançado, mas limitou-se a sorrir perante a audácia.

Já neste século, campanhas com Manuel João Vieira, José Diogo Quintela, João Paulo Rodrigues, os apresentadores do programa “5 para a meia noite” e Paulo Futre têm mantido o espírito irreverente da marca.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Müller, Margarida Pereira, Licor Beirão, o licor de Portugal : história e receitas. - Sintra: Colares, 2008

Notas

  1. http://www.cm-lousa.pt/biblioteca/licorbeirao.htm Arquivado em 13 de dezembro de 2007, no Wayback Machine. Câmara Municipal da Lousã

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre bebidas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.